11 de jun de 2019

Moro agoniza

Atingido no peito pelos arquivos do The Intercept Brasil, Sérgio Moro é um espectro que anda, fala e gesticula, mas que, politicamente, deixou de existir.

Transformou-se em um pato manco, para usar um termo preciso dos americanos (lame duck) quando querem se referir a um político já sem serventia, seja porque está em vias de ser sucedido, seja porque tornou-se inviável dentro do sistema que o criou.

Arte: Thiago Scherer
Bolsonaro, que antes o perseguia (e era ignorado) em aeroportos para prestar-lhe continência, fechou-se em copas e, como de costume, relegou aos filhos o trabalho sujo de defender o super ministro de papel.

Nas redes sociais, noves fora a histriônica Joice Hasselmann, coube a Carluxo e companhia recrutarem robôs para a triste tarefa de reverenciar um cadáver político. Sem sucesso.

Moro e Deltan Dallagnol estão em um abraço de afogados. Juntos, protagonizam o último ato da Lava Jato, essa farsa anunciada que destruiu a economia brasileira e soltou nas ruas esses demônios que elegeram um presidente da República demente cercado de nulidades e malucos.

A Lava Jato tem que ser anulada, como exigência processual e, mais ainda, como reparação do processo civilizatório.

Moro e Dallagnol têm que ser processados e pagar por essa lambança.

E Lula, libertado da prisão cruel e injusta a que foi submetido.

Leandro Fortes, jornalista

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.