5 de mai de 2019

O interesse do Ministro do Meio Ambiente pelos lixões: negócios, é claro


A razão do Ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles bloquear recursos de programas contra mudanças climáticas para aplicar em lixões tem uma explicação que nada tem a ver com zelo ambiental: é uma questão de negócios.

Nada contra. Aqui no GGN mostramos alguns dos negócios que estão sendo gerados com novas tecnologias para explorar o uso dos lixões. É um grande e útil mercado no qual o papel do governo federal é induzir com financiamentos, estímulos fiscais, pacto federativo, porque a decisão final cabe às prefeituras.

Ao atravessar o sinal, Ricardo Salles deve estar influenciado pelos mesmos movimentos que o fizeram alterar mapas georeferenciadas para beneficiar empresas em áreas de preservação ambiental: negócios.

Como aconteceu em São Paulo, seu trabalho não é definido por planejamento de ações, definição de prioridades: é negócio na veia.

Luís Nassif
No GGN

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.