11 de mai de 2019

História e educação

Há muita polêmica na literatura sobre por que as nações se diferenciam tanto em seu desenvolvimento econômico. As causas apontadas são as mais variadas: geografia, religião, instituições, colonialismo etc.

O subdesenvolvimento brasileiro, por exemplo, é associado ao nosso peculiar processo de colonização que nos legou a escravidão, o patrimonialismo e a inquisição, dos quais a abolição, a independência e a república não nos permitiram livrar-nos inteiramente.

Existem alguns fatores, entretanto, que parte dos estudiosos considera pressupostos comuns a muitas das experiências nacionais bem-sucedidas de superação do atraso.

Democratização do acesso à terra, ao crédito e à educação são alguns exemplos comumente citados, e não é difícil perceber que, ao longo da nossa história, esses fatores têm sido restringidos a uma ínfima parcela da sociedade.

A rigor, a revolução democrática deveria ter sido feita por ocasião da libertação dos negros, mas nem terra nem crédito nem educação lhes foram assegurados. Tratou-se de soltura, não de libertação.

Poucas décadas atrás, os negros chegavam aos bancos escolares. Poucos anos atrás, aos bancos universitários. É sintomático que as universidades sejam um dos principais alvos de Bolsonaro neste início de “governo”.

O século 20 foi o século da educação em todo canto, menos aqui. Nenhum governo, neste período, seja progressista seja conservador, priorizou a educação. O tema não era sequer importante para os economistas, de qualquer matiz.

No início deste século 21, graças a um sem-diploma, tivemos a fortuna de, pela primeira vez, superarmos a média da OCDE de investimento público em educação como proporção do PIB.

Os que se calaram por cem anos, agora, exigem uma resposta imediata do sistema educacional, como se não tivéssemos acumulado uma dívida descomunal. Como se não estivéssemos, neste momento, educando os filhos de uma geração de semianalfabetos.

Querem, à vista, o que a inteligência, sabiamente, comprou a prazo longo e seguro. Desconsideram o tempo perdido transcorrido e se fixam no patamar de investimento só agora atingido.

Corte de recursos e guerra ideológica. Essa é a agenda do governo. O problema da educação brasileira não foi o subinvestimento crônico, mas o pensamento crítico. Não é a extrema desigualdade econômica, mas a doutrinação. Não é a indigência intelectual das classes dirigentes, mas Paulo Freire.

A comunidade educacional não ficará indiferente ao desmonte de estruturas que finalmente lhe garantem as oportunidades historicamente sonegadas a tantos de nós.

Fernando Haddad, Professor universitário, ex-ministro da Educação (governos Lula e Dilma) e ex-prefeito de São Paulo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.