27 de mai. de 2019

As ligações perigosas de Moro: ele defende os radares, cujo fabricante é cliente do amigo Zucolotto, sócio de Rosângela

Zucolotto, atrás de Moro, Samuel Rosa e Rosângela: nesta foto, só o líder do Skank
não tem nenhuma conexão com radar
Ao enviar para a Câmara dos Deputados um estudo em que defende radares nas estradas, o ex-juiz Sergio Moro, ministro da Justiça, foi na contramão de Jair Bolsonaro, seu chefe, que quer acabar com esse sistema de controle de velocidade.

Este foi o aspecto da notícia destacado pela imprensa, que deixou de mencionar que a indústria dos radares tem conexão com o escritório de advocacia de sua mulher, Rosângela Moro, e também com a atividade do padrinho de seu casamento e amigo de longa data, Carlos Zucolotto Júnior.

Zucolotto, que se tornou lobista de carteirinha ao pedir sua inscrição na Associação Brasileira de Relações Governamentais, é advogado da Perkons S/A, fabricante de radares.

A empresa também é representada na Justiça por outra advogada, Thaís Milena Ribeiro, que foi sócia de Zucolotto e hoje trabalha no escritório de Rosângela Moro.

Zucolotto e Thaís também foram sócios na empresa Etoile Assessoria Ltda, fundada em 2015 e já fechada, segundo registro da revista Veja.

Mundo pequeno demais para que todas essas conexões se estabelecessem.

Moro pode ter todos os motivos do mundo para defender radares.

O estudo da Polícia Rodoviária Federal que ele enviou à Câmara dos Deputados, atendendo a requerimento de informações apresentado pelo deputado Ivan Valente (PSOL-SP), associa a instalação de radares à redução de mortes nas estradas.

Mas, no caso dele, a proximidade da indústria com Zucolotto e Rosângela torna a manifestação suspeita. A Perkons já disputou sete licitações do governo federal, todas antes da gestão de Moro, mas ainda não conseguiu nenhum contrato.

A investida de Bolsonaro contra os radares também pode ser a fachada de uma disputa por poder no governo federal. Ao criticar os  radares e prometer acabar com eles, Bolsonaro contraria interesses muito próximos da esposa e do amigo de Moro.

Bolsonaro levantou o assunto radar do nada, durante uma transmissão ao vivo pela rede social na última quinta-feira.

“Eu conversei com o ministro Tarcísio [Freitas], da Infraestrutura, e estava na mesa dele, por coincidência, pedidos para 8 mil e poucos novos pardais, novas lombadas eletrônicas. Falei pra ele: Tarcísio, engaveta esse ‘trem’ aí“, disse.

Moro já foi envolvido em uma articulação para atender a lobby de outro grupo muito próximo de Zucolotto e dele próprio. É o caso do registro sindical obtido pelo Sindicato das Empresas de Gastronomia, Entretenimento e Similares de Curitiba (SindiAbrabar).

Responsável pelo setor de registro sindical do Ministério do Trabalho, durante o governo Temer, Luciano Cabral contou à Polícia que o SindiAbrabar só conseguiu ser reconhecido como entidade  representante do setor depois da interferência do próprio Moro, na época juiz em Curitiba.

Luciano Cabral prestou o depoimento depois de ser preso na Operação da Polícia Federal Registro Espúrio.

Cabral tem uma foto em que aparece com Moro e dirigentes do Sindicato durante a festa para comemorar a obtenção do registro depois de muitos anos de tentativa.

A revista Veja, que fez este relato em reportagem, procurou defender Moro. “É difícil até tentar imaginar que o juiz responsável por uma gigantesca investigação de corrupção no país tenha pegado um telefone, ligado para Brasília e usado o peso de seu nome para pedir um favor a um grupo criminoso”, escreveu.

E o que Moro estaria fazendo na festa para comemorar a obtenção do registro? Difícil imaginar. Em tese, sua relação com bares e restaurante se limita a frequentar o Paraguassu, bar da família de Zucolotto.

Zucolotto tem uma empresa de consultoria empresarial — que faz lobby — que funciona no mesmo endereço do escritório de Rosângela Moro, a CZJ Assessoria e Consultoria Empresarial.

Ali também está instalada a HZM2 Cursos e Palestras, empresa aberta em 2018 que tem como sócios a esposa de Sergio Moro e Carlos Zucolotto Júnior.

Joaquim de Carvalho
No DCM

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.