19 de mai de 2019

2 em cada 3 receberam fake news nas últimas eleições, aponta pesquisa

Levantamento mostra que internet via celular é a principal fonte de notícias para 32% das pessoas

Celulares usados em empresa para enviar mensagens de WhatsApp em massa
Mais de dois terços das pessoas afirmam ter recebido fake news pelo WhatsApp durante a campanha eleitoral de 2018, revela pesquisa divulgada durante o Brazil UK Forum, conferência realizada nos dias 18 e 19 de maio na London School of Economics e na Universidade Oxford, no Reino Unido.

Segundo a pesquisa, realizada pela Ideia Big Data com 1660 entrevistados, 67% concordam com a frase “eu certamente recebi fake news no WhatsApp durante a campanha eleitoral em 2018”, enquanto 17% discordam e 16% nem discordam, nem concordam.

De acordo com a pesquisa, a internet via celular é a principal fonte de notícias para 32% das pessoas, perdendo apenas para TV, com 36%. Rádio é a principal fonte de informação para 10% e jornais impressos para 6% –os dois perdem para amigos e família, com 12%.

No levantamento, 14% afirmam ter compartilhado fake news de conteúdo político na campanha de 2018, enquanto 44% dizem não ter feito isso e 42% nem concordam, nem discordam da afirmação.

“Os resultados estão em linha com pesquisas de outros países e mostram que as fake news se tornaram parte estrutural das campanhas eleitorais, antes elas não alcançavam tanta gente, com tamanha velocidade”, diz Mauricio Moura, fundador e CEO da Ideia Big Data.

O levantamento também demonstra a descrença das pessoas na mídia tradicional. De acordo com a pesquisa, a TV é a fonte mais confiável de notícias para 30%, seguida pela internet via celular, com 29%. Para apenas 8% dos entrevistados, o rádio é a fonte mais confiável, e 5% apontam os jornais impressos. Na opinião de 12% das pessoas, amigos e família são a origem mais confiável de informação, e 16% afirmam não confiar em nenhuma fonte de notícias.

O alvo de maior descrença são os jornais impressos: apenas 26% dos entrevistados concordam com a frase “eu confio nos jornais impressos”, 43% discordam e 31% não concordam, nem discordam. Já os telejornais são considerados confiáveis por 35% dos entrevistados, e não confiáveis por 40%, enquanto 25% nem concordam, nem discordam. Entre os entrevistados, 52% afirmam confiar em notícias enviadas pela família em mídias sociais e 43% crê em informações mandadas por amigos.

“A confiança das pessoas em notícias compartilhadas por amigos e familiares é o dobro da confiança em jornais; isso é muito preocupante, porque a maior parte das fake news são recebidas de amigos e família”, diz Moura. De acordo com a pesquisa, apenas 22% das pessoas checam a veracidade das notícias antes de compartilhar.

A enorme maioria dos entrevistados na pesquisa, 92%, não sabe o que são agências e checagem de fatos ou notícias.

Veja os dados da pesquisa Brazil UK Forum, da Ideia Big Data, feita entre 01 e 08 de maio

Sentimento em relação à frase “eu certamente recebi fake news no WhatsApp durante a campanha eleitoral em 2018”

67% concordam 
17% discordam
16% nem concordam, nem discordam

Sentimento em relação à frase: “eu compartilhei fake news de conteúdo político durante a campanha eleitoral de 2018”

14% concordam
44% discordam
42% nem concordam, nem discordam

Qual a sua principal fonte de notícias?

TV - 36%
Internet via celular - 32%
Rádio - 10%
Jornais impressos - 6%
Amigos/família - 12%
Outros - 4%

Qual a fonte mais confiável de notícias?

TV - 30%
Internet via celular - 29%
Rádio 8%
Jornais impressos 5%
Amigos/família 12%
Nenhuma 16%

Em relação à seguinte frase: “eu confio nos jornais impressos”

26% concordam
43% discordam
31% não concordam, nem discordam

Em relação à seguinte frase : “eu confio em telejornais”

35% concordam
40% discordam
25% nem concordam, nem discordam

Em relação à seguinte frase: “eu compartilho notícias em mídias sociais frequentemente”

41% concordam
26% discordam
33% nem concordam, nem discordam

Em relação à seguinte frase: “eu checo a veracidade das notícia antes de compartilhar”

44% discordam
22% concordam
34% nem concordam, nem discordam

Em relação à seguinte frase: “eu confio em notícias enviadas pela minha família em mídias sociais”

52% concordam
19% discordam
29% nem concordam, nem discordam

Em relação à frase: “eu confio em notícias enviadas pelos meus amigos em mídias sociais”

43% concordam
18% discordam
39% nem concordam, nem discordam

Em relação à seguinte frase: “Eu checo a veracidade de notícias recebidas de família e amigos nas mídias sociais”

38% concordam
34% discordam
28% nem concordam, nem discordam

Sabe o que são agências de checagens de fatos/notícias?

92% não
8% sim

Patrícia Campos Mello
No Folha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.