1 de abr de 2019

Terra prometida


Batizado nas águas do rio Jordão pelas mãos de um picareta evangélico, Bozo vislumbrou em Israel, desde antes das eleições, um deserto de oportunidades.

Primeiro, uma ligação com os neopentecostais, no Brasil, que se apoiam numa interpretação histórica pedestre da tradição judaico-cristã para replicar interpretações ritualísticas de elementos do judaísmo. Uma forma tosca de se afastar dos rituais católicos.

Mas a jogada principal do Bozo foi a de agradar o filho mimado dos EUA, no Oriente Médio, e levar, de bônus, uma aproximação com um regime muito próximo do ideal de neonazismo que tanto agrada os dementes que o seguem nas redes sociais.

De quipá na cabeça e um sorriso de Chuck no rosto, Bozo foi recebido por Benjamin Netanyahu coberto da lama simbólica da corrupção, indiciado e sob o risco de ser preso, a qualquer momento.

Símbolos da nova era.

Leandro Fortes, Jornalista e integrante da Rede de Jornalistas pela Democracia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.