4 de abr de 2019

Quais serão os próximos passos de Guaidó?


A Venezuela anunciou o início de um processo penal contra o autoproclamado presidente Juan Guaidó. O cientista político Leonid Krutakov explica as possíveis variantes de desenvolvimento da situação.

De acordo com o chefe do Comitê de Legislação da Assembleia Constituinte, Julio García Serpa, o processo judicial será conduzido pelo Supremo Tribunal e pelo procurador-geral do país.

Na quarta-feira (3), o presidente da Assembleia Constituinte, Diosdado Cabello, explicou que a continuidade do processo de investigação contra Guaidó, que fora aprovada um dia antes, significaria retirar a imunidade parlamentar do líder da oposição.

O cientista político russo Leonid Krutakov comentou a situação durante uma entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik.

"Quando dois centros de poder são criados, temos uma situação pré-revolucionária. Se o centro oficial não reagir a isso e não o parar de alguma forma, ganhará o centro alternativo. Todo mundo entende quem está por trás de Guaidó, por isso [empreender] ações duras contra ele significa o agravamento das relações com os Estados Unidos.

"Assim que ele [Guaidó] for preso, os EUA reagirão duramente, a Venezuela será cercada e as tropas e a Marinha serão deslocadas para a fronteira. Este será um ponto sem volta. Os EUA e Guaidó estão brincando com isso. E enquanto ele viaja livremente ao redor do mundo, gradualmente vai assumindo seus poderes. Este problema deveria ter sido resolvido imediatamente", disse o especialista.

Segundo ele, o oposicionista não se esconderá da investigação em outros países.

"Se Guaidó escapar, será a derrota dele e dos EUA. Acho que ele será forçado a ir para a Venezuela e continuar as suas atividades. Caso contrário, será o fim do jogo — eles vão criar um governo no exílio, arrastá-lo por um longo tempo, dar as reservas de ouro a ele. E isso será um jogo de exaustão", concluiu.

Os protestos em massa contra o atual presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, começaram em 21 de janeiro. Depois dos tumultos, Guaidó se declarou presidente interino e vários países ocidentais, liderados pelos EUA, anunciaram o seu reconhecimento.

Rússia, China e alguns outros países apoiam Maduro como o presidente legítimo da Venezuela.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.