30 de abr de 2019

Ação irresponsável evidencia isolamento de Guaidó


Dois meses depois de fracassar na tentativa do "golpe humanitário" com apoio dos Estados Unidos e dos países do Grupo de Lima, o líder oposicionista venezuelano Juán Guaidó foi mais ousado. Tentou cavalgar um golpe militar. Se deu mal.

Não se sabe quem compõe o Estado maior da oposição venezuelana, ou se o jovem deputado age por impulsos próprios. O certo é que pela segunda vez mostra não ter a menor percepção do que significa correlação de forças. Além disso mostra ser pior de jogo do que o governo a quem acusa de incompetente.

O QUE PRETENDIA GUAIDÓ em 23 de fevereiro e agora, em 30 de abril? Promover uma ação espetacular que serviria de gatilho para uma rebelião popular descentralizada. No primeiro caso, uma entrada triunfal de caminhões com supostos gêneros de primeira necessidade e neste, a tomada de uma guarnição armada.

O comburente seria o descontentamento popular com uma situação econômica gravíssima. Era incêndio certo, em seus planos.

Os revoltosos de agora teriam ao seu lado oficiais que tomariam a base militar Generalíssimo Francisco de Miranda, conhecida como La Carlota, nome do bairro em que está instalada.

SITUADA NA REGIÃO CENTRAL de Caracas (zona leste), a guarnição 105 hectares compreende um aeroporto de pequeno porte e uma base de helicópteros. Abriga o Comando Geral da Aviação É estratégica para quem deseja dominar o espaço aéreo da capital.

Em 4 de fevereiro de 1992, quando tentou derrubar o governo de Carlos Andrés Pérez, o então coronel Hugo Chávez Frías buscou tática semelhante: tomaria La Carlota para, em seguida, avançar sobre o palácio de Miraflores, situado a dez quilômetros dali. O intento foi derrotado.

No caso de Guaidó, não apenas as dissensões nas forças armadas mostraram-se muito menores do que o calculado, como as massas resolveram ficar em casa ou ir trabalhar. O oposicionista parece ter queimado a credibilidade que lhe restava, ao exibir ínfima legitimidade social. Trata-se de personalidade inflada a partir de fora.

OS GOVERNOS DOS ESTADOS UNIDOS, Colômbia e Brasil - entre outros - voltaram a passar um carão de alcance planetário. O tuiteiro oficial do Planalto, Jair Bolsonaro, excitou-se a ponto de vincular PT e PSOL ao governo de Nicolás Maduro, além de hipotecar solidariedade a Juán Guaidó.

Maduro aproveita a oportunidade de novamente mostrar força. A situação segue muito ruim na economia, mas a compra de milhões de cestas básicas no exterior e o fato de produtos iranianos e russos forrarem as gôndolas dos supermercados acalma as demandas mais prementes. Mas o bloqueio econômico e os problemas estruturais internos não garantem salário emprego e renda á população. O governo, porém, conseguiu adiar mais uma vez o ponto mais agudo da crise.

É PLAUSÍVEL QUE MADURO desate uma caça às bruxas nas armas e puna os sublevados, como qualquer governo faria. Se for hábil, não prenderá Guaidó. Em lugar de um mártir, talvez seja melhor mantê-lo como um animador de auditórios cada vez mais reduzidos.

Gilberto Maringoni é professor de Relações Internacionais na Universidade Federal do ABC. É também jornalista e cartunista

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.