19 de mar de 2019

Triste fim de um “superministro”: Moro bajula Olavo, que há semanas instigou seus cães a lincharem-no nas redes

Moro no jantar em torno de Bolsonaro nos EUA: olavista de ocasião
O jantar oferecido na residência do embaixador brasileiro em Washington, Sérgio Amaral, em torno de Olavo de Carvalho e seu gafanhoto Jair Bolsonaro caberia tranquilamente num filme menor de Buñuel.

O discurso curto e idiota de Jair, sentado à esquerda de seu mentor, foi tomado pela vontade de subjugação aos EUA, com direito a paranoia anticomunista e papo furado sobre uma campanha baseada no preceito bíblico da verdade (não há ainda um termo em inglês para mamadeira de piroca).

Uma cena, dentre tantas, merece destaque.

Reproduzo o relato da revista Época:

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, se juntou ao deputado federal Eduardo Bolsonaro em uma conversa com Steve Bannon e Chris Buskirk, editor do site American Greatness (Grandeza americana)

Quando todos se juntaram, Paulo Guedes puxou a sucessão de elogios a Carvalho e o classificou como “o líder da revolução”.

“Você é o líder da revolução”, disse Guedes, atribuindo a Carvalho um papel importante da divulgação de ideias liberais para os brasileiros, o que, segundo ele, foi fundamental para a eleição do presidente Bolsonaro.

Sergio Moro, que já foi alvo das críticas de Carvalho e seus seguidores pela indicação da especialista Ilona Szabó como suplente no Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária, seguiu a adulação ao escritor.

Disse que era uma honra conhecer alguém que inspirou tanta gente, incluindo “o chefe”, referindo-se ao presidente Bolsonaro. O ministro ainda mencionou que havia gostado muito do livro O jardim das aflições , mas confessou que o achara “muito denso”.

De superministro, Moro vai se revelando um estafeta em busca desesperada de sobrevivência.

Isso inclui a bajulação de um “guru” viciado em termos como “cu” e “piroca”, ex-astrólogo, difamador serial.

A sorte de Moro é que Olavo não lhe perguntou de que trecho ele mais gostou. Meu palpite é que o ex-juiz não leu a orelha da obra.

Ninguém relativamente normal lê aquilo — que, de resto, é “denso” como um pum num copo vazio.

Moro afagou diretamente o ego de Olavo no que ele é mais frágil — sua obra “filosófica”.

A coisa fica mais baixa quando se sabe que, no final do mês passado, o destinatário das lambidas instigou suas hostes a linchar Moro nas redes por causa da nomeação da infiel Ilona.

“Se no Brasil existisse uma corrente política de direita e ela chegasse ao governo, tipos como Moro e Mourão não teriam nela a menor chance”, escreveu Olavo numa série de postagens contra o ídolo maringaense.

“Peçam ao Sérgio Moro ou ao Hamilton Mourão que expressem as suas respectivas ideologias políticas e verão que eles nunca pensaram no assunto”.

E por aí foi.

Moro, agora, é olavista.

Amanhã será outra coisa, dependendo do que o “chefe” ordenar.


Kiko Nogueira
No DCM

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.