22 de mar de 2019

Prosur, novo instrumento dos EUA para agredir a Venezuela


Os presidentes de sete nações da América do Sul criam o bloco Prosur, com a pretensa ideia de incrementar a integração regional, mas analistas concluiem que será um novo instrumento promovido pelo governo dos Estados Unidos da América para, entre outros fins, agredir a Venezuela.

De acordo com especialistas, o Prosur busca alterar a correlação de forças na América Latina e com uma matriz ideológica claramente de dereita pretende substituir a União das Nações Sulamericanas (Unasul), que foi criada por governos progressistas.

Para a criação do bloco nesta sexta-feira em Santiago do Chile estiveram os presidentes da Colômbia, Iván Duque; da Argentina, Mauricio Macri; do Brasil, Jair Bolsonaro; do Equador, Lenín Moreno; do Paraguai, Mario Abdo; do Peru, Martín Vizcarra, e o anfitrião, Sebastián Piñera.

Na cúpula que vai dar vida ao Prosur estarão ausentes Bolívia, Uruguai, Guiana e Venezuela, que não foi convidada.

Este novo projeto buscaria legitimar uma intervenção na Venezuela. Há um cerco diplomático, econômico, político e militar contra a Venezuela, contra seu governo, contra seu povo, e o Prosur se inscreve nessa direção, segundo os especialistas.

O analista político Martín Pastor, entrevistado no programa "EnClave Política", transmitido pela teleSUR, afirmou que o Prosur é um instrumento dos governos de direita da região.

“É um novo foro público de pressão política (que terá foco) contra a Venezuela, para ajudar se em algum momento se buscar algum tipo de intervenção na Venezuela”, disse Pastor.

Observou que o bloco é criado sob a tutela do presidente dos EUA, Donald Trump, “que não tem medo em aplicar a Doutrina Monroe, pois entende a América Latina como seu quintal”. “O que vemos no Prosur é um concurso para ver quem é mais submisso a Donald Trump”, assegurou Pastor.

No programa Jugada Crítica, também da teleSUR, a analista mexicana Margarita Vargas observou que “há um ressurgimento de uma direita conservadora (...) com um claro viés muito parecido com as políticas do atual presidente dos Estados Unidos”.

O especialista Chistián Rodríguez assegurou que alguns mandatários tratam de "terminar com a União das Nações Sulamericanas (Unasul)", com o chamado Prosur, "que é um retrocesso".

Os especialistas coincidiram também em que o Prosur é um esforço dos EUA para tirar a China e a Rússia da América Latina, já que ambas as potências mundiais tem consolidado relações econômicas e políticas com a região nos últimos anos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.