30 de mar de 2019

O 31 de março do primeiro de abril


Da “Ordem do Dia Alusiva ao 31 de Março de 1964” do Ministério da Defesa de Bolsonaro, destaco e comento os trechos a seguir:

“O 31 de Março de 1964 foi um episódio simbólico dessa identificação, dando ensejo ao cumprimento da Constituição Federal de 1946, quando o Congresso Nacional, em 2 de abril, declarou a vacância do cargo de Presidente da República…”

Isso não é verdade. É autêntica Fake History.  Para começar, o golpe se deu em primeiro de abril de 1964. Mas como essa é a data universal da mentira, os ideólogos das forças armadas acharam por bem deslocá-la para a véspera do dia consagrado às ações mentirosas. E tinham bons motivos, porque ao grande dia sempre impuseram uma frase maior: ‘Revolução de 31 de março’. Imaginem a gargalhada mundial, se escrevessem esta verdade: “Revolução de primeiro de abril”. Ora, em 31 março todos os governos legítimos, eleitos em eleições livres, estavam no poder. E a “vacância” declarada no congresso se deu assim:

A sessão protagonizada pelo então presidente do Senado, Auro de Moura Andrade, ocorreu na madrugada de 1° para 2 de abril, quando Jango se encontrava no Rio Grande do Sul.

A perda do cargo de Presidente da República só se daria em caso de viagem internacional sem autorização do Congresso, mas João Goulart se encontrava em local conhecido e dentro do país. O fato é que, como presidente do Congresso Nacional, Moura Andrade garantiu suporte institucional para o golpe de estado. Essa foi a vacância do cargo de Presidente da República em 2 de abril de 1964.

Em outro trecho da ordem do dia se lê:

“O 31 de março de 1964 estava inserido no ambiente da Guerra Fria, que se refletia pelo mundo e penetrava no país. As famílias no Brasil estavam alarmadas e colocaram-se em marcha. Diante de um cenário de graves convulsões, foi interrompida a escalada em direção ao totalitarismo”

Isso tampouco é real. Primeiro, porque se consideram famílias apenas as de classe média, carolas, que marcharam pedindo o golpe. Isso quer dizer, famílias de camponeses, de trabalhadores nos maiores sindicatos, de estudantes, de intelectuais e pensadores, dos melhores do mundo em 1964, não são levadas em conta. Monta-se a história para os seus iguais em ideologia. E que se danem os fatos. Segundo porque o “ambiente de guerra fria” não saiu até hoje das escolas e academias militares, como já escrevemos antes, e nos pronunciamentos e atos de ministro do atual desgoverno.

Em outro trecho, na omissão mais clara à verdade histórica, a Ordem do Dia comete:

“Em 1979, um pacto de pacificação foi configurado na Lei da Anistia e viabilizou a transição para uma democracia que se estabeleceu definitiva e enriquecida com os aprendizados daqueles tempos difíceis”

Amigos , o que é isso?  Que salto no tempo! O comunicado, que não se acanhou de históricos anteriores aos anos 60, pula de 1964 para 1979. Mas o que houve neste grave intervalo? No meu romance “A mais longa duração da juventude”, está uma razão desse salto heroico sobre o abismo:

A doutora Gardênia  olha para Vargas com simpatia, como se o conhecesse há muito, em outros corpos mutilados, destruídos. E por isso lhe propõe uma saída, que Vargas não consegue ver na hora da aflição:

– Por que você não foge?

Vargas é um homem digno, mais de um militante o reconhece, até mesmo os que com ele possuem divergência política. Apesar dos seus arroubos, antipáticos, sectários, reconhecem: é um homem digno. Louco, parece louco às vezes, porque se expõe demais.

– Isso eu não posso aceitar, doutora.

– Por quê, rapaz? Corra. Eles vão te pegar. Fuja com a sua esposa.

– Eu não vou botar Nelinha numa aventura. Se me pegarem com ela, vão torturar nós dois. Nelinha é muito frágil, doutora.

E Vargas começa a ter a voz embargada, com um nó na garganta, porque louco era também o seu amor por Nelinha. Lágrimas começam a descer pela face, e ele vira o rosto de lado para não se mostrar também frágil, logo ele, que devia ser o forte, a fortaleza, o guardião da fragilidade de Nelinha. Mas as lágrimas são despudoradas, incontroláveis, porque no coração ele se fala que Nelinha foi a mulher que ficou a seu lado quando ninguém o queria, quando ele nada tinha para lhe dar, a não ser as sequelas de uma tuberculose, quando ele não passava de um fodido desempregado. E o amou como se ele fosse o último Vargas dos subúrbios recifenses.  Ela o chamava de meu querido animalzinho, e ninguém o sabia. “Calma, Vargas, para de ser sentimental. És um revolucionário. Levanta e luta”. Levanta e morre? Então lhe voltava o animalzinho, ao que ele respondia, “você é minha alfenim, o meu docinho de açúcar que ninguém vai quebrar”. Mas ninguém sabe, são sentimentos que se falam na fechada intimidade, porque são os ridículos do amor. Os outros são muito críticos, vão rir de nós, então Vargas nada pode falar que no mês passado quis ficar grávido com ela, para dividir aquela barriga tão grande para tão pequenininha mulher, então nasceu a beleza de Krupskaia, a futura noiva da revolução no Recife, Krupskaia, tão nova e merecedora de cuidados. A revolução é uma flor, meu bebezinho.

– Como é que posso fugir com Nelinha, doutora? – Vargas resmunga entre lágrimas. – Eles vão esmagá-la. Eu não vou sacrificá-la comigo. Nunca!”

Domingo passado, estive com a viúva de Jarbas Marques, o homem que é modelo do personagem Vargas em meu romance. Com ela estavam sobreviventes raros da ditadura, que atestavam: estamos vivos, porque Jarbas não falou nda, dbaixo dosmaiores sofrimentos e mutilações. Mas sobre esse domingo não escrevo agora. Prefiro me refrir ao próximo, nesse 31 de março:

“Cinquenta e cinco anos passados, a Marinha, o Exército e a Aeronáutica reconhecem o papel desempenhado por aqueles que, ao se depararem com os desafios próprios da época, agiram conforme os anseios da nação brasileira”

Seria o trecho de uma homenagem aos que combateram a ditadura? Então eu termino com a descrição do cadáver de Soledad Barrett, narrada pela advogada Mércia Albuquerque:

“Eu tomei conhecimento de que seis corpos se encontravam no necrotério…. em um barril estava Soledad Barret Viedma. Ela estava despida, tinha muito sangue nas coxas, nas pernas. No fundo do barril se encontrava também um feto. Soledad estava com os olhos muito abertos, com uma expressão muito grande de terror”. No depoimento da advogada não há uma descrição técnica dos corpos destruídos, derramados no necrotério. Mércia Albuquerque é uma pessoa se fraterniza e confraterniza com pessoas.

“Eu fiquei horrorizada. Como Soledad estava em pé, com os braços ao lado do corpo, eu tirei a minha anágua e coloquei no pescoço dela. O que mais me impressionou foi o sangue coagulado em grande quantidade. Eu tenho a impressão de que ela foi morta e ficou deitada, e a trouxeram depois, e o sangue, quando coagulou, ficou preso nas pernas, porque era uma quantidade grande. O feto estava lá nos pés dela. Não posso saber como foi parar ali, ou se foi ali mesmo no necrotério que ele caiu, que ele nasceu, naquele horror”.

Urariano Mota
No GGN

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.