13 de mar de 2019

No dia de hoje… 13 de março de 1964


Em 13 de março de 1964, João Goulart defendeu com veemência, diante de 200 mil pessoas, no histórico comício da Central do Brasil, na cidade do Rio de Janeiro, as suas chamadas “Reformas de Base”.

Tratavam-se de medidas necessárias ao desenvolvimento do país, com o enfrentamento de um dos nossos mais graves problemas: a desigualdade social. Tais medidas incluíam a temida reforma agrária, porém feita com critérios que, segundo consta do Orvil (livro-relatório publicado pelas próprias Forças Armadas), foram adotados mais tarde.

João Goulart foi democraticamente eleito como vice-presidente da República em chapa separada de Jânio Quadros, que havia renunciado 03 anos antes. A famigerada reforma agrária e outras medidas centrais ao seu projeto de governo foram a marca do desenvolvimento de diversas economias, como as do Japão e dos Estados Unidos. Entretanto, por aqui tornaram-se um estigma político, temido pelas classes mais abastadas e, consequentemente, combatido com forças do Estado.

Portanto, apesar da sua legitimidade como presidente e do apoio recebido pela população de baixa renda, João Goulart estava sozinho no poder, perante as elites empresariais e agrárias. O seu ardente Comício do dia 13 de março acabou sendo a justificativa que a oposição procurava para ilustrar as acusações de que Goulart visava estabelecer, na verdade, um “regime comunista” no Brasil.

As reações negativas da imprensa e de entidades como o IPÊS (Instituto de Pesquisas e Estudos Sociais), uma organização privada composta por empresários de extrema-direita, foram imediatas e virulentas. Jornais como O Globo, O Estado de São Paulo, Folha de São Paulo, Jornal do Brasil e Correio da Manhã pregaram abertamente a deposição do presidente. Tais apelos resultaram na Marcha da Família com Deus pela Liberdade, em 19 de março 1964.

No dia 28 de março, os generais Mourão Filho e Odílio Denys reuniram-se com o governador de Minas Gerais, Magalhaes Pinto e discutiram ações de derrubada do Governo. No dia 31 de março, Mourão Filho ordenou o início da marcha, antes mesmo do prazo combinado entre eles. Após algumas horas de tensão, as tropas pró e contra o Governo uniram-se em 1o de abril e João Goulart foi obrigado a deixar a Capital Federal.

O apoio dos Estados Unidos à deposição do presidente João Goulart foi ostensivo, a ponto de navios norte-americanos ficarem atracados no litoral brasileiro à espera de um pedido de ajuda das forças que articularam o Golpe de Estado, o que sequer foi necessário.

As Forças Armadas deixaram a presidência da República apenas em 1985, após eleições indiretas.

Décadas após o golpe, alguns de seus articuladores avaliaram que a decisão de derrubar o governo de João Goulart não saiu conforme o planejado, concluindo que a proposta de um golpe para mudar o país foi apenas um artifício para que um grupo representante das elites econômicas se firmasse no poder.

“Para que não se esqueça, para que não se repita…”



No GGN

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.