11 de mar de 2019

Jornalista anti-masturbação faz Jair Bolsonaro passar vexame


Defensor de Jair Bolsonaro, o jornalista Allan dos Santos, editor do site “Terça Livre”, virou polêmica nas redes por sua posição anti-masturbação.

Baseado em supostos estudos científicos ( que não existem, de fato), ele defende que masturbação mata neurônios.



Também sem base científica, ele afirma que cigarro não faz mal à saúde – mesmo tese de seu guru, Olavo de Carvalho que, aliás, teve um tumor na traqueia.

Allan Santos é responsável por um dos maiores vexames no relacionamento de Bolsonaro com a imprensa.

Seu site divulgou uma mentira grosseira contra o Estadão – um dos mais importantes jornais conservadores não apenas no Brasil, mas do mundo.

Um jornal com uma longa história do liberalismo e contra o socialismo – portanto, teoricamente afinado com a essência da agenda de Bolsonaro.

O jornal foi responsável pelo furo que abalou a família Bolsonaro.

Descobriu a movimentação suspeita nas contas do ex-motorista Fabrício Queiroz.

A reportagem é baseada em documentos oficiais do COAF ( O Conselho de Controle de Atividades Financeiras).

Um jornalista ligado à família Bolsonaro, Allan dos Santos, está divulgando neste domingo uma Fake News: a de que intenção da reportagem era arruinar Flávio e o governo.

Quando se ouve o áudio em inglês, não se encontra essa frase.

O que está lá é que a reportagem poderia “arruinar” Bolsonaro – e não que a intenção seria arruinar Bolsonaro.

A partir desse Fake News, Bolsonaro liderou ataques nas redes contra o Estadão em especial, mas para toda a mídia.

Nem se deu ao trabalho de checar o áudio – até porque não entende inglês.

Atacou não apenas a repórter que fez a matéria – Constança Rezende – mas o pai dela.

Disse no seu Twitter, “Constança Rezende, do ‘O Estado de SP’ diz querer arruinar a vida de Flávio Bolsonaro e buscar o Impeachment do Presidente Jair Bolsonaro. Ela é filha de Chico Otavio, profissional do ‘O Globo’. Querem derrubar o Governo, com chantagens, desinformações e vazamentos.”

Na semana passada, Allan dos Santos chamou a imprensa de “imunda”, “porca” e “hipócrita”.

O comentário foi provocado pela condenação dos jornalistas à divulgação do vídeo pornográfico por Bolsonaro.

O próprio Allan reproduz trecho do vídeo pornográfico.



Allan é um dos líderes da vaquinha suspeita nas redes sociais para salvar Olavo de Carvalho, guru de Bolsonaro.

Advogados estudam se a vaquinha não incorreria no crime de estelionato.


Seguidor de Olavo de Carvalho, o jornalista Allan dos Santos postou em seu perfil a campanha para salvar o filósofo, atolado em dívidas.

Foi, então, compartilhado por Eduardo Bolsonaro, num movimento que atraiu o cantor Lobão.


Mas não explica se haveria alguma relação entre o tumor que teve na traquéia e seu hábito de fumar.

É certeza, porém, que a campanha liderada pelo jornalista Allan tem ligação com a cirurgia de Olavo de Carvalho.

Não haveria problema algum em alguém atolado em dívidas recorrer a amigos ou mesmo fazer uma vaquinha pública.

Colapsos financeiros podem ocorrer com qualquer um: ainda mais quando envolve saúde.

Mas o que Olavo de Carvalho está fazendo é um golpe desonesto, associando suas dívidas a questões ideológicas.

Coloca-se como uma vítima da “esquerda” e do governo com seus impostos (o que soa bem para ouvidos liberais).

Deu um toque emocional ao falar da saúde.

Começa com a posição de vítima para sensibilizar os doadores: “acossados por uma rede internacional de caluniadores e difamadores, recebemos ainda uma cobrança monstruosa de despesas médicas e impostos”.

A história é simples: Olavo de Carvalho não fazia seguro-saúde, o que é uma temeridade para alguém mais velho, fumante e sedentário.

Até se orgulhava de não ter plano de saúde:


Ou seja, aconteceu o que qualquer pessoa sensata sabia: mais cedo ou mais tarde, a conta hospitalar iria fazer um estrago.

Fez: uma operação para retirada de um tumor num país em que a medicina é cara.

Sobre impostos, a suspeita é mais complicada.

Não se sabe se a dívida é apenas nos Estados Unidos.

Mas certamente é aqui no Brasil, onde Olavo de Carvalho omite declarações.


Esse documento acima mostra que o filósofo Olavo de Carvalho tem problemas com a Receita Federal.

Sua empresa – Olavo de Carvalho Produções – é classificada pela Receita Federal como inapta.

Motivo: omissão de declarações.

Outros documentos mostram que ele  nem sempre omitiu declarações de renda.


O filósofo Olavo de Carvalho, Guru de Bolsonaro, informa que o endereço de sua empresa no Brasil ficaria na rua Duque de Caxias 80, em São Paulo – mais conhecida com a região da “Boca do Lixo” – no passado, misturavam-se ali drogas, quadrilhas e prostituição.


Mas uma visita ao prédio revela que não existe nenhuma empresa ligada ao filósofo.
Ou seja, um endereço falso.

Gilberto Dimenstein
No Catraca Livre



Bolsonarista que espalhou fake news de jornalista do Estadão é imitador de Olavo e diz que fumar é menos nocivo que masturbar-se

O sujeito que espalhou a fake news sobre a jornalista do Estadão, Constança Rezende, se chama Allan dos Santos. Allan é dono do site Terça Livre.

A reportagem distorcida diz que “o jornalista francês Jawad Rhalib fez uma grave denúncia sobre o caso envolvendo o Senador Flávio Bolsonaro (PSL) e seu assessor Fabrício Queiroz, em seu blog Mediapart.

No artigo, Rhalib revela áudios de uma conversa com a jornalista do Estadão Constança Rezende. Segundo o francês, a jornalista, que foi a primeira a denunciar o filho de Jair Bolsonaro, atacou Flávio apenas para atingir o presidente e arruinar seu mandato”.

No áudio, a jornalista disse “estou trabalhando só nesse caso, que pode arruinar [o Flávio Bolsonaro]”. O Terça Livre concluiu o áudio como se Constança estivesse falando “só estou trabalhando nesse caso para arruinar [a carreira de Flávio]”.

A Veja publicou um perfil de Allan de Santos em janeiro, quando Bolsonaro assumiu a presidência:

“Ex-seminarista e ex-professor de inglês, Allan dos Santos — bem à direita na foto, sorrindo com os colegas blogueiros — transformou-se num herói virtual para os bolsonaristas mais hostis à imprensa profissional. O fundador do canal Terça Livre, com 570 000 inscritos, não vai dormir sem antes comprar briga com algum jornalista nas redes sociais. Para Bolsonaro, só elogios. Como recompensa, fez até uma entrevista exclusiva (e amistosa) na casa do presidente no Rio. Allan emula o estilo, a compulsão pelo cigarro e os palavrões do filósofo Olavo de Carvalho, de quem é discípulo. No grande dia de Bolsonaro, Allan e outros blogueiros dóceis (identificados como “mídia alternativa” pelo cerimonial) tinham credencial especial para circular livremente pelos palácios de Brasília”.

Allan respondeu o jornal Estado de S.Paulo no Twitter:

“A minha empresa pedirá direito de resposta. 1°. A matéria é de um blogue francês. 2°. É uma entrevista por áudio entre a jornalista e o blogueiro francês com transcrição dos áudios; 3°. Tudo que nossa jornalista fez foi divulgar em Português o que fora publicado em francês;”.

O dono do Terça Live também é autor de alguns vídeos absurdos que circulam nas redes:


E neste vídeo ele diz que masturbação é pior do que fumar. No minuto 2:30:



Pedro Zambarda de Araujo
No DCM



Site que divulgou fake news de jornalista exibe tuíte falso em novo ataque

Foto: Reprodução/ Facebook
Depois de publicar no domingo (10/3) um texto que atribuiu à repórter do Estado Constança Rezende uma declaração que ela não fez, o site Terça Livre voltou a atacar a jornalista utilizando-se de conteúdo falso. Desta vez, Allan dos Santos, colunista responsável pelo site, exibiu em um vídeo postagem de Twitter e a atribuiu a Constança. O perfil exibido, porém, não é da repórter.

Em vídeo transmitido ao vivo pelo Facebook, Allan Santos exibiu a imagem de uma postagem de Twitter do perfil @constancarezen, que não pertence à repórter do Estado. “Vamos ver de quem nós estamos falando”, disse Santos, cerca de sete minutos depois do início da transmissão. “Estamos falando dessa jornalista aqui, jornalista que disse que o Brasil virou uma ditadura, que com a morte da Marielle (Franco) isso ficou bem claro.”

O perfil, que trazia uma foto de Constança, já foi eliminado do Twitter, por desrespeitar as regras de utilização da plataforma.

(…)



No Estadão

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.