17 de mar de 2019

A lumpemburguesia no poder: a irracionalidade da razão burguesa e o governo Bolsonaro

“Não vos ponhais a imaginar que eu vim trazer a paz à terra; eu não vim trazer a paz, e sim a espada”
(Mateus 10:34)
Conforme afirmei há certo tempo, a classe dominante brasileira, promovendo nas massas uma irascível revolta contra um triplex chinfrim e dois pedalinhos foscos, entregou o comando do país aos protagonistas da série Narcos. A sentença, que quando escrita tinha um conteúdo mais retórico do que propriamente analítico, hoje parece ir ao encontro da realidade brasileira. Os acontecimentos dos últimos dias, expondo a intimidade palaciana de milicianos assassinos, evidenciam o quão irresponsável foi a nossa burguesia quando se viu diante da responsabilidade de, em tempos de crise, garantir a lucratividade dos seus negócios, o quão irracionais foram os homens da Casa Grande quando, diante da prova do sufrágio universal, tiverem que preservar a racionalidade da austeridade neoliberal no país.

Poucos meses antes do último pleito, alguns de nós, analistas do processo político, acreditávamos que, no caso de fracasso de seu insípido candidato tucano, a burguesia brasileira optaria, ainda que resignada, por devolver o comando dos seus negócios aos seus representantes bastardos, os quais, não obstante todos os inconvenientes simbólicos, haviam se mostrado aptos para a função, ao menos em tempos de bonança. Erramos feio, erramos rude, segundo o recente adágio humorístico. Racionalmente, tentamos imputar uma racionalidade ideal à burguesia, uma espécie de racionalidade adjudicada, no sentido lukacsiano da expressão, ignorando que a razão burguesa é, em última análise, a razão automática do capital, ou seja, uma razão eminentemente ideológica cuja lógica última é socialmente irracional. Mistificadora por excelência, a racionalidade burguesa, ao obedecer aos imperativos imediatos, de curto prazo, da lucratividade do capital, se mostra não só responsável pela irracionalidade da vida social cotidiana, isto é, pela barbárie da sociabilidade burguesa, como também pode provocar resultados irracionais a médio e longo prazo para a própria burguesia, para quem a totalidade social nunca é capaz de ser fundamentalmente compreendida.

Ao longo de 2015, convencida de que o petismo não seria capaz de realizar as contrarreformas, a austeridade fiscal e os ataques aos direitos sociais na velocidade e com a intensidade exigidas pelo capital em tempos de crise, a burguesia, impudentemente, optou pelo golpe. Livre dos inconvenientes que a popularidade acarreta, Temer pôde efetivar agressivas medidas impopulares. Parafraseando Goethe, a praga foi transformada em benção: a impopularidade do presidente golpista foi vista como virtude pelos ideólogos neoliberais, já que os desígnios tecnocráticos podiam, desse modo, operar livres da vontade popular. Assim seria, e foi, até quando a vontade popular foi convocada novamente à cena política na qualidade de fator decisivo, isto é, na sucessão eleitoral. Segundo a razão burguesa, a saber, a razão golpista, por meio das eleições poder-se-ia novamente alçar ao comando do país um representante tradicional da Casa Grande e, assim, continuar e aprofundar o trabalho do presidente ilegítimo, agora, porém, de forma legítima. O Golpe de 2016 seria, assim, lavado pelas urnas, tal qual um dinheiro sujo, uma vez limpo, pode voltar a circular tranquilamente no mercado. Assim, o Deus-mercado, por meio do dilúvio eleitoral, poderia seguir no comando, mas agora em terras límpidas nas quais suas ovelhas, tendo reconhecido a sua voz e sufragado o nome de seu candidato tucano nas urnas, se esqueceriam do pecado original que seu próprio Deus havia cometido. A burguesia anelava, portanto, à maneira de Baudelaire, retornar alegremente “à lodosa estrada” da espoliação de direitos, mas agora como se esta fosse uma bem asfaltada highway. Este, até que se prove o contrário, parecia ser o plano do capital.

Como sabemos, as coisas não se deram bem assim, e o estratagema burguês, em parte, malogrou. Nem o uso de todos os mecanismos de blindagem da democracia liberal (poder econômico, coalizões partidárias, tempo de propaganda eleitoral, cobertura midiática etc.) se mostrou capaz de construir um cenário no qual o candidato preferencial da burguesia pudesse sair vitorioso. Os expedientes autoritários que haviam se desenvolvido pelo seu vasto uso durante o governo Temer foram, então, requisitados. Não bastava proibir a candidatura de Lula, ele tinha que ser encarcerado para que não subisse em palanques de outro candidato petista. Não bastava apenas encarcerá-lo, ele tinha que ser também impedido de dar entrevistas, falar ao telefone e gravar vídeos. Tudo o que parecia necessário para evitar um retorno do petismo ao poder foi feito, e a burguesia brasileira mostrou que ela não se constitui em uma classe geneticamente hostil apenas às reformas democráticas, tal qual apontara Florestan Fernandes sob inspiração trotskista, como também é um sujeito social que, em tempos de crise, não tolera sequer o mais tímido e esquálido reformismo, mesmo que este se manifeste apenas por meio de um conjunto de políticas sociais compensatórias, focalizadas e afirmativas. A justiça eleitoral permitiu todo o tipo de crime eleitoral – e ela mesma praticou alguns, como as invasões de universidades –, desde que eles tivessem como alvo a candidatura petista. Com o livre uso das fake news, patrocinadas com doações não declaradas de campanha, as eleições se converteram, finalmente, em eleições fake. As eleições do golpe foram, portanto, o golpe das eleições. Contudo, nada, absolutamente nada disso, foi suficiente para que a candidatura orgânica da burguesia obtivesse êxito.

A Casa Grande se viu, assim, subitamente refém dos demônios que ela mesmo conjurara, dos cães raivosos que ela mesma soltara, em suma, da pequena-burguesia reacionária que ela mesma utilizara como base de massas para o golpe gestado em 2015 e assestado em 2016. A racionalidade burguesa se viu, portanto, diante das irracionalidades produzidas pela sua própria “ação racional”. A ofensiva midiática “contra a corrupção”, dotada de uma ideologia antipolítica de cariz fascista, atingiu não só o Partido dos Trabalhadores, como também os próprios partidos orgânicos da burguesia e seus representantes políticos tradicionais.

Um tanto surpreendida, a burguesia se deparou com uma classe média reacionária que, historicamente caudatária do andar de cima, adquirira, desde as massivas mobilizações de 2015, uma espécie de “autonomia política relativa”, e, triunfante, apresentava agora o “seu” próprio projeto político-apolítico para o país. Arruinados economicamente, temerosos de sua proletarização, hostis ao assistencialismo social, incultos, iletrados e ignorantes, esses setores médios, arregimentados pela burguesia para o golpe, haviam, quando das mobilizações para aquele, desenvolvido a crença de que eles próprios poderiam governar e resolver, a seu modo, os problemas do país. Visceralmente antipetistas e descrentes da “política”, foram buscar seus lídimos representantes tanto em corporações elitistas não eleitas, como o Judiciário e as Forças Armadas, quanto em expoentes da marginalidade política, expressões no submundo político de uma burguesia parvenus, uma espécie de lumpemburguesia composta por milicianos, contrabandistas, arrivistas, aventureiros, fazendeiros caipiras, fabricantes emergentes, empresários arruinados, especuladores obscuros, estelionatários, donos de termas, de empresas de segurança, de transporte, de postos de gasolina, habitués de churrascaria rodízio e camarotes de micaretas, pastores descrentes, ex-jogadores de futebol, artistas pornô e leitores de um guru astrólogo delirante. Adepta fervorosa da família brasileira, a classe média reacionária resolveu se afeiçoar a uma delas em particular, e encontrou no seu patriarca o Messias que tanto precisava para “mudar tudo isso que está aí”. Como pôde ser constatado, diante da alternativa petismo ou neofascismo, a alta burguesia dos grandes salões não se conteve apenas em lavar as mãos, e preferiu sujá-las mesmo, fazendo de um tudo para que o führer tropical, mitificado por toda essa fauna e flora do rebotalho do capital, fosse vitorioso nas urnas no segundo turno do ano passado.

Tal foi a contraditória dinâmica que nos levou até a presente situação, na qual parece ter lugar a construção de um regime semibonapartista ultra neoliberal, apoiado em superministérios compostos por quadros forenses e castrenses de extrema direita, para os quais os direitos democráticos não podem continuar a obstar a retirada dos direitos sociais, o que lhes parece ser suficiente para que todo e qualquer direito, salvo o da propriedade privada, seja enviado o mais rápido possível para o museu da história do capitalismo. Enquanto a democracia blindada parece dar lugar a uma democracia dos blindados, a alta burguesia brasileira, ao mesmo tempo em que espera e cobra do lumpesinato político à frente do seu Estado a aprovação das contrarreformas e a aplicação de uma austeridade inclemente para com os trabalhadores, se vê impingida a tentar domá-lo, procurando evitar que o seu jeito tosco e plebeu provoque crises desnecessárias e até mesmo perigosas em um país economicamente estagnado, socialmente fraturado e politicamente dividido. A banca e seus finórios jornalistas instam o governo a acelerar os ataques econômicos à maioria da população, pois temem que seus feitos circenses, suas diatribes despropositadas contra a razão, a arte e a ciência, seus ministros histriônicos e suas ministras psicóticas ponham tudo a perder.

Tementes a Deus, porém cínicos, os donos do capital, na contramão das escrituras, rezam para que os encobertos crimes pretéritos dos momentâneos donos do poder não sejam agora descobertos, que seus cruentos atos secretos não sejam justo agora revelados. A Casa Grande agora tenta evitar que seus capitães do mato, mais livres, com mais chicotes e menos pudores, tornem inviável o ramerrão da plantation. A burguesia agora cobra racionalidade dos seus prepostos irracionais, cujo poder só foi obtido graças à irracionalidade que vertebra a razão da própria burguesia. Possivelmente, torce para que homens aparentemente mais sóbrios do governo, como Moro, ouçam a sua consciência, se esquecendo de que, tal como se dava com Ievguiêni, personagem de Tolstói, sua consciência não tem nada a lhes dizer. Assustada com a loucura dos marginais que alçou ao poder, a Casa Grande parece solenemente ignorar o alerta feito pelo mesmo autor russo, quando escreveu que os mais loucos são justamente aqueles que enxergam nos outros os sintomas de loucura que não enxergam em si mesmos.

Felipe Demier
No Esquerda Online

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.