4 de fev de 2019

Se o Estadão está certo, a cachaça da vitória fez mal ao bolsonarismo


O Estadão publica, agora à tarde, o que diz ser o rascunho da reforma previdenciária urdida pelo Ministério da Fazenda.

E o que ela contém é explosivo: idade mínima de 65 anos para homens e mulheres, obrigatórios, independente do tempo de contribuição.

Não há notícia sobre regra de transição, o que não é desejado pela Fazenda, par ter efeitos rápidos.

Mínimo de 40 anos de contribuição (o que, na prática, representa uns 45 anos de atividade)  para ter direito ao valor integral do benefício, mesmo com a redução que hoje já tem.

Idosos de baixa renda receberão menos que o mínimo: “pessoas que comprovem estar em condição de “miserabilidade” terão assegurada uma renda mínima de R$ 500, quando tiverem 55 anos ou mais, ou R$ 750, caso tenham mais de 65 anos. Pessoas acima de 70 anos e com dez anos de contribuição terão assegurada uma prestação extra de R$ 150.”

A dose é cavalar e não há possibilidade de que os parlamentares as aceitem a seco.

É possível que a turma do Planalto esteja embriagada com a vitória de Davi Acolumbre e ache que “tá tudo dominado”, mas é improvável que a maioria dos deputados queira aderir de cara a uma reforma que passou do impopular para o cruel.

Fernando Brito
No Tijolaço

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.