9 de fev de 2019

Novas tarifas de Trump ameaçam lua de mel Brasil-EUA

Departamento de Comércio analisa impor sobretaxas sobre autopeças brasileiras


O chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, passou os últimos três dias em Washington, em uma série de reuniões para planejar a visita que o presidente Jair Bolsonaro deve fazer a seu contraparte e ídolo, Donald Trump, na segunda quinzena de março.

Pela segunda vez, Araújo esteve com o secretário de Estado, Mike Pompeo, e com o assessor de Segurança Nacional, John Bolton. Passou também pelo Escritório do Representante de Comércio dos EUA, Robert Lighthizer.

Mas talvez o chanceler devesse ter se reunido também com Wilbur Ross, o secretário de Comércio.

É Ross que supervisiona uma investigação sobre automóveis e autopeças que pode azedar a visita aos EUA e o “bromance” entre Bolsonaro e Trump.

No ano passado, Trump impôs tarifas sobre aço e alumínio importados com base na Seção 232 da Lei de Expansão de Comércio de 1962. A seção 232 estabelece que o governo americano pode impor barreiras sobre determinados bens importados se o Departamento de Comércio chegar à conclusão que o produto investigado “está sendo importado pelos Estados Unidos em quantidades ou em circunstâncias que ameaçam a segurança nacional”.

O conceito é amplo o suficiente para permitir diversas interpretações – seriam indústrias estratégicas para a segurança nacional do país, que não podem ficar enfraquecidas ou ser ameaçadas por causa de aumento nas importações. O uso indiscriminado dessa justificativa para impor medidas protecionistas preocupa legisladores americanos, inclusive senadores republicanos, que estão apresentando projetos de lei ara restringir o poder do presidente de impor sobretaxas com base na seção 232.

No caso do aço, o Brasil acabou se resignando a cotas que limitam a exportação para os EUA. Já para o alumínio, o governo brasileiro engoliu a sobretaxa de 10%.

Agora, está em análise no departamento de Comércio a imposição de sobretaxas sobre automóveis e autopeças importados pelos EUA, usando a mesma seção 232 como desculpa.

O Brasil exporta muito pouco em automóveis para os EUA – segundo dados do censo americano, US$ 173 mil em 2017 e US$ 131 mil em 2018.

Já autopeças são um produto importante da pauta de exportação brasileira para os EUA – ficam na faixa de US$ 1,5 bilhão ao ano.

Segundo a última versão do relatório do Departamento de Comércio, uma ideia é impor tarifas apenas sobre itens de alta tecnologia dos automóveis, a outra é baixar sobretaxas de 20% a 25% para automóveis e autopeças, indiscriminadamente.

Trump já mostrou que não poupa aliados na hora de disparar seus petardos protecionistas – vide as sobretaxas que atingiram em cheio Canadá, México e União Europeia.

Então não convém apostar que o Brasil, ainda que haja uma boa química entre Bolsonaro e Trump, esteja protegido da sanha tarifária do republicano, que usa a guerra comercial para extrair concessões dos outros países.

Difícil será explicar para o público interno que as juras de amor incondicional aos Estados Unidos tiveram como retribuição impostos sobre as nossas exportações.

A Coreia já despachou para Washington seu ministro de comércio, devidamente acompanhado de executivos de montadoras, para tentar escapar dessas tarifas – embora tenha pouca esperança.

O timing da conclusão da investigação é particularmente infeliz para o Brasil – o prazo para a divulgação da decisão é fim de fevereiro, a menos de um mês da visita de Bolsonaro.

Patrícia Campos Mello
No Folha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.