24 de fev de 2019

Guaidó não pôde controlar situação em torno da ajuda humanitária à Venezuela

Guaidó decepcionado
O opositor Juan Guaidó, que no mês passado se proclamou presidente interino da Venezuela, não conseguiu assumir o controle sobre a situação na Venezuela, bem como realizar a entrada da ajuda humanitária no país, disse o analista Viktor Jeifets.

O professor Viktor Jeifets, da Faculdade de Relações Internacionais da Universidade Estatal de São Petersburgo e especialista em assuntos latino-americanos, opinou que "ontem [23 de fevereiro] era um dia importante para Guaidó mostrar que ele podia controlar algo, mas isso não deu certo".

Jeifets sublinhou que, ao se declarar presidente interino da Venezuela, Guaidó deveria convocar eleições em 30 dias, mas não conseguiu fazer isso. "Por isso não é claro quais sejam os poderes de Guaidó como presidente interino", disse ele.

O cientista político indicou que o plano não funcionou como foi planejado, mas o fracasso da tentativa de transferir a ajuda humanitária era previsível.

"A entrada da ajuda humanitária à Venezuela, prevista para 23 de fevereiro, desde o início que era vista como uma provocação e terminou como deveria terminar, com o caos na fronteira e vítimas humanas", afirmou Jeifets.

Para o especialista, a coisa mais perigosa não foram as desordens na fronteira com a Colômbia, mas a partida de um navio com ajuda humanitária de Porto Rico, que a guarda fronteiriça venezuelana prometeu atacar se se aproximasse do seu país.

"Se isso acontecesse, se o navio não tivesse voltado atrás, isso poderia ter sido um pretexto direto para uma intervenção das Forças Armadas dos EUA, levando em conta que Porto Rico é um Estado livre associado dos EUA", avisou ele.

Em 23 de fevereiro, a oposição venezuelana tentou fazer entrar ajuda humanitária na Venezuela. Na chegada, vários caminhões com ajuda foram queimados na fronteira com a Colômbia, enquanto quatro pessoas foram mortas na fronteira com o Brasil, segundo a organização não-governamental venezuelana Fórum Criminal.

A tensão política na Venezuela aumentou desde que em 23 de janeiro Juan Guaidó, presidente da Assembleia Nacional da Venezuela e líder da oposição, se declarou presidente interino do país.

Os EUA e vários países da Europa e América Latina, inclusive o Brasil, reconheceram Guaidó como presidente interino do país. Rússia, China, Cuba, Bolívia, Nicarágua, Turquia, México, Irã e muitos outros países manifestaram seu apoio a Maduro como presidente legítimo do país e exigiram que os outros países respeitem o princípio de não interferência nos assuntos internos do país latino-americano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.