14 de jan de 2019

Para Bolsonaro, o nacionalismo está acima de Deus


“Brasil acima de tudo e Deus acima de Todos”. Esse foi o lema utilizado pelo presidente durante a campanha eleitoral. Aliás, o que não falta no atual governo são frases de efeito com conteúdo religioso. Quem não lembra da frase da ministra Damares no dia da posse: “ Somos um estado laico, mas esta ministra aqui é terrivelmente cristã”

A ministra Damares não percebeu que sua frase foi um ato falho, onde a expressão “terrivelmente cristã’ desnuda a personalidade de um grupo de pessoas contraditórias que coloca um grande abismo entre o discurso e a prática cristã.

Entre as duas palavras – terrivelmente e cristã - a que tem servido de exemplo para as ações do governo é a palavra terrivelmente. Se o leitor acompanhar meu raciocínio irá concordar com este humilde colaborador. A última decisão tomada pelo governo Bolsonaro foi “terrivelmente anticristã”, pois revogou a adesão ao pacto global de imigração, acompanhando os EUA e Hungria cujas lideranças também são terríveis. Uma atitude completamente contraria aos ensinamentos do cristianismo, inclusive, é algo criminalizado no velho testamento onde prevalecia a lei de Talião ( “Dente por dente olho por olho”).

Não obstante aos ensinamentos bíblicos, o mesmo governo que levanta a bandeira da cristandade, dizendo colocar Deus acima de todos, peca colocando o nacionalismo acima de Deus. Recentemente o papa Francisco, em um encontro com diplomatas, alertou sobre o ressurgimento do nacionalismo e fez um apelo para que os países cumpram o acordo de imigração para ajudar os refugiados que hoje são, segundo a ONU,  21,3 milhões de pessoas. É mais de três vezes a população da cidade do Rio de Janeiro, onde Bolsonaro morava a até pouco tempo.

Aturdido com a decisão desse governo “terrivelmente cristão”, resolvi pesquisar alguns textos bíblicos que tratam do assunto e verifiquei a inequívoca e unânime visão favorável ao acolhimento dos estrangeiros.

E quando o estrangeiro peregrinar convosco na vossa terra, não o
oprimireis. Como um natural entre vós será o estrangeiro que
peregrina convosco; amá-lo-ás como a ti mesmo, pois estrangeiros
fostes na terra do Egito. Eu sou o Senhor vosso Deus.” - Lv 19.33-34

Que faz justiça ao órfão e à viúva, e ama o estrangeiro, dando-lhe
pão e roupa. Por isso amareis o estrangeiro, pois fostes
estrangeiros na terra do Egito.” - Deuteronômio 10.18-19

Pois eu tive fome, e vocês me deram de comer; tive sede, e vocês
me deram de beber; fui estrangeiro, e vocês me acolheram;
necessitei de roupas, e vocês me vestiram; estive enfermo, e vocês
cuidaram de mim; estive preso, e vocês me visitaram’. Mt 25.35-36

Os dois primeiros textos convida-nos a praticar a alteridade, empatia e compaixão, lembrando ao povo que ele também foi estrangeiro em outra terra (Egito). Por sua vez, o último texto que se encontra em Matheus, cujo contexto parece tratar-se de um julgamento final, Jesus está premiando os seus verdadeiros discípulos com a vida eterna e, dentre os motivos, está o acolhimento dos estrangeiros.

Não, senhor presidente. No seu íntimo Deus não está acima de todos. Contudo, ainda, há uma chance de voltar atrás. Vale lembrar que ser humilde e reconhecer os erros cometidos é algo “maravilhosamente cristão”.

Albertino Ribeiro
No GGN

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.