29 de jan de 2019

O respeito à soberania da Venezuela e a paz no continente


A autoproclamação de Juan Guaidó como presidente insulta a Constituição venezuelana e despreza o senso do ridículo.

Não fosse apenas outra tentativa de golpe de Estado numa Venezuela continuamente agredida pelos EUA, o gesto seria considerado como puro delírio da extrema-direita oposicionista.

Não existe previsão, na Constituição venezuelana, de mecanismo pelo qual, de repente, um indivíduo tresloucado desperta na manhã do dia que se celebra o 61º aniversário do fim da última ditadura do país [23/1] e se autoproclama ditador.

Este ato tem o mesmo valor de uma cédula de 3 dólares; ou seja, é totalmente nulo, insubsistente, bizarro. O autoproclamado ditador sem quartel não tem poder sequer para dar ordens ao porteiro da sala de cinema, quanto menos ao guarda da esquina.

Apesar disso, todavia, Trump instantaneamente reconheceu a presidência fantasma de Juan Guaidó. Na sequência da trama armada, os governos submissos dos países do Grupo de Lima [exceto México], o governo do Brasil e de outros países satélites dos EUA seguiram Trump no intento de rapidamente legitimarem o títere golpista. A manobra, porém, fracassou.

O governo Nicolás Maduro impôs dupla derrota aos EUA e aos governos e agentes que atuam como cônsules norte-americanos. Primeiro, na OEA, em 24/1, e, depois, no Conselho de Segurança da ONU, em 27/1. O fantasma inventado por Trump , o “presidente encarregado” da Venezuela, não foi reconhecido pela comunidade internacional.

Maduro recebeu apoio da maioria dos países, incluindo China e Rússia, que o reconhecem como o presidente constitucional da Venezuela.

O ultimato dos governos da Alemanha, Espanha e França para que Maduro anuncie no prazo de 8 dias o calendário de nova eleição, foi desdenhado pelo chanceler venezuelano Jorge Arreaza como sendo uma “ingerência infantil”, descabida.

Em corajoso e contundente discurso no Conselho de Segurança da ONU [vídeo aqui], Arreaza defendeu a soberania da Venezuela, evocou o princípio da autodeterminação dos povos e não-ingerência em assuntos internos, e denunciou o passo-a-passo da conspiração, detalhando a viagem clandestina de Guaidó à Bogotá, Brasília e Washington para planejar e coordenar o golpe desde o exterior.

Arreaza avisou a comunidade internacional que “As forças armadas nacionais bolivarianas defendem com sua vida esta Constituição”, e que o governo Maduro fará de tudo para impedir que os EUA consigam gerar uma guerra civil na Venezuela, Nação “irrevogavelmente livre”.

A oligarquia venezuelana, organicamente associada ao establishment estadunidense, combate sem tréguas o chavismo desde o primeiro mandato de Hugo Chávez, iniciado em 1999.

Com apoio político, financeiro e militar dos EUA, esta oligarquia promoveu várias tentativas de golpe, sempre de modo combinado com uma estratégia contínua de guerra econômica, locaute e sabotagem; caos, polarização e desestabilização política; violência, conflito social e bandidismo de sicários.

Obediente às ordens mandadas desde Washington, a elite venezuelana recusa-se a dialogar com o governo, chegando a abandonar negociações mediadas pela comunidade internacional.

Os EUA já tentaram, e falharam, em muitas tentativas de golpes – tradicionais ou modernos – para derrubar os governos chavistas. Eles aprenderam, nesse tempo todo, que não terão êxito em nova tentativa de golpe, e, por isso, adotaram tática distinta; evitando, por ora, a hipótese de intervenção militar estrangeira, o que os colocaria em confronto direto com forças russas.

Apostam, agora, numa situação de dualidade de poder para dividir as Forças Armadas, um dos pilares do regime cívico-militar bolivariano, para levar o país a uma situação de guerra civil.

O ataque para golpear Maduro não visa simplesmente instalar um novo governo, mas sim promover uma mudança de regime, mesmo que às custas da devastação do país.

O objetivo continua o mesmo: retroceder a Venezuela, país detentor da 3ª maior reserva de petróleo do mundo, à condição de subúrbio petroleiro da metrópole imperial. E, como efeito colateral, debilitar um dos principais fatores, ao lado de Cuba, da resistência e oposição frontal às políticas imperiais na região.

O respeito à soberania da Venezuela como nação independente e soberana é um imperativo para a manutenção da paz na América Latina, porque a agressão à soberania venezuelana tem potencial de criar uma Síria no hemisfério [ler aqui].

A Venezuela tem o direito soberano de solucionar seus conflitos domésticos com base no diálogo com a oposição, no marco da Constituição Bolivariana. Os EUA, com sua política intervencionista, implodem essa possibilidade, e ameaçam a estabilidade, a segurança e a paz no continente e no mundo.

A defesa do direito à soberania venezuelana, na conjuntura atual, se converte na luta pelo respeito ao Estado de Direito e em defesa da paz no continente.

É uma luta contra a guerra, contra a ingerência estrangeira nos nossos países e em defesa da autodeterminação dos povos.

É, enfim, a luta da civilização contra a barbárie e contra a insanidade promovida pela extrema-direita e pelo fascismo nas Américas e no mundo afora.

Jeferson Miola

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.