19 de jan de 2019

Nova delação contra Lula vaza um dia após Bolsonaro se complicar no caso Queiroz


A sexta-feira (18) começou com analistas e até ministros do Supremo Tribunal Federal dizendo, em off, que Flávio Bolsonaro deu um tiro no pé e assumiu parcela de culpa no caso Coaf-Queiroz, e chega ao final com uma ajuda providencial para tirar o escândalo do noticiário: a divulgação de um novo capítulo da delação de Antonio Palocci.

A divulgação só ocorreu porque a Polícia Federal decidiu anexar, hoje, parte da delação que existe desde abril de 2018 em um inquérito sobre Belo Monte que tramita sob sigilo.

Na delação divulgada pelo G1, Palocci afirmou que Lula recebeu propina pela obra da Andrade Gutierrez em Belo Monte. O ex-ministro relatou que levou o dinheiro pessoalmente ao ex-presidente, uma vez dentro de uma caixa de uísque, em outra suposta oportunidade, dentro de uma caixa de celular.

"[Palocci] Também se recorda que, dos recursos em espécie recebidos da ODEBRECHT e retirados por Branislav Kontic, levou em oportunidades diversas cerca de trinta, quarenta, cinqüenta e oitenta mil reais em espécie para o próprio Lula", diz trecho divulgado pelo G1.

"Em São Paulo, recorda-se de episódio de quando levou dinheiro em espécie a Lula dentro de caixa de whisky até o Aeroporto de Congonhas, sendo que no caminho até o local recebeu constantes chamadas telefônicas de Lula cobrando a entrega." Isso teria ocorrido em 2010.

Segundo o G1, dois motoristas de Palocci confirmaram os encontros com Lula, mas não puderam confirmar que viram dinheiro dentro dos pacotes. Um deles afirmou, porém, que sabia que o ex-ministro da Fazenda, às vezes, andava com grandes quantias de dinheiro tentando não chamar atenção.

Palocci também disse que a empreiteira Andrade Gutierrez "pagou despesas ao Vox Populi e que, em benefício do ex-presidente, fez doações ao Instituto Lula e pagou palestras a Lula", afirmou o G1.

No meio da eleição para presidente, o juiz Sergio Moro levantou o sigilo de um trecho da delação de Palocci que diz que Lula sabia dos esquemas de corrupção no governo. Moro, hoje, é ministro da Justiça, pasta que comanda a Polícia Federal.



Lula e Dilma rebatem teor da declaração de Palocci vazada

No meio de denúncias e suspeitas atingindo a família Bolsonaro e seu fiel escudeiro Queiroz, o vazamento de providencial delação de Antonio Palocci. Para empanar o brilho de fogo das suspeitas e documentos que atingem Flávio Bolsonaro e podem chegar até a primeira dama e o presidente, pai do envolvido, a Polícia Federal cochila e o áudio vai para as ruas. Típica movimentação já vista anteriormente.

Mas o teor da delação atinge, de novo, e mais uma vez, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso em Curitiba há nove meses, e a ex-presidente Dilma Rousseff, deposta do cargo por não ser conivente com um esquema sujo que previa, nas palavras de Romero Jucá, 'com Supremo com tudo'.

Os dois ex-presidentes soltaram nota contestando o teor das delações e o providencial vazamento. Primeiro a de Lula, que lembra que a Lava Jato tem quase duzentos delatores loucos por reduções de pena. Nenhum deles, ao ser estimulado pelos algozes, conseguiu apresentar qualquer prova. Pois não existem. Lembra ainda que Palocci já havia tentado ser delator, tendo implorado por isso, e a fragilidade de seu depoimento não colou.

Dilma Rousseff também soltou nota comentando as mentiras contidas na delação de Palocci. Para ela, o evento é uma cortina de fumaça, já que não carrega nenhuma prova contra ela ou mesmo o ex-presidente Lula.

Leia as notas a seguir.

Sobre histórias de Palocci e motoristas plantadas hoje contra Lula

A Lava Jato tem quase 200 delatores beneficiados por reduções de pena. Para todos perguntaram do ex-presidente Lula. Nenhum apresentou prova nenhuma contra o ex-presidente ou disse ter entregue dinheiro para ele. Antônio Palocci, preso, tentou fechar um acordo com o Ministério Público inventando histórias sobre Lula. Até o Ministério Público da Lava Jato rejeitou o acordo por falta de provas e chamou de “fim da picada”.

Mas o TRF-4 decidiu validar as falas sem provas de Palocci, que saiu da prisão e foi para a casa, com boa parte de seu patrimônio mantido em troca de mentiras sem provas contra o ex-presidente. O que sobra são historinhas para gerar manchetes caluniosas.

Todos os sigilos fiscais de Lula e sua família foram quebrados sem terem sido encontrados valores irregulares.

Há outros motoristas e outros sigilos que deveriam ser analisados pelo Ministério Público, que após anos, segue sem conseguir prova nenhuma contra Lula, condenado por “atos indeterminados”. Curiosa a divulgação dessa delação sem provas justo hoje quando outro motorista ocupa o noticiário.

Assessoria de Imprensa do ex-presidente Lula

As novas mentiras de Palocci

Dilma rebate as novas declarações fantasiosas do ex-ministro

A propósito das supostas novas declarações do senhor Antônio Palocci, a Assessoria de Imprensa de Dilma Rousseff registra:

Mais uma vez, o senhor Antônio Palocci mente em delação premiada, tentando criar uma cortina de fumaça porque não tem provas que comprometam a idoneidade e a honra da presidenta Dilma.

É fantasiosa a versão de que ela teria “dado corda” para a Lava Jato “implicar” Lula. Isso não passa de uma tentativa vazia de intrigá-la com o presidente Lula.

Na verdade, a delação implorada de Palocci se constitui num dos momentos mais vexaminosos da política brasileira, porque revela o seu verdadeiro caráter.

Assessoria de Imprensa
Dilma Rousseff

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.