23 de jan. de 2019

Mico internacional dos Bolsonaros

Em café da manhã de Bolsonaro, jornal que criticou discurso foi chamado de "vagabundo"

O jornalista Jamil Chade flagrou o café da manhã de Jair Bolsonaro em Davos, nesta quarta (23). Sentado à mesa ao lado, o repórter correspondente do Estadão conseguiu ouvir parte da conversa do presidente da República com sua equipe, que incluia o filho Eduardo Bolsonaro - que perguntou aos demais se "bilionário" e "trilionário" levavam a letra "h".

Na pauta, o discurso de Bolsonaro, feito um dia antes no Fórum Econômico Mundial. Com 6 minutos, foi o discurso mais curto de um presidente brasileiro em Davos. A imprensa nacional e internacional criticou não apenas a fala enxuta, mas o conteúdo. O El País, contudo, fez uma manchete dupla. Na versão espanhola, dizia que Bolsonaro, prometendo abrir a economia, "animou" os investidores. Já na versão brasileira, o discurso foi classificado como decepcionante. A comitiva presidencial não poupou críticas: "jornal vagabundo", concordaram.

Bolsonaro também criticou as notícias dizendo que o real havia sofrido uma desvalorização após dua fala em Davos. "Tem cinco dias de alta e dá uma baixadinha e dizem que é o discurso", se queixou.

Numa mudança de conversa, Bolsonaro começou a falar do Enem, dizendo que havia facilitade de a prova ser fotografada e vazada por um "petista".

Chade chamou atenção para outros temas discutidos, como o uso das redes sociais. Ele ainda escreveu que esá confirmado que Olavo de Carvalho é visto pelo grupo como um líder intelectual, uma "referência" em matéria também de como fazer vídeos e se comunicar na internet.

"Ao terminar o café da manhã, a reportagem se aproximou do presidente, ainda que a segurança tentasse evitar. (...) Questionado se comentaria a situação de seu filho, Flávio Bolsonaro, o presidente virou as costas e, entrando em um elevador, apenas repetia: 'Não, não'."

Mico do Dudão


Eduardo Bolsonaro cometeu uma gafe em nível internacional nas redes sociais e acabou corrigido pela jornalista Alícia González, do El País, nesta quarta (23).

Para sutentar que a imprensa persegue seu pai, Eduardo Bolsonaro publicou uma montagem com as manchetes do El País espanhol e a versão brasileira do jornal. As duas matérias foram assinadas por Alícia, mas os títulos, para Bolsonaro, pareciam destoar completamente. 

Na versão brasileira, o título dizia que o discurso de Jair Bolsonaro em Davos foi decepcionante. No Espanhol, o verbo "anima" confundiu Eduardo, que achou que o presidente havia literalmente animado os investidores.

"Mesmo jornal, mesma fonte, mas uma tremenda diferença no título que vai para o Brasil do título que vai para a Espanha...", escreveu Eduardo em suas redes sociais.

A jornalista respondeu pelo Twitter: "Senhor @BolsonaroSP, você está fazendo uma tradução ruim do espanhol, um falso cognato. 'Anima' significa pede, não convencer os investidores. Saudações."

A manchete, portanto, dizia que Bolsonaro pede aos executivos que invistam no Brasil.

O erro de Eduardo foi reproduzido pela conta de Jair Bolsonaro no Instagram.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.