31 de jan de 2019

Há articulação a fim de Bolsonaro nomear Dallagnol para PGR

Hoje tímido, procurador criticou duramente Dilma e Temer

Há uma articulação de bastidor em Brasília para que Deltan Dallagnol seja indicado procurador-geral da República em setembro, substituindo Raquel Dodge.

Procurador da República e estrela da Lava Jato, Dallagnol tem adotado tom menos crítico em relação ao governo Bolsonaro do que aquele que usava em relação às administrações Dilma e Temer.

A ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República) faz uma eleição interna e apresenta lista tríplice ao presidente da República.

Nos bastidores do governo Bolsonaro, há simpatia por Dallagnol, quem tem sido econômico ao falar do caso Flávio Bolsonaro-Fabrício Queiroz.

Bolsonaro tende a não reconduzir Dodge. Se o hoje tímido Dallagnol disputar a eleição interna e ficar entre os três mais votados, terá legitimidade da categoria para assumir o comando do Ministério Público Federal.

Mas integrantes da gestão Bolsonaro dizem que o presidente poderia nomear Dallagnol mesmo se ele ficar fora da lista tríplice. Sergio Moro, ministro da Justiça, é o maior padrinho dessa possível indicação.

Nos governos Lula e Dilma, foi indicado o mais votado da lista, como forma de prestigiar a autonomia do MP. A gestão Temer optou pela segunda colocada, por entender que o primeiro da lista, Nicolao Dino, era muito ligado ao então procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Bolsonaro já deu a entender que pode não seguir o critério de seus três antecessores.

* * *

Ao temer atos políticos, democracias começam a morrer

Quem aplaude crueldade contra Lula pode ser vítima amanhã

Ao temer atos políticos, as democracias começam a morrer. O teatro protelatório da Justiça e da Polícia Federal para impedir Lula de velar e sepultar o irmão Vavá é um precedente perigoso que mancha a democracia brasileira.

Aqueles que aplaudem hoje a crueldade contra o ex-presidente podem ser vítimas no futuro de uma ação persecutória do mesmo tipo. O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, autorizou Lula a encontrar familiares e, eventualmente, o corpo do irmão numa unidade militar minutos antes de Vavá ser enterrado.

Isso é um absurdo, sobretudo se for levado em conta que a ditadura militar de 1964 permitiu, tempestivamente, a saída de Lula da prisão para comparecer ao velório e sepultamento da mãe, dona Lindu. A Justiça adotou procedimento protelatório para evitar contato de Lula com a imprensa, amigos e militantes do PT.

Será que a democracia brasileira é tão frágil que não pode ouvir o que Lula tem a dizer à imprensa? Ou será alquebrada por manifestações de militantes petistas num velório?

Há interesse público e histórico numa entrevista de Lula. Todos os jornalistas deveriam estar disputando esse furo. Mas parece que Lula morreu, não pode abrir a boca, não deve ser visto, precisa ser esquecido, é assunto proibido no debate público…

Não me parece que Lula seja tão perigoso assim. Ou será?

Na Antiguidade, havia tréguas para recolher mortos em batalha e permitir que parentes e amigos pranteassem entes queridos. No Brasil de 2018, isso não é possível. Tem algo errado rolando por aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.