5 de jan de 2019

As guerras táticas da comunicação de Bolsonaro


Guerra econômica, guerra cinética, guerra da informação. Esses três princípios da guerra moderna parecem estar estruturando a tática militar de comunicação do “staff” de Bolsonaro. Em quatro dias desde a posse do capitão da reserva, ficou evidente a linha de continuidade entre a campanha eleitoral e a rotina diária do governo. Marcadas não pela estratégia clássica de propaganda, mas por táticas diversionistas de comunicação: “Marxismo cultural”? “Ideologia de gênero”? Bolsonaro desautorizou Paulo Guedes? Quem é menina ou menino? Quem veste rosa ou azul? A logística da guerra é uma questão de desorientar e criar pânico no adversário – no caso atual, criar dissonâncias e ambiguidades. Com isso, qualquer discussão sobre a “guerra econômica” (“tirar”, “acabar”, “reduzir”, “diminuir” etc.) e a guerra cinética (a guerra ao pan terrorismo narco-político), embora com impactos bem concretos num futuro próximo, está oculta da opinião pública com a proliferação de memes, metamemes e análises da grande mídia que escondem o essencial: a guerra produzida sob o discurso da “terra arrasada”.

Em postagem anterior, esse humilde blogueiro argumentava que desde a campanha eleitoral, Bolsonaro não utilizou estratégias de propaganda, mas de comunicação: ao invés dos instrumentos de convencimento e persuasão (doutrinação ideológica, retórica, repetição de slogans, festas e discursos em palanques), sistematicamente produziu informações dissonantes, ambiguidades, bravatas e provocações para criar, principalmente, polarização - clique aqui.

Por isso, é sintomático que o seu “parlatório” sejam as mídias sociais no lugar dos meios de comunicação de massas – apesar do papel fundamental dessas mídias clássicas como função de pauta ou agendamento dos pitacos no WhatsApp e Twitter: o pano de fundo da grande mídia acaba sendo o condutor dos “debates” nas redes sociais.

Propaganda não é comunicação, é a esteticização da informação, de caráter acumulativo, aditivo, afirmativo; e comunicação é acontecimento – tudo aquilo que gera eventos que criam dissonâncias, que confrontam, interferem, tornam-se agentes disruptivos.

Bastaram apenas quatro dias desde a posse (ou possessão?) do presidente eleito, para ficar clara a linha de continuidade entre a campanha eleitoral e a estratégia de Governo: uma atividade sistemática e diária de comunicação que objetiva criar uma espécie de fosso repleto de crocodilos em volta do castelo.

O castelo do “núcleo duro”

Esse castelo seria o “núcleo duro” do Governo (economia, justiça e segurança) que, à todo custo, deve se manter longe de qualquer debate racional na opinião pública.

Enquanto os “crocodilos ferozes” são jogados diariamente nesse fosso para chamar a atenção e distrair – são as dissonâncias e provocações.

Desde o primeiro dia do ano, a estratégia de comunicação foi a de encher esse fosso de proteção com diversos “crocodilos”:


(a) Meganhização da posse com Brasília em estado de sítio não declarado: soldados fortemente armados com toucas ninja e ordens para abater qualquer “OVNI” (desculpe a ironia...) que aparecesse no espaço aéreo da capital – na verdade, apenas a continuação icônica das imagens diárias dos telejornais nos últimos quatro anos com policiais federais nas ruas armados até os dentes para fazer prisões coercitivas nas inesgotáveis operações da Lava Jato;

(b) Contenção e maus tratos dos jornalistas na posse como indício do alvorecer de uma distopia autoritária brasileira na qual os pobres jornalistas serão censurados e executados. Enquanto isso, nas telas da TV, Bonner só faltou bater continência para as câmeras do Jornal Nacional, elogiando a tecnologia de informação da emissora que conseguiu suplantar os “desafios logísticos” da cobertura da posse presidencial;

(c) Em pouco mais de 12 horas, recorrentes dissonâncias de informações entre o que Bolsonaro fala daquilo que efetivamente a equipe econômica está planejando – o capitão da reserva fala em aumento da alíquota do IOF, redução das faixa de Imposto de Renda e anúncio de idade mínima para aposentadoria (57 para mulheres e 62 para homens), enquanto integrantes do Governo como Marcos Cintra (secretário da Receita Federal) e Onix Lorenzoni (ministro chefe da Casa Civil) tentam acalmar os ânimos diante de estupefatos jornalistas, tentando traduzir a fala presidencial: “não era bem assim...”, “ele estava querendo dizer...”;

(d) O confuso e inacreditável discurso do ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo dizendo que o “marxismo cultural pilota o globalismo”, a “fé em Cristo para lutar contra o globalismo anti-cristão”, entre citações a Raul Seixas e Renato Russo;

(e) O discurso de posse (ou possessão?) do novo ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodrigues, dizendo que vai acabar com o “marxismo cultural nas escolas” e “ideologia de gênero” porque “faz mal à saúde”;

(f) E, o mais pirado crocodilo do fosso que cerca o castelo, a fala da ministra Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos) dizendo que “o Estado é laico, mas essa ministra é terrivelmente cristã!” e que “é uma nova era no Brasil: menino veste azul e menina veste rosa”, tendo ao fundo uma bandeira de Israel desfraldada por apoiadores...


Esquerda identitária namastê

De (a) a (f), tudo foi repercutido pelos analistas econômicos e políticos da grande mídia. Mas, em particular, a “metáfora” de Damares gerou a previsível reação da chamada “esquerda identitária namastê” com direito a Fernando Haddad posando de camisa rosa e livro na mão em foto nas redes sociais e o inefável Caetano Veloso posando no Instagram com uma camiseta rosa e a inscrição “proteja seus amigos”.

Modus operandi do artista que posava vestido de black bloc no auge das manifestações de 2013. Mais do mesmo: criação reativa de metamemes, atingindo em cheio o objetivo dessas verdadeiras bombas semióticas de dissuasão criadas pela estratégia de comunicação da assessoria de Bolsonaro.

E toca até a fazer análises linguísticas cognitivas de um não-acontecimento criado pela dublê de ministra e pastora neopentecostal. Como se houvesse algum substrato em um simulacro propositalmente plantado como “pseudo-evento”.

Sintomaticamente, enquanto grande mídia e a pretensa oposição política criam metamemes (recombinações e variações reativas das provocações) para supostamente denunciar as incorreções autoritárias e ideológicos do novo governo, o discurso do núcleo duro segue numa fileira de verbos no infinitivo: “acabar”, “tirar”, “reduzir”, “diminuir”, “cortar”, “encolher”, “fundir”, “finalizar”, “extirpar” e assim por diante.

Enquanto a grande mídia coloca acima de qualquer crítica esse discurso de gestor (sem projetos, imaginação ou criação), a esquerda se perde na polarização artificialmente criada. Para os luminares da esquerda, o ministério de Bolsonaro é formado por aloprados, pirados e proto-fascistas que poderiam tranquilamente figurar como personagens da distópica República de Gilead da série Handmaid’s Tale.

Tudo pode parecer descoordenação, bagunça e tosquice, comandado por um néscio na presidência. Mas isso é um personagem ficcional que a estratégia de comunicação pretende criar para Bolsonaro. Como fala o antropólogo Piero Leiner da UFSCar, estudioso das estratégias militares, “é muito mais uma estratégia de criptografia e controle de categorias, através de um conjunto de informações dissonantes” – clique aqui.



Núcleo de entretenimento

Por incrível que possa parecer, até aqui a fala mais lúcida em tudo isso veio do comentarista de Política do programa "Estúdio I", da Globo News. Octávio Guedes analisou: “o governo Bolsonaro é formado pelo núcleo econômico (Paulo Guedes), o núcleo da Justiça (Moro), o núcleo militar (Mourão, Heleno) e o núcleo de entretenimento, que cria todas essas polêmicas para entreter a opinião pública e evitar debater aquilo que é essencial”.

Em entrevista à BBC, o ex-estrategista-chefe da campanha de Trump e apoiador informal da campanha de Bolsonaro, Steve Bannon, faz a seguinte afirmação que parece orientar a atual estratégia de comunicação do Governo: “na guerra moderna, há três categorias: guerra de informação, guerra econômica e guerra cinética” – clique aqui.

O Governo Bolsonaro parece estar se estruturando em torno desses três núcleos: a guerra econômica (o discurso do gestor: “tirar”, “acabar”, “cortar” etc.), guerra cinética (Sérgio Moro e o combate ao pan terrorismo narco-político - que começa agora com envio de tropas ao Ceará sob o impacto de incêndios a ônibus e agências bancárias naquele Estado) e a guerra da informação, baseada nos princípios de dissonância e ambiguidade para distrair a opinião pública, mídia e oposição.

O que converge para as teses de outro especialista nos estudos sobre guerra e comunicação: o francês Paul Virilio. Para o estudioso, faz parte da logística da guerra criar desorientação para derrotar a vontade seja do prisioneiro, seja do oponente. Sirenes acionadas, voos rasantes de aviões, mobilizações contínuas e constantes são mais eficazes que bombas reais – são bombas semióticas que causam pânico, desorientação pela fragmentação da percepção – leia do autor “Guerra Pura”, “A Máquina de Visão” e “Estética do Desaparecimento”.


O quê fazer?

Também, por incrível que possa parecer, de dentro da cadeia na PF de Curitiba, Lula avaliou que Bolsonaro “está usando temas morais ou de comportamento como cortina de fumaça para ações impopulares nas áreas econômica e de direitos sociais”. Talvez um olhar à distância dos acontecimentos esteja dando maior lucidez a Lula do que a esquerda imersa e confusa diante blitzkrieg de Bolsonaro.

Uma guerra que conseguiu inverter a natureza dos temas: enquanto os temas econômicos que deveriam ser concretos (por se tratar da sobrevivência no dia-a-dia) tornam-se abstratos, os temas ideológicos, de valores ou costumes deixam de ser abstratos para vivarem concretos e emergenciais.

De repente moinhos de ventos como “marxismo cultural” ou “ideologia de gênero” viram monstros reais para a esquerda transformada em Dom Quixote.

Porém reverter essa inversão não será fácil. Tem a ver com uma guinada total na estratégia reativa da esquerda. Como?

Por exemplo, que tal ao invés de produzir metamemes (que mais parecem paráfrases que prestam homenagens às provocações de uma Damares Alves ou um de um Ernesto Araújo), atual no mesmo campo simbólico da “direita alternativa” (alt-right), o politicamente incorreto?

A fonte criativa para a criação de memes incorretos que simplifiquem por meio de memes, cartuns ou charges questões econômicas podem estar na revista "MAD" dos anos 1970 – quando a linguagem politicamente incorreta era anti-stablishment, contra o governo republicano Nixon, cujas origens estavam nas HQs underground e contracultural dos anos 1960, de Robert Crumb a Trina Robbins.

Marxismo Cultural? Então, fale-me mais sobre “os jovens se libertarem das leis trabalhistas...”.

Wilson Ferreira
No CineGnose

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.