2 de jan. de 2019

A carta brasileira de Benjamin Netanyahu


O Primeiro Ministro de Israel não é político de perder tempo. Já foi várias vezes aos EUA, país que é seu único aliado, lá fica horas e volta para controlar a turbulenta politica israelense, das mais complicadas do mundo, com população muito diversificada, de espectro ideológico de esquerda à extrema direita. Netanyahu é do Partido Likud, conservador, mas precisa de apoio de partidos mais à direita para se equilibrar, está longe de ser uma unanimidade em Israel, é dos politicos mais contestados especialmente pelos israelenses mais cultos e sofisticados intelectualmente, agora enfrenta também serias acusações de corrupção e está com o cargo sob ameaça.

O Brasil deu a esse politico astuto uma ótima carta, um presente no oferecimento de uma improvável aliança ideológica, algo impensável dentro de um conceito elementar de geopolitica.  Países não fazem cortesias, países têm interesses e não se comportam por pura empatia.

Sob o ponto de vista estratégico, a aliança lógica do Brasil é com o mundo arabe, grande comprador de produtos brasileiros no setor de proteína animal, atividade que emprega muitos brasileios tanto na área agrícola como na industrialização. Junto com o Irã, o mundo árabe é o maior mercado para a carne de frango do Brasil, um mercado que levou décadas para conquistar porque depende de métodos de abate ajustados à cultura muçulmana.

A tácita aliança do Brasil com o mundo árabe é antiga, vem da viagem do Imperador Dom Pedro ao Libano em 1870, o que provocou uma grande emigração de sirios-linaneses. A primeira grande diaspora antes da Primeira Guerrra, uma segunda diaspora entre 1920 e 1930 e uma terceira depois dos conflitos provocados pela instalação do Estado de Israel. Por essa grande imigração o Brasil tem hoje a maior colônia árabe do mundo fora do Oriente Médio.

16% da população brasileira tem ascendência árabe, algo como 32 milhões de brasileiros. Em nenhum outro Pais se conheceu a ocorrência de tantos governadores, prefeitos, congressistas de origem árabe. A maior cidade do Pais teve quatro Prefeitos de sobrenome árabe, 11 Estados brasileiros foram governados por descendentes de árabes. Então é uma aliança de interesse econômico, social, populacional e também cultural.

Não há remotamente algo semelhante com Israel, País que compra pouquissimo do Brasil mas quer vender muito. O número de judeus no Brasil é de 130.000, nem remotamente comparável ao da população de ascendência árabe e concentrada em três polos, os árabes estão por todo o Brasil.

A aliança estratégica com o Iraque, estabelecida no Governo Geisel, foi crucial para o Brasil ser abastecido de petróleo enquanto estava em moratória. O Iraque aceitando pagamento em produtos brasileiros. O Brasil desenvolveu sua indústria bélica com encomendas do Iraque e da Arábia Saudita.

No desdobramento diplomátic,o o Brasil segue a linha geral da União Europeia, da China, da Russia e dos paises asiáticos no sentido de respeitar os direitos territoriais do povo palestino. No lado contrário, ignorando esses direitos, só existe um Pais no mundo, os EUA, único aliado de Israel.

Portanto uma aliança diplomática com Israel não tem nenhuma conexão com a lógica da geopolitica brasileira, é algo exótico e onde o Brasil não tem nada a ganhar. Para comprar produtos israelenses basta pagar, não precisa ter aliança, estamos dando de graça vantagens diplomáticas sem contrapartida.

Por essa razão o Premiê de Israel ficou seis dias no Brasil, algo que não é normal na sua apertada agenda. A carta brasileira é valiosa para ele em um momento de baixa e perigo, está tlevando para Israel uma vantajosa aliança DE GRAÇA, não precisou dar nada em troca, o Brasil lhe deu um presente.

André Araújo
No GGN

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.