4 de jan de 2019

4 razões para você temer um governo influenciado por Olavo de Carvalho

O que pensa e como age aquele que se tornou o guru do governo Bolsonaro e por que sua influência é danosa para a democracia.


Olavo de Carvalho já foi membro do Partido Comunista Brasileiro. Olavo de Carvalho já foi astrólogo. Mas Olavo de Carvalho começou a ganhar de fato notoriedade quando se tornou o líder intelectual de uma nova militância de direita no Brasil. Foi colunista do jornal O Globo e da revista Época no final dos anos 1990 e no início dos anos 2000. Foi demitido destes dois periódicos talvez porque o grupo empresarial dos Marinhos considerou que tinha alguma reputação a zelar. Mas o ex-astrólogo já tinha fama suficiente para virar uma celebridade de Internet. Atualmente reside nos Estados Unidos e oferece alguns cursos.

Olavo de Carvalho já foi motivo de piada. A comunidade Olavo de Carvalho nos Odeia, dos tempos do Orkut, era um grande ponto de encontro de humor político nos anos 2000. Esquerdistas em geral, e até mesmo quem não era de esquerda, mas achava ridícula a “filosofia” do ex-astrólogo, participavam de zoações.


Página de entrada da saudosa comunidade “Olavo de Carvalho nos Odeia” no Orkut.

Depois de ter sido alvo de piada por muitos anos, Olavo de Carvalho é agora o mentor intelectual de muitos brasileiros que se “instruem” por meio das redes sociais e do Whats App, além de ter se tornado o guru do presidente eleito do Brasil. Isto é preocupante para o desenvolvimento intelectual do país, até porque o rebanho de Olavo de Carvalho não se contenta em segui-lo, chegando a querer silenciar quem pensa diferente dele por meio iniciativas de ranço autoritário, como o Escola Sem Partido.

Olavo de Carvalho não tem curso superior completo. Ou seja, não teve uma tese avaliada por uma banca de acadêmicos. Aliás, seus artigos nunca foram publicados em revistas acadêmicas. Os escritos de Olavo de Carvalho estão em livros que não dependem de avaliação criteriosa para serem publicados; e, como não podia deixar de ser, nas redes sociais, onde a popularidade depende simplesmente de concordância sobre opinião política.

Ao contrário do que diz Olavo, sua ausência nas universidades brasileiras não está relacionada ao suposto viés esquerdista destas instituições, pois universidades estadunidenses também não demonstraram interesse pelo conhecimento de Olavo de Carvalho. Até aí não há grande problema, uma vez que a humanidade já teve pensadores que não passaram por universidades.

O problema é que Olavo de Carvalho escreve sobre muitos assuntos que ele desconhece. Quem tem a formação intelectual baseada na leitura do ex-astrólogo tem grande probabilidade de passar vexame se encontrar pessoas com maior conhecimento sobre os temas abordados por seu guru.

1 - Economia: Olavo não a compreende

Economia: Olavo não a compreende

A Economia Política já foi tema de colunas do Olavo de Carvalho. Ele não gosta de Marx e Keynes. Até aí é normal. É possível ler Marx e Keynes, discordar e rebater os argumentos. O problema é que Olavo de Carvalho tenta refutá-los sem conhecer suas obras.

Em uma coluna escrita para a revista Época de 16 de dezembro de 2000, Olavo de Carvalho escreveu:

Marx ficou tão deslumbrado quando descobriu um suposto “fetichismo da mercadoria” que não percebeu que as coisas só podem ser quantidades abstratas ou puras mercadorias do ponto de vista de quem vende, jamais de quem compra. Para este, elas são bens concretos, bens de uso e consumo. Um menino não compra uma bola porque é “mercadoria”, mas porque é bola. Uma mulher não compra um vestido porque vale x ou y no mercado, mas porque agrada a seus olhos, aos do marido ou aos da roda de amigas a quem deseja impressionar. (Idolatria do mercado? — Época, 16 de dezembro de 2000)

Olavo de Carvalho refutou Karl Marx? Bom, na primeira página do primeiro livro de O Capital, está escrito:

A mercadoria é, antes de tudo, um objeto externo, uma coisa que, por meio de suas propriedades, satisfaz necessidades humanas de um tipo qualquer. …

A utilidade de uma coisa faz dela um valor-de-uso. Mas esta utilidade não flutua no ar. Condicionada pelas propriedades do corpo da mercadoria, ela não existe sem esse corpo. Por isso, o próprio corpo da mercadoria, como o ferro, o trigo, o diamante, etc., é, um valor de uso ou um bem
. (Capítulo 1, Livro I, O Capital, Karl Marx)

Entenderam? Pela leitura da primeira página do Capital é possível observar que Marx percebeu sim as coisas só podem ser quantidades abstratas ou puras mercadorias do ponto de vista de quem vende, jamais de quem compra. Marx sabe muito bem que um menino compra uma bola porque é bola. Em poucas palavras: Olavo de Carvalho quis refutar Marx sem ter lido a primeira página.

Olavo de Carvalho não está sendo criticado neste texto porque discorda de Karl Marx, e sim porque não o leu. Pensa que refutou Karl Marx, mas demonstrou que não chegou na primeira página do O Capital.

Sobre Keynes, Olavo de Carvalho escreveu uma coluna para a Época de 16 de setembro de 2000. É possível encontrar exemplos de desconhecimento sobre as ideias e a aplicação das ideias de Keynes do começo ao fim do texto.

Cresci ouvindo dizer que Lord Keynes fora o salvador do capitalismo. Precisei de uma vida inteira para descobrir que o desgraçado protegera o círculo de espiões soviéticos em Cambridge, que a aplicação de suas teorias nos Estados Unidos dera a maior zebra e só a guerra conseguira resgatar do naufrágio o New Deal inspirado por ele. (Palmas para Keynes — Época, 16 de setembro de 2000)

Roosvelt não aplicou políticas econômicas keynesianas logo no início do seu governo, e a recaída depressiva de 1937 ocorreu justamente quando as tímidas políticas econômicas keynesianas foram abandonadas. O fato da guerra ter salvo a economia norte-americana é a confirmação de que a teoria keynesiana está correta, pois esta diz que políticas de fomento à demanda podem recuperar a economia e não há maior fomento à demanda do que uma guerra.

A mágica besta da economia keynesiana consistia em fazer do Estado o maior dos capitalistas, colocando-o à frente de grandes projetos industriais. De imediato, tinha um efeito formidável, porque gerava empregos. À objeção de que a longo prazo isso resultaria numa inflação dos diabos, os impostos subiriam até o céu, os operários seriam pagos com papel pintado e teriam de se matar de trabalhar para sustentar uma burocracia cada vez mais voraz, Keynes respondeu com a célebre evasiva: “A longo prazo, estaremos todos mortos. (Palmas para Keynes — Época, 16 de setembro de 2000)

O keynesianismo não consiste em fazer do Estado um capitalista. Sempre reconheceu que produção deve ser feita por empresas privadas. O que o keynesianismo propõe é que o Estado administre a demanda agregada por políticas fiscais e monetárias, para evitar recessão por insuficiência de demanda e inflação por excesso de demanda, e redistribua a renda dos ricos para os pobres com impostos progressivos e programas sociais. E sobre a frase “os operários seriam pagos com papel pintado”, isto nada tem a ver com keynesianismo. Bancos centrais, mesmo com administração nada keynesiana, “pintam dinheiro”. Desde 1971, o dinheiro não tem mais qualquer relação com ouro.

Keynes, de fato, morreu em 1946, mas a maioria dos americanos ainda viveu para carregar o Estado keynesiano nas costas até que Ronald Reagan cortasse os impostos em 1981, iniciando a recuperação econômica de que os EUA se beneficiam até hoje. (Palmas para Keynes — Época, 16 de setembro de 2000)

O corte de impostos de Ronald Reagan, feito junto com aumento de gastos militares, foi uma política regressiva, mas keynesiana. Pois menos impostos e mais gastos militares geram maior demanda agregada. Na era keynesiana progressiva, de 1950 a 1980, os EUA tiveram crescimento do PIB maior do que tiveram a partir de 1980, período que inclui o keynesianismo regressivo de Reagan e Bush Junior e as políticas econômicas mais bem comportadas de Bush Senior e Clinton.

Quem leu Keynes em em seu livro Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda percebe claramente que ele não desejava fazer o Estado o maior dos capitalistas.

Se considerarmos como dado o volume da produção, isto é, se o supusermos determinado por forças alheias à concepção da escola clássica, nada há opor à análise clássica concernente à maneira como o interesse pessoal determinará o que se produz especificamente, em que proporção se associarão os fatores para tal fim e como se distribuirá entre eles o valor da produção obtida. … Assim sendo, fora a necessidade de um controle central para manter o ajuste entre a propensão a consumir e o estímulo para investir, não há mais razão do que antes para socializar a vida econômica. … Quando sobre 10.000.000 de homens desejosos e capazes de trabalhar há 9.000.000 empregados, nada permite afirmar que o trabalho destes 9.000.000 homens seja mal orientado. A queixa contra o sistema presente não consiste em que esses 9.000.000 deveriam ser empregados em tarefas diferentes, senão em que deveria haver trabalho disponível para o restante 1.000.000 homens. (Capítulo 24 da Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda, John Maynard Keynes)

Percebe-se que a única objeção de Keynes ao setor privado era sobre a falta de capacidade de gerar pleno emprego, mas que, fora isso, Keynes confiava no setor privado para decidir como alocar recursos e o que produzir.

2 - Pensamento: O panfleteiro da ideologia conservadora made in USA

Pensamento: O panfleteiro da ideologia conservadora made in USA

Além de não entender de Marx e Keynes, Olavo de Carvalho também não entende de Gramsci, mesmo falando dele frequentemente. Olavo de Carvalho relaciona Gramsci com uma estratégia de comunistas para tomarem o poder sem fazer uma revolução, apenas dominando universidades, a mídia, a indústria cultural e organizando as lutas identitárias e minoritárias, como o movimento negro, feminista, LGBTQ, ambientalista, pacifista e pró-legalização da maconha. Ou seja, Olavo de Carvalho utiliza Gramsci como lixão para colocar nele tudo o que odeia.

Quem leu os artigos de jornal escritos por Gramsci antes da prisão, e também os Cadernos do Cárcere, vai perceber que o marxista italiano defendia sim a revolução. Gramsci observou que o Ocidente era mais complexo do que a Rússia por causa da existência da sociedade civil, que a concepção de “infra-estrutura” e “superestrutura” do marxismo não poderia ser vista de forma tão rígida, mas nem por isso defendeu que bastava dominar a produção de pensamento. Além disso, Gramsci não tinha interesse por pauta gay, nem por maconha.

O que Olavo de Carvalho escreve sobre Gramsci faz parte da teoria da conspiração do “marxismo cultural”, cujo objetivo seria a destruição da “civilização ocidental judaico-cristã”. No verbete sobre a Escola de Frankfurt, a Wikipedia explica o que é a teoria da conspiração do marxismo cultural. (Antes de alguém querer menosprezar a fonte, é necessário lembrar que a Wikipédia possui artigos bem embasados com fontes sérias e referências, o que lhes conferem qualidade e credibilidade, que é o caso do artigo sugerido).

O que pouca gente sabe é que esta teoria da conspiração não é original de Olavo de Carvalho, ele simplesmente difunde o que fundações e movimentos de extrema-direita dos Estados Unidos dizem. Olavo é um panfleteiro do conservadorismo estadunidense.

3 - História: Revisionismo contraditório

História: Revisionismo contraditório

Além de mostrar desconhecimento sobre muitos assuntos, Olavo de Carvalho entra em contradição. Alguns de seus textos são alinhados à ideia de que o nacional-socialismo seria de esquerda, ideia que o embaixador alemão no Brasil disse recentemente que é ridícula. Por outro lado, ele já elogiou o Generalíssimo Franco, aquele que contou com a ajuda do “esquerdista” Adolf Hitler para chegar ao poder:

Moralmente falando, Francisco Franco, Charles de Gaule ou Humberto Castelo Branco, homens de uma idoneidade pessoal exemplar, foram infinitamente superiores a Fidel Castro ou Che Guevara, assassinos em série de seus próprios amigos, isto para não falar de Mao Dzedong, estuprador compulsivo. (Causas sagradas — Diário do Comércio, 17 de janeiro de 2012)

 
A Legião Condor dá um nó na cabeça dos olavetes que consideram Hitler de esquerda, dado que não conseguem explicar como esse “esquerdista” mandou tropas para ajudar Franco, admirado por seu guru Olavo de Carvalho.

Olavo também já mostrou admiração por Salazar, o ditador vizinho de Franco:

Não tenho a menor dúvida de que Antonio de Oliveira Salazar foi um homem honesto e um grande administrador. Mas o salazarismo foi infectado da mesma ambição de controle burocrático total que é característica do movimento revolucionário. (Bruno Garschagen entrevista Olavo de Carvalho — Bruno Garschagen, janeiro de 2008)

Assim como também já elogiou o integralismo:

O integralismo foi um fascismo abrandado e inofensivo, um ultranacionalismo sem racismo, que celebrava a glória de índios, negros e caboclos. Entre os líderes do movimento havia, é verdade, um anti-semita declarado, o excêntrico historiador e cronista Gustavo Barroso, maluco não desprovido de talento, várias vezes presidente da Academia Brasileira. Mas, quando começou para valer a perseguição aos judeus na Alemanha e todos os bem-pensantes do mundo fizeram vistas grossas, foi do chefe supremo do integralismo, Plínio Salgado, que partiu uma das primeiras mensagens de protesto que chegaram à mesa do Führer (e na certa foi direto para o lixo).

Os escritos de Plínio hoje nos parecem melosos e de um hiperbolismo delirante. Politicamente, seu único pecado é a completa tolice. Moralmente, são inatacáveis. Ademais, o integralismo era católico – e sob o nazismo os católicos, convém não esquecer, eram o terceiro grupo na lista dos candidatos ao campo de concentração, depois dos judeus e dos politicamente inconvenientes. (Reale ante os medíocres — Jornal da Tarde, 21 de dezembro de 2000)

Olavo já pegou leve até mesmo com Benito Mussolini:

Na maior parte das nações onde imperou, o fascismo tendeu antes a um autoritarismo brando, que não só limitava o uso da violência aos seus inimigos armados mais perigosos, mas tolerava a coexistência com poderes hostis e concorrentes. Na própria Itália de Mussolini o governo fascista aceitou a concorrência da monarquia e da Igreja – o que já basta, na análise muito pertinente de Hannah Arendt, para excluí-lo da categoria de “totalitarismo”. (Mentira Temível – Diário do Comércio, 08 de agosto de 2008 )

Olavo de Carvalho também já discordou dele mesmo. Em um momento, mostrou preferência pela democracia liberal:

Se nas coisas que escrevo há algo que irrita os comunas até à demência, é o contraste entre o vigor das críticas que faço à sua ideologia e a brandura das propostas que lhe oponho: as da boa e velha democracia liberal. Eles se sentiriam reconfortados se em vez disso eu advogasse um autoritarismo de direita, a monarquia absoluta ou, melhor ainda, um totalitarismo nazifascista. Isso confirmaria a mentira sobre a qual construíram suas vidas: a mentira de que o contrário do socialismo é ditadura, é tirania, é nazifascismo. (A Verdadeira Direita – O Globo, 05 de novembro de 2000)

Em outro momento, mostrou preferência pelo tsarismo:

Vejam, por exemplo, o que aconteceu na Rússia entre a metade do século XIX e a queda da URSS. Por volta de 1860-70 a cultura russa, até então raquítica em comparação com as da Europa ocidental, começava a tomar impulso para lançar-se a grandes realizações. A inspiração que a movia era sobretudo a confiança mística no destino da nação como portadora de uma importante mensagem espiritual a um Velho Mundo debilitado pelo materialismo cientificista. Preservada da corrosão revolucionária por um regime político fortemente teocrático em que as crenças oficiais da côrte e a religiosidade popular se confirmavam e se reforçavam mutuamente, a Rússia contrastava de maneira dramática com as nações ocidentais onde a elite e as massas viviam num divórcio ideológico permanente e que por isso só se modernizavam à custa de reprimir e marginalizar os sentimentos religiosos da população. (Da fantasia deprimente à realidade temível — Diário do Comércio, 11 de setembro de 2006)

Ainda sobre autoritarismo, em uma coluna de Olavo de Carvalho muito repercutida em 2001, havia o seguinte parágrafo:

Quem comete delito mais grave: o sujeito que coloca uma bomba em lugar público, despedaçando transeuntes inocentes, ou aquele que dá uma surra em quem fez isso? A natureza humana, a razão e o instinto respondem resolutamente: o primeiro. Em seu apoio vêm a jurisprudência universal, as leis morais das grandes religiões e até o regulamento da Associação Protetora dos Animais, que não considera tão lesivo ao interesse dessas criaturas dar pancadas em uma delas quanto liquidá-las às dúzias por meio de explosivos. (Tortura e terrorismo – O Globo, 6 de janeiro de 2001)

O que Olavo de Carvalho fez foi comparar na teoria os crimes de tortura e terrorismo para construir o argumento enganoso de que os militantes de extrema-esquerda da luta armada no Brasil no tempo do regime militar eram piores do que os agentes da repressão do regime. Este argumento é enganoso porque assume que os militantes da luta armada explodiam bombas em locais públicos matando inocentes, o que raramente acontecia.

Podemos até concordar que é menos ruim torturar sem matar, do que matar. Mas os agentes da repressão do regime militar não apenas torturavam, não apenas “davam uma surra”. Eles matavam. E não “davam uma surra” e matavam apenas quem participava da luta armada, o que já seria horrível. Davam surra e matavam também pessoas que simplesmente tinham posições políticas diferentes, ou simplesmente civis que nada tinham de esquerda, bem como indígenas.

4  - Ciência: Mentiras e graves desinformações espalhadas por Olavo

Ciência: Mentiras e graves desinformações espalhadas por Olavo Diante da descoberta de hidrocarbonetos na nebulosa Cabeça de Cavalo, Olavo declarou: “Combustível fóssil é o c* da sua mãe”.

Além de ignorância em vários assuntos, Olavo de Carvalho já mostrou desonestidade. Acusou o então candidato Fernando Haddad de defender o incesto, desmentiu depois, mas quando a mentira já tinha se espalhado por Twitter, Facebook e WhatsApp, inclusive por Carlos Bolsonaro (sobre a polêmica, é possível ler aqui ).

Olavo de Carvalho não se limita a demonstrar desconhecimento sobre assuntos de ciências sociais. Em ciências naturais, já foi desmentido por especialistas no assunto. Um caso que teve muita repercussão, foi quando Olavo “denunciou” a Pepsi Cola por estar usando células de fetos abortados como adoçante. Na verdade, o que ocorreu foi apenas uma pesquisa sobre desenvolvimento de adoçantes a partir de uma cultura de células obtida por meio de um feto abortado legalmente na Holanda.

Olavo também já negou a existência de combustíveis fósseis.A descoberta de que a Nebulosa Cabeça de Cavalo, localizada a 1400 anos luz da Terra, tem uma quantidade enorme de hidrocarbonetos foi interpretada por Olavo como a prova cabal de que não existem combustíveis fósseis. Sim, Olavo não sabe a diferença entre hidrocarbonetos, de origem abiogênica, e de combustíveis fósseis, o que demonstra que ele sequer sabe o básico de Química.

Olavo de Carvalho manifesta grande desconhecimento sobre ciências ao considerar que a possibilidade de existir hidrocarboneto que não tenha sido gerado por decomposição de seres vivos é uma prova de que o petróleo na Terra não foi gerado por decomposição.

Contudo, Olavo não se satisfaz espalhando desinformação sobre tudo o que palpita, ele também desinforma sobre vacinas e ainda incentiva a não vacinação, colocando em risco a saúde pública:

Alguns de meus oito filhos tomaram vacinas, outros não. Todos foram abençoados com saúde, força e vigor extraordinários, e nenhum deles deve isso aos méritos da ciência estatal, mas a Deus e a ninguém mais.(Banditismo e revolução — Diário do Comércio, 17 de julho de 2006)

Na verdade, não foi Deus que fez os filhos do Olavo que não tomaram vacinas serem saudáveis, e sim o fato de até aquele tempo, os demais pais e mães não terem ideias psicopatas iguais às do Olavo, sendo sensatos para vacinaram seus filhos, contribuindo para erradicar doenças perigosas e ajudando a criar um escudo imunológico do qual os filhos do Olavo se beneficiaram. O crescimento recente do movimento anti-vacina é um sério perigo para a saúde pública, pois pode contribuir para a volta de epidemias de doenças já erradicadas.

Considerações finais


Quer dizer que Olavo de Carvalho é burro? Não parece que alguém que consegue ganhar dinheiro oferecendo cursos e ser o guru intelectual de um presidente seja burro. Então Olavo de Carvalho é inculto? Não necessariamente. Olavo de Carvalho pode até entender de muitos assuntos, isto não vem ao caso, mas é fato que ele escreve sobre tantos assuntos que inclui até assuntos dos quais ele não entende. E por isso, quem “conhece” tais assuntos a partir da leitura dos textos de Olavo de Carvalho terá uma visão equivocada deles.

E o que dizer do rebanho do Olavo de Carvalho? Considerando tudo o que abordado aqui, não é possível ter grande estima por quem tem o ex-astrólogo como mentor intelectual. Além disso, o grau de adoração ao mestre é tão grande que qualquer texto ou opinião que o contrarie recebe uma chuva de comentários repletos de xingamentos, o que muito provavelmente ocorrerá com este texto.

Mas é preciso reconhecer que a atitude de postar comentários com insultos a quem questiona Olavo de Carvalho não é uma atitude completamente irracional. Tem um poder de intimidação. Insultos podem fazer com que as pessoas, mesmo não sendo de esquerda, mas que discordam do ex-astrólogo em áreas como ciências, evitem criticá-lo publicamente. Aí, quem faz críticas públicas ao Olavo de Carvalho acaba sendo somente pessoas mais à esquerda.

E por falar em olavetes defendendo seu mestre, é importante lembrar que neste texto, houve o cuidado de colocar os links para todas as colunas do Olavo de Carvalho que foram criticadas aqui. Assim, evita-se a tradicional desculpa do “você tirou as frases do contexto”.

Um país que tem Olavo de Carvalho como guru do presidente eleito com 57 milhões de votos corre o risco de pender cada vez mais para a burrice, para a ignorância, para o obscurantismo e para o autoritarismo. Trata-se de um ideólogo que desconhece alguns assuntos sobre os quais escreve, dando a entender que seu rebanho também desconhece esses assuntos, caso contrário seria mais crítico em relação ao seu “pastor”.

Além disso, Olavo de Carvalho já fingiu ser defensor da democracia liberal para tentar ganhar simpatia na pregação contra o socialismo, enquanto mostrava simpatia pelo autoritarismo de direita. Para piorar, Ernesto Araújo, o novo ministro das relações exteriores, é um repetidor da “filosofia” de Olavo de Carvalho. Vai falar em nome do Brasil no exterior e vamos passar vergonha.

Precisamos mostrar ao mundo que existem brasileiros que acham uma bobagem essa história de “globalismo marxista cultural” e que têm consciência sobre a gravidade das mudanças climáticas. Urge mostrarmos ao mundo que, apesar do presidente eleito e de seu guru, não somos uma nação de imbecis.

Marcelo Fantaccini
No Voyager

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.