8 de dez de 2018

O Caixa Eletrônico do Bolsonaro


Além de Posto Ipiranga, Bolsonaro tem seu Caixa Eletrônico privativo, uma espécie de saque fácil.

Bolsonaro já tinha apresentado ao país seu Posto Ipiranga, o ultraliberal Paulo Guedes, que promete liquidar o patrimônio público e as riquezas brasileiras; escancarar as portas do Brasil para empresas estrangeiras, em prejuízo da produção nacional; abandonar o mercado estratégico do MERCOSUL; restaurar o trabalho escravo e desregulamentado; privatizar a educação e monetizar o SUS; destruir a previdência social a la Chile – exemplo de reforma do sistema de aposentadorias e pensões que legou ao país andino a macabra condição de país com o mais assombroso índice de suicídios de idosos do mundo.

No último dia 6/12 o país foi apresentado ao Caixa Eletrônico do Bolsonaro. Ele atende pelo nome de Fabrício José Carlos de Queiroz, e é achegado ao clã bolsonarista há décadas.

Queiroz desempenha um combo de funções: de motorista e segurança do deputado Flavio Bolsonaro à fornecedor de abundante mão-de-obra familiar para empregar nos gabinetes parlamentares do clã, à parceiro do chefe e dos demais membros do clã em pescarias, festas e churrascadas.

No intervalo de 1 ano, o saque fácil do Caixa Eletrônico do Bolsonaro realizou 176 movimentações financeiras – a impressionante média de 2 operações a cada 3 dias úteis – girando a cifra de R$ 1,2 milhão, o que inclui depósito de R$ 24 mil na conta de Michelle Bolsonaro, a esposa.

O COAF considera atípicas tais movimentações – pois frenéticas e incompatíveis com os ganhos e o patrimônio do amigo de longa data e assessor da família Bolsonaro.

O escândalo dissolveu por completo o falso verniz moralista vendido durante a campanha eleitoral. Em lugar de esclarecimentos sobre o escândalo, os membros do clã e seus principais líderes políticos [Onyx e Moro] agem como quem não consegue explicar o inexplicável.

Os “twitteros” hiperativos Eduardo e Carlos, este último chamado pelo Bolsonaro-pai como seu “pitbull” protetor, curiosamente não publicaram nenhum tweet em defesa da família, o que é uma intrigante raridade. O único dos “garotos” a escrever algo foi Flavio, e o fez para transmitir a “confiança” em Queiroz.

O sempre loquaz Moro, que terá sob seu comando direto o COAF, órgão que constatou a movimentação atípica do Caixa Eletrônica do Bolsonaro, silenciou e saiu de fininho de encontro com jornalistas, com sorriso amarelo no rosto e dando um “tchauzinho” para as câmeras de TV. Sem nada dizer a respeito.



Já Onyx Lorenzoni, quem também enfrenta problemas policiais por ter escondido dinheiro de caixa 2, entendeu preferível dizer que “já me resolvi com Deus, o que é importante para mim” para desincumbir-se da obrigação de agir mundanamente e esclarecer aos comuns mortais o problema do Caixa Eletrônico do Bolsonaro. A irritação e agressividade do chefe da Casa Civil com os jornalistas é sintoma de que algo grave acontece naquelas hostes.

Os procuradores moralistas e pastores fanáticos da PGR que se notabilizam pela inventividade na fabricação de power point, parecem viver em outro planeta, tamanha é a indiferença com que agem em relação a este escândalo que atinge o governo que militaram para eleger.

Enquanto isso, os militares seguem o assunto quietos e com prudente distância. Observam os acontecimentos, os rolos e as atrapalhações do clã Bolsonaro. Por enquanto, jogam parados.

Jeferson Miola

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.