6 de dez de 2018

Caso Palocci: a mídia e a armadilha do jornalismo venal


Ainda não chegou o dia em que os jornais brasileiros voltarão a fazer jornalismo. Na área policial e na primeira página, continuam, todos, meros joguetes de procuradores, delegados e juízes, enquanto nos artigos de fundos aumentam as preocupações com o estado policial, que eles mesmos ajudam a alimentar.

É um jogo desmoralizador para o jornalismo.

Uma das pernas é retomar as denúncias de Marcelo Odebrecht visando torpedear a candidatura de Renan Calheiros à presidência do Senado. Em uma democracia, é fundamental o equilíbrio entre os poderes. E a candidatura de Renan é a única capaz de dar alguma dimensão política ao Senado, para fazer o contraponto democrático ao Executivo. Saca-se uma delação velha, requenta-se e apresenta-se como nova.

Mas o destaque é esse vergonhoso episódio da delação do Palocci.

Palocci pega um tema de conhecimento geral: o patrocínio de um lobista ao campeonato de rúgbi do filho de Lula. A Zelotes tentou de todos os modos ligar o caso a algum benefício. Chegou a invocar à licitação FX, dos jatos – tocada inteiramente pela Aeronáutica. Depois, às medidas de prorrogação de incentivos para a indústria automobilística fora do eixo Rio-São Paulo – medida dos tempos de FHC e cuja prorrogação foi subscrita por todas as lideranças políticas.

Agora, vem Palocci, reconta a mesmíssima história, que é de conhecimento público, e acrescenta o ingrediente de que Lula falou com ele sobre a propina.

Não há uma figura pública ou privada que diga que conversou em algum momento sobre dinheiro com Lula. Nem se discuta se ele é honesto ou não é. O fato é que nenhuma testemunha idônea afirmou ter discutido sobre dinheiro com Lula.

Aí aparece um sujeito que quer liberdade para gozar parte do dinheiro que ganhou, e oferece meramente seu testemunho sobre fatos de domínio público. Nem uma prova, uma gravação, um documento. E vira manchete principal nos principais veículos online, enquanto o relatório da COAF sobre o motorista do filho de Bolsonaro fica perdido no meio da edição.

Luís Nassif
No GGN

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.