11 de dez de 2018

A ‘história plausível’ de Fabrício desmorona antes de ser contada


Na Folha e em O Globo, hoje, surgem os fatos que tornam cada vez menos plausível qualquer história que o amigo e assessor de Jair Bolsonaro venha a contar sobre suas movimentações financeiras de R$ 1,2 milhão.

Fabrício Queiroz, mostra O Globo, com um salário de R$ 23 mil e repasses da mulher e das filhas que elevariam a renda mensal da família a R$ 50 mil, mora numa casa mambembe, “simples e sem pintura externa, em um beco no bairro da Taquara, na Zona Oeste do Rio”, conta o Globo.

Na viela onde Queiroz mora com a mulher, Márcia Aguiar, os imóveis são colados uns aos outros. No beco há varais improvisados do lado de fora das casas, fios emaranhados e canos aparentes. Na casa de Queiroz, um adesivo rasgado com as fotos do presidente eleito Jair Bolsonaro e de seu filho Carlos, vereador no Rio, está colado na fachada. No segundo andar, que tem a laje sem revestimento, tapetes secavam no parapeito ainda sem janela.

Sem contar o dinheiro das filhas, com os mais de R$ 30 mil que o casal Queiroz recebia seria perfeitamente possível  alugar, ali mesmo na Taquara, um bom imóvel de três quartos e três banheiros por R$ 1.530, ou apenas 5% da renda familiar. Ou, já que receberam esta dinheirama por anos a fio, comprar um: há apartamentos de três quartos, com suíte, em condomínio com piscina e vaga na garagem a partir de R$ 429 mil. Para um casal que ganha R$ 30 mil.

Mas, desafortunadamente, as posses do casal não davam, apesar das movimentações de R$ 1,2 milhão em um ano, sequer para comprar uma esquadria de alumínio para o segundo andar  inacabado e nem mesmo para um galão de massa corrida e um de tinta para arrumar a fachada, sonho modesto de toda pessoa humilde.

Bem, o senhor Fabrício e a Dona Márcia, entretanto, são livres para desejarem, mesmo com altos salários, morarem  numa casa deteriorada. Só não peçam que isso seja considerado ‘plausível’ pelas pessoas que, com muito menos dinheiro, se apertam e se esforçam para arrumar suas casinhas.

Mas na Folha, o barraco é mais complicado.

É que Fabrício sacava em dinheiro – “vapt-vupt”, no mesmo dia ou no dia seguinte – grande parte do que era depositado em sua conta. Saía do banco – o valor é muito acima do que caixas eletrônicos permitem – com uma bela bufunfa, coisa de R$ 10 mil em um único dia, vivinha  e pronta para ser entregue a “quem de direito”, tá ok?

Fabrício, companheiro de quartel e de pescarias de Jair Bolsonaro é, está evidente, o peixe pequeno desta história e só está entocado há seis dias porque não tem como contar a tal “história plausível”.

A situação, apesar da discrição da mídia – o Globo nem chamada de capa dá ao belo trabalho de Juliana Castro e Igor Mello levantando o “cafofo” dos Queiroz – está insustentável.

Fabrício vai aparecer e, a esta altura, deveria estar até sob proteção policial.

Nunca se sabe, não é? O Rio é uma cidade tão violenta…

Fernando Brito
No Tijolaço

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.