12 de dez de 2018

2018, o ano que não terminou


O ano, que de certa forma foi inaugurado com o assassinato de Marielle Franco e Anderson Silva, vai terminando com a execução de Orlando Bernardo e Rodrigo Celestino.

A diplomação de Bolsonaro como presidente no dia da Declaração Universal dos Direitos Humanos foi a ironia que faltava para marcar o quanto estamos andando para trás neste triste Brasil.

Em julho, os 23 manifestantes de 2013 foram condenados a penas que chegam a sete anos de prisão. Recorrem em liberdade, mas quem acredita numa "justiça" que até agora não se inibiu em decidir com base em evidências pífias e obtidas de forma ilegal?

Rafael Braga permanece em prisão domiciliar - passou a cumprir a pena em casa, convém lembrar, para tratar da tuberculose que contraiu na cadeia. As abundantes provas de sua inocência e do abuso policial na sua prisão não foram suficientes para a "justiça".

Em Curitiba, continua preso o ex-presidente Lula. Em todo o mundo, há indignação com o processo absolutamente corrompido que o condenou mesmo na ausência da menor prova - do imoral juiz de primeira instância ao Supremo que rasgou a Constituição, em praça pública, para permitir seu encarceramento. Lula é um líder popular impedido de falar, é o símbolo da criminalização em curso de todo um lado do espectro político - e é também um homem de 73 anos que está há mais de oito meses preso injustamente.

Não consigo ver, para o campo democrático no Brasil, prioridade maior do que a luta pela liberdade de Lula e de Rafael Braga, pelo encerramento do processo contra os 23, pela identificação e punição dos assassinos e mandantes dos assassinatos de Orlando e Rodrigo e de Marielle e Anderson.

É preciso dar um basta à perseguição política. É preciso garantir que os movimentos sociais, os ativismos políticos e as organizações de esquerda possam se manifestar e disputar a esfera pública, sem ter a morte ou a prisão como horizontes.

Luis Felipe Miguel - Doutor em Ciências Sociais pela Unicamp, Professor do Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília, onde coordena o Grupo de Pesquisa sobre Democracia e Desigualdades. Pesquisador do CNPq. Autor de diversos livros, entre eles Democracia e representação: territórios em disputa (Editora Unesp, 2014), Feminismo e política: uma introdução (com Flávia Biroli; Boitempo, 2014).
No GGN

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.