6 de nov de 2018

Professor italiano renega comparação que Moro fez entre ele e o juiz Giovanne Falcone

O juiz italiano Giovanni Falcone
O professor italiano Francesco Guerra desossou no site Next a analogia que Moro fez entre ele e o juiz italiano Giovanni Falcone.

Moro enviou mensagem à Ajufe (Associação dos Juízes Federais do Brasil) sobre sua decisão de integrar o ministério de Jair Bolsonaro.

“Lembrei-me do juiz Falcone, muito melhor do que eu, que depois dos sucessos em romper a impunidade da Cosa Nostra, decidiu trocar Palermo por Roma, deixou a toga e assumiu o cargo de Diretor de Assuntos Penais no Ministério da Justiça, onde fez grande diferença mesmo em pouco tempo”, escreveu.

Falcone morreu assassinado em 1992 por Giovanni Brusca, a mando do mafioso Salvatore Riina.

Guerra criticou “o suposto legado de Giovanni Falcone” reclamado por Sergio Moro.

Alguns trechos*:

A notícia é daquelas de tremer na base. Ontem, durante uma de minhas muitas andanças pela internet, acabei lendo uma epístola aos colegas e magistrados brasileiros do novo Superministro da Justiça Sergio Fernando Moro, o juiz-herói da Lava Jato. (…)

Com base no que Moro se compara a Giovanni Falcone é, realmente, um mistério. Entre as hipóteses: a) ter sido mal aconselhado por alguém que conhece a história recente da Itália como eu a história de Uganda, b) foi traído por uma tradução equivocada do Google Translator, c) seu ego desmesurado.

Infelizmente para Moro, no entanto, a comparação faz a água por todos os lados. É certamente verdade que Falcone perseguiu com sucesso a Cosa Nostra, uma vez que ele, juntamente com outros componentes do pool anti-máfia de Palermo, instruiu o julgamento da maior máfia maior da história. (…)

Mas Falcone atraiu mais inveja, calúnias e venenos de todos os tipos do que os reconhecimentos ou celebrações públicos de Moro. (…)

Abandonar o Judiciário não foi, portanto, uma manobra para irromper na política (…), mas uma escolha extremamente dolorosa (…)

Um magistrado não deve ser apenas honesto, mas também parecer honesto. Houve até quem acusou Falcone, de maneira totalmente infundada, de defender os políticos, mantendo os documentos sobre os chamados crimes políticos de Palermo encerrados em gavetas. (…)

Sergio Moro e sua gestão da Lava Jato, o chamado kit Lava Jato, para usar uma expressão do advogado Rodrigo Tacla Durán, investigação essencialmente política iniciada sistema judicial em 2014 pelo juiz de Curitiba ficam a uma distância abismal do magistrado italiano.

Em suma, o super-ministro Moro, bem como seus numerosos vassalos, devem ter a graça de deixar em paz Giovanni Falcone, olhando possivelmente outros modelos de inspiração. Não é tão difícil quanto parece, basta mover o olhar um pouco mais para o norte, de Palermo a Milão ou, talvez, na direção de Montenero di Bisaccia.

Kiko Nogueira
Tradução de Miguel Enriquez
No DCM

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.