7 de nov de 2018

Os Chicago Boys e as raízes do ultraliberalismo na América do Sul - assista

Um documentário extraordinário mostra as fontes do 'pensamento' de Paulo Guedes

Os Chicago Boys implantaram o ultraliberalismo no Chile durante a ditadura

Não basta o presidente eleito ser admirador de Augusto Pinochet. O futuro superministro Paulo Guedes é intimamente familiarizado com os discípulos de Milton Friedman no Chile, os chamados Chicago Boys, que implantaram o ultraliberalismo naquele país durante a ditadura. Três anos atrás, os Chicago Boys foram objeto de um documentário de primeira grandeza, disponível no YouTube, falado e legendado em espanhol (veja link no final do artigo).

Filmar o inimigo e fazê-lo expor suas razões é sempre o mais desafiante para os documentaristas. O casal Carola Fuentes (chilena) e Rafael Valdeavellano (guatemalteco) dá uma aula magna sobre isso em Chicago Boys. Era 2011 e o Chile assistia a uma onda de protestos contra o neoliberalismo ainda imperante na economia do país. Foi quando eles tiveram a brilhante ideia de procurar os mentores daquele modelo econômico, instalado durante a ditadura de Pinochet, para ouvir um balanço de seus feitos e como viam as manifestações de descontentamento da população.

A história é contada desde o início, na década de 1960, quando um grupo de alunos promissores da Universidade Católica de Santiago foram levados para fazer pós-graduação em Chicago, numa das muitas ações do governo americano para afastar o "perigo comunista" da América Latina. O professor americano Arnold Harberger era o arregimentador, e o monetarista Milton Friedman, o grande guru. De volta ao Chile, aguardaram a queda de Allende ("aquele era um país de merda") para oferecer a Pinochet a receita de salvação ultraliberal. Dois deles, pelo menos, chegaram ao cargo de Ministro da Fazenda.

São eles próprios que narram os fatos, deixando transparecer a retórica do cinismo ("essa história de desigualdade é pura inveja dos que têm menos em relação aos que têm mais"; "o que é de todos não é de ninguém") e sem esconder a cumplicidade com os horrores do regime militar ("cuidávamos só da economia, não sabíamos do resto"). Franquearam aos diretores não apenas seus pontos de vista da liberdade de mercado a qualquer preço, como também arquivos privados dos tempos de Chicago e a filmagem de uma reunião da "máfia" (como eles gostam de se chamar) para avaliar seu próprio trabalho junto aos militares de "Pinocchio".

Carola e Rafael não se limitam a ouvi-los e interrogá-los vivamente, mas também reúnem um material primoroso do período e o tratam com notável inteligência. Exemplo disso é uma sequência que alterna a reunião de autoavaliação dos antigos Boys com um discurso de Pinochet, deixando clara a instrumentalização recíproca de parte a parte; ou a demonstração fotográfica de como os sucessivos ministros da economia chilena, mesmo depois da redemocratização, continuaram a cortejar Harberger e, por extensão, o modelo de estado mínimo e lucro máximo. Daí as passeatas que vigoravam ainda em 2015 no país. A conclusão, unânime entre eles, de que só um governo autoritário poderia ter implantado aquele modelo econômico, resta, portanto, comprometida, já que a democracia política não trouxe a democracia econômica.

Dois remanescentes do grupo inicial, Ricardo Ffrench-Davis e Carlos Massad, emitem vozes dissonantes, já que se tornaram críticos do "extremismo neoliberal" dos antigos colegas. Suas intervenções, porém, são bem esporádicas, uma vez que o discurso dos Boys de direita já contém a sua própria desconstrução.

Os trechos do filme que contam a preparação do golpe contra Allende mostram uma semelhança inquietante com tudo o que aconteceu há pouco no Brasil: um grande jornal, El Mercurio, financeiramente municiado pela CIA, fomentando a insatisfação da população; os grupos da direita civil tramando nos bastidores; a classe média fazendo panelaços nas ruas. Daí a importância que Chicago Boys assume não só em relação ao Chile, mas como peça de interesse histórico para toda a América Latina. Tudo isso na forma de um filme admirável e assustador.



Carlos Alberto Mattos
No Opera Mundi

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.