30 de nov de 2018

O confronto sino-americano é uma competição entre grandes potências, e não “Guerra Fria II”


No mais substancial discurso de política externa do governo Trump até o momento, feito no Instituto Hudson em 4 de outubro, o vice-presidente Mike Pence acusou a China de um ataque “total do governo” aos interesses americanos e prometeu aos Estados Unidos responder com contra medidas robustas.

Pence fez três acusações. Primeiro, “Pequim está… usando ferramentas políticas, econômicas e militares, bem como propaganda, para promover sua influência e favorecer seus interesses” nos Estados Unidos, incluindo esforços para influenciar e interferir na política interna americana.

Em segundo lugar, embora grande parte do crescimento da economia chinesa tenha sido sustentado por investimentos e mercados americanos, a China usou “um arsenal de políticas… incluindo tarifas, cotas, manipulação de moeda, transferência forçada de tecnologia, roubo de propriedade intelectual e subsídios industriais” para construir sua base de fabricação à custa dos Estados Unidos.

Terceiro, determinado a empurrar os Estados Unidos para fora do Pacífico Ocidental e impedi-lo de ajudar os aliados, “Pequim priorizou as capacidades de corroer as vantagens militares americanas em terra, no mar, no ar e no espaço”. América “não se deixará intimidar ” e prevalecerá contra a má conduta chinesa, concluiu Pence.

Acontecendo no auge da guerra comercial ainda em construção, a declaração sombria de Pence tem sido amplamente interpretada como anunciando o lançamento da “Guerra Fria II”. Essa conceituação é profundamente falha em cinco dimensões críticas que definiram a Guerra Fria. Foi uma rivalidade transcendental na qual os Estados Unidos e a União Soviética estavam engajados em uma luta fria pela morte da ideologia política, do modelo econômico e das aspirações globais de poder. A atual rivalidade China-EUA é uma competição antiquada entre grandes potências.

Primeiro, apesar da crise generalizada da democracia liberal, não há concorrência séria da China com o comunismo como um princípio organizador alternativo de um sistema político. O comunismo está desacreditado como ideologia política e como princípio organizador da economia.

Depois de 1945, muitas pessoas na Europa e em nações em desenvolvimento flertaram com o comunismo para seus próprios países. Os partidos comunistas locais eram importantes ativos políticos para Moscou. Não há nada comparável hoje em relação à China. Os institutos Confúcios de hoje não são o equivalente chinês dos partidos comunistas de plantações de filiais de ontem, que frequentemente funcionavam como agentes da influência soviética. As mentiras sobre as quais a União Soviética havia sido construída e os horrores de sua ideologia totalitária revelaram-se de maneira muito dura com o colapso do império soviético.

Por outro lado, a multidão do Trump está totalmente desinteressada em exportar democracia e promover os direitos humanos no mundo todo. Ele lidera um governo puramente transacional, que quer tornar a América novamente uma potência fabril e industrial, repatriar a indústria e os empregos, mas deixar os outros à mercê de próprias próprias escolhas e destinos, desde que não atrapalhem os interesses americanos, e não os valores. Sua capacidade de conviver melhor com autocratas do que com colegas democratas não é por acaso.

Em segundo lugar, o modelo de comando da economia está igualmente desacreditado. O desencantamento com o neoliberalismo que privilegia os mercados e as grandes finanças em detrimento das pessoas e do interesse público aumentou, produzindo um círculo cada vez menor de vencedores e um número crescente de desprivilegiados. Mas não há mais nenhum defensor do planejamento estatal rígido ao estilo soviético, com o governo alocando recursos, estabelecendo metas de produção, fixando o preço de insumos e bens e controlando oferta e demanda.

Pequim não demonstra interesse em exportar seu modelo econômico. A abordagem da China, com sua trajetória histórica única, seria impossível para os outros replicarem em tamanho, no papel de um Estado-partido e de condições únicas de expansão dos mercados mundiais e crescimento global nas três décadas desde o início dos anos 80.

Terceiro, a União Soviética era uma superpotência militar global que projetava seu poder para todos os continentes (Vietnã na Ásia, Angola na África, Cuba na América Latina eram exemplos proeminentes), mas carecia de outros atributos de grande poder. A espinha dorsal da Guerra Fria como um confronto militar passava pelo meio da Europa. A China é uma potência regional e continental formidável, mas distante de uma potência militar global. Não confronta os Estados Unidos militarmente fora da Ásia-Pacífico. Na Ásia, não existe uma linha divisória entre as forças lideradas pelos Estados Unidos e as chinesas, dispostas entre si em lados opostos.

Ao contrário da União Soviética, no entanto, a China é uma potência nacional abrangente. Isso reduzirá drasticamente as chances de sucesso de qualquer política de contenção americana.

Quarto, os Estados Unidos e a União Soviética eram líderes de blocos rivais. A OTAN e o Pacto de Varsóvia eram alianças militares rivais, e a Comunidade Europeia e a Comecon competiam em agrupamentos econômicos. Os aliados tiveram interações mínimas com o bloco soviético e, em vez disso, trabalharam com Washington contra a ameaça comum soviética. A colocação de mísseis da OTAN na Europa nos anos 80, em meio a protestos irados de um poderoso movimento de paz que levou diretamente ao Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF) em dezembro de 1987, foi um excelente exemplo.

Como observa o ex-ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Sigmar Gabriel, hoje “dividir e enfraquecer a Europa é o objetivo estratégico dos radicais ideológicos dentro e ao redor da Casa Branca”. Um resultado é a decisão unilateral de Washington de revogar o Tratado INF. Em resposta, o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, instou Washington a considerar as consequências disso para a Europa e para o futuro do desarmamento nuclear.

Outros países têm um conjunto muito mais complexo de relações baseadas em interesses com a China do que com a União Soviética. Sobre a mudança climática, a maioria se aliou à China contra os Estados Unidos. Com relação ao acordo nuclear com o Irã, a retirada unilateral dos Estados Unidos e a ameaça de sanções secundárias levaram a esforços coletivos da China, Rússia e europeus para contornar as sanções dos americanas. Enquanto durante a Guerra Fria, as linhas comerciais passavam pelos Estados Unidos, com volumes de negociação muito baixos com o bloco soviético, hoje o dobro de países tem a China como seu maior parceiro comercial do que os EUA.

Quinto, as respectivas equações nucleares bilaterais não são comparáveis. Ao contrário da equivalência nuclear aproximada entre Moscou e Washington, a China possui apenas 280 bombas nucleares, em comparação com 6.450 no arsenal dos Estados Unidos (e 7.000 na Rússia). Pequim não deu indicações de uma corrida à paridade nuclear. Ironicamente, os Estados Unidos podem ter sido motivados a abandonar o Tratado INF tanto para conter ameaças não nucleares da China quanto para responder a supostas violações russas.

Nada disso é para julgar a precisão do diagnóstico dos Estados Unidos sobre as lutas comerciais, a concorrência estratégica e aprofundar a desconfiança com a China. As ações de Trump confirmam uma grande reviravolta na política dos Estados Unidos, do envolvimento estratégico ao confronto combativo, com muitos danos colaterais dos esforços americanos para conter a ascensão da China, continuar a escrever e a policiar regras globais e a dominar a ordem mundial. Meu argumento é apenas de que a metáfora da Guerra Fria é estruturalmente falha e carrega o perigo operacional de aumentar as tensões e provocar uma guerra muito quente.

Ramesh Thakur, ex-secretário-geral adjunto da ONU, é professor emérito da Crawford School of Public Policy, da Australia National University. Seu livro mais recente é “As Nações Unidas, Paz e Segurança: da Segurança Coletiva à Responsabilidade de Proteger” (Cambridge University Press).

Tradução por Solange Reis


No GGN

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.