17 de nov de 2018

Moro, com sua obsessão por Lula, flerta com a leviandade

Moro, assim como já havia feito na entrevista à Globo, recebeu IstoÉ no gabinete da Justiça Federal, apesar de estar em férias
O dicionário define leviandade como o caráter de quem julga irrefletidamente, sem seriedade. Foi o que fez Sergio Moro, na entrevista à revista IstoÉ desta semana.

“As provas indicam que Lula é o mentor desse esquema criminoso que vitimou a Petrobras. E não se trata só de um triplex. Nós falamos de um rombo de R$ 6 bilhões. O triplex é a ponta do iceberg”, disse, na entrevista conduzida pelo jornalista Germano Oliveira, que assina a fake news publicada em O Globo em dezembro de 2014, que incrementou a investigação que resultou na condenação de Lula.

A reportagem de O Globo é uma cascata de informações comprovadamente falsas, como a de que Lula teria visitado o apartamento três vezes e que o imóvel já estaria pronto para que a família passasse ali o Reveillon daquele ano, e pudesse “ver a queima de fogos, que acontece na orla bem defronte do seu prédio”.

Alguns dias depois, o jornalista voltou a carga, com novas mentiras, como a de que Marisa Letícia havia pegado as chaves do triplex seis meses antes. No processo sobre o triplex, conduzido por Moro, não há depoimento que confirme essa informação nem que Lula tenha visitado o apartamento três vezes.

O fato descrito é que ele esteve ali apenas uma vez, e não aceitou comprar o imóvel. Marisa Letícia esteve uma segunda vez, depois que houve uma reforma conduzida pela OAS, e também não formalizou a aquisição do bem.

Pelo depoimento dos funcionários graduados da OAS, a família de Lula era tratada como potencial compradora — não como proprietária — e a reforma não foi luxuosa, ao contrário do que escreveu Germano. A reforma, com material que não era de primeira, foi feita para tornar o bem mais atrativo.

Um bancário aposentado, Manuel Meneses, de Salvador, incomodado com a notícias na velha imprensa de que o triplex era quase um Taj Mahal, quis conferir.

Na época do leilão ordenado por Moro, inscreveu-se como interessado e o visitou. Tirou fotos para mostrar que o triplex não era nada daquilo que jornalistas como Germano Oliveira apresentavam ao público.

“Eu tive tempo para olhar à vontade e vi que não era nada daquilo que a imprensa escrevia, sem mostrar, apenas dizia o que os procuradores falavam. Uma farsa”, afirmou, em reportagem publicada no DCM.

Para provar o que dizia, fez fotos. O que se vê é um apartamento bem simples

Fora do universo das fake news, o que existia no caso do triplex era a propriedade em nome da OAS, sem que a família de Lula tenha passado uma única noite ali ou levado para o imóvel um bem sequer.

A OAS manteve, inclusive, a propriedade como bem em garantia em duas operações financeiras, uma de recuperação judicial e outra como garantia de empréstimo bancário.

Lula teria que ser o chefe de organização criminosa mais imbecil da história se aceitasse como propina um apartamento de que nem sequer poderia dispor plenamente.

A falta de seriedade presente na declaração de Sergio Moro ao autor da fake news consiste no fato de que Lula foi  alvo de uma intensa investigação conduzida pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal, sem que tenha sido encontrado nada mais consistente além de informações inverídicas publicadas no jornal, que é, inclusive, citado na sentença de Moro.

Se o caso do triplex, usado para a condenação de Lula que o tirou da disputa eleitoral deste ano, é a ponta do iceberg, a investigação conduzida pela Lava Jato deveria ter apontado pelo menos alguns fatos mais contundentes. E não faltou oportunidade para descobri-los.

Lula não teve apenas o sigilo dele quebrado, mas o de seus parentes e até advogados — o que é absurdo e absolutamente ilegal.

Se Lula fosse o grande corrupto que Moro apresenta à IstoÉ, algo comprometedor teria sido revelado. No que diz respeito à escuta telefônica, divulgado em rede nacional, não há nenhuma fala que revele, efetivamente, indício de conduta criminosa.

Na operação de busca e apreensão feita no apartamento de Lula e no sítio de Atibaia, que Lula frequentava, colchão foi revirado, aparelho de TV desmontado, a coifa da cozinha desmontada, e não se achou um número de conta no exterior ou um maço de dinheiro, como se descobre facilmente quando um corrupto de verdade é investigado.

Com Geddel Vieira Lima, foram malas de dinheiro. Em uma ação controlada da Procuradoria da República, foi registrada em vídeo a imagem de malas de dinheiro ligadas direta ou indiretamente a Aécio Neves e Michel Temer.

Com Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara dos Deputados, foram encontrados conta na Suíça e registros detalhados de gastos para a manutenção do padrão luxuoso de vida dele e dos parentes.

E com Lula ou seus parentes? Nada, só fake news.

No entanto, ainda magistrado, Sergio Moro se sentiu à vontade para falar que o triplex — que, efetivamente, não era de Lula —  é só a ponta do iceberg.

Se, depois de quatro anos, Moro não conseguiu nada além disso, é correto imaginar que não existe iceberg, e que Moro se agarrou ao que encontrou pela frente para poder produzir a condenação de Lula.

Quem tiver dúvida sobre a inconsistência da condenação do ex-presidente no caso do triplex deve ler “Comentários a uma sentença anunciada”, livro organizado pela professora Carol Proner.

Na obra,122 juristas, a maioria sem nenhuma ligação com o PT, condenam a sentença de Sergio Moro.

* * *

Germano Oliveira é o jornalista que, após a condenação de Lula em segunda instância, postou foto na rede social com colegas com um auto-elogio, como se fosse uma versão tropical de Bob Woodward (do Watergate). A foto causou constrangimento aos colegas, que pediram que ele apagasse a postagem.

Germano, que parece se achar “Bob Woodward” , é o de bigode.

Joaquim de Carvalho
No DCM

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.