21 de nov de 2018

Brasília, embaixada da “República de Curitiba”

Sérgio Moro coloca a delegada Érika Marena na equipe de transição e convida o superintendente do Paraná para a chefia da Polícia Federal

Valeixo e Marena, ao lado de Moro
A influência da “República de Curitiba” não para de aumentar em Brasília. Depois de integrar Érika Marena e Rosalvo Ferreira Franco, delegados da Polícia Federal, à equipe de transição do futuro governo Bolsonaro, o “superministro” Sérgio Moro convidou para a chefia da Polícia Federal o superintendente da corporação no Paraná, Maurício Valeixo.

Valeixo ocupou no passado o cargo de diretor de inteligência da PF e comandou o departamento de Combate ao Crime Organizado. O futuro ministro declarou recentemente a intenção de reeditar o modelo de força-tarefa adotado na Lava Jato no combate às facções criminosas, uma das promessas da campanha de Bolsonaro. Valeixo é descrito como um quadro “operacional”, oposto ao perfil “intelectual” do atual diretor da corporação, Rogério Galloro.

Outro profissional que atua no Paraná a ser sondado por Moro é Fabiano Bordignon, chefe da PF em Foz do Iguaçu. O delegado é cotado para assumir o Departamento Penitenciário Nacional. Bordignon se reuniu com o futuro ministro em Brasília na segunda-feira 19.

Marena, espécie de braço direito de Moro nas articulações da equipe, tem participado das reuniões. A delegada ficou nacionalmente conhecida por processar jornalistas críticos à atuação da Lava Jato e pela investigação espetaculosa que resultou no suicídio do reitor da Universidade Federal de Santa Catarina, Luiz Carlos Cancellier.

A conduta da policial na Operação Ouvidos Moucos, que investigava uma fraude na universidade, foi bastante questionada. Parentes de Cancellier ingressaram com uma queixa-crime no Ministério Público por conta dos abusos de autoridades e os excessos cometidos pela delegada. Gilmar Mendes, ministro do Supremo Tribunal Federal, agregou-se aos críticos da operação, entre eles cientistas de renome e integrantes do mundo acadêmico.

O suicídio de Cancellier, declarou Mendes, “serve de alerta sobre as consequências do eventual abuso de poder por parte de autoridades”. Uma sindicância da Corregedoria da PF concluiu, no entanto, que Marena agiu de acordo com as regras de conduta da corporação.

A delegada, apelidada de “mãe” da Lava Jato, goza de bastante prestígio entre os pares. Ela liderou os votos na lista tríplice enviada pelos delegados quando Michel Temer estava prestes a escolher o primeiro diretor da PF em seu governo. Temer ignorou a lista e escolheu Fernando Segóvia.

O termo “República de Curitiba” deriva de uma crítica ao poder de investigação acumulado por Moro e pela força-tarefa da Lava Jato. Inúmeros juristas brasileiros e estrangeiros consideram que a atuação do magistrado extrapolou não só os limites de sua jurisdição, mas as regras básicas do Estado de Direito.

A expressão é uma alusão à “República do Galeão”, formada por militares que conduziram em 1954 o inquérito sobre o atentado contra o jornalista Carlos Lacerda e o major Rubens Florentino Vaz, morto no incidente. O IPM, conduzido na base aérea no Rio de Janeiro, serviu para fustigar Getúlio Vargas e leva-lo à renúncia ou provocar sua deposição. A comoção provocado pelo suicídio de Vargas provocou, no entanto, um efeito inverso e adiou por uma década o golpe militar. 

Sérgio Lírio
No CartaCapital

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.