10 de nov de 2018

Bolivarianismo Made in Brazil


No festival de ataques de baixo nível que assola o país e que rebaixa o debate público nacional um dos termos mais evocados é “bolivariano”, e também a sua vertente, o “bolivarianismo”. Não raro o governo federal, de Lula para cá, tem sido acusado por seus detratores de “bolivariano”, ou de ter planos de instaurar o “bolivarianismo” em nosso país. Ou, ainda, de ser submisso aos governos “bolivarianos” da América Latina, em especial Venezuela e Cuba, mas também Bolívia e Equador.

Fato é que no Brasil provavelmente uns 90% da população não tem a menor ideia do que significa o termo "bolivariano". Mal conhecemos a nossa própria História e seus principais personagens, sejam os oficiais ou os de origem popular, quanto mais a História alheia. E quanto mais ainda se for a História da América Latina, aquela porção do mundo a qual permanecemos de costas durante séculos e da qual achamos que não fazemos parte.

Simón Bolívar, figura controversa segundo alguns de seus biógrafos e analistas, foi um dos mais importantes líderes militares do mundo no século XIX, libertador de antigas colônias espanholas que mais tarde viriam a ser Venezuela, Colômbia, Panamá, Equador, Peru e Bolívia. Ele foi também um teórico de alto nível. Conhecedor da filosofia política desenvolvida desde os gregos da Antiguidade, cinco séculos antes de Cristo, até os pensadores do Iluminismo do século XVIII, Bolívar teve suas ideias influenciadas por Rousseau, Montesquieu, Voltaire e Locke. Teve a oportunidade de conhecer diversos países da Europa (chegou mesmo a assistir a cerimônia de coroação de Napoleão Bonaparte) e viajou também pelos Estados Unidos recém-libertos do jugo inglês. Bolívar produziu escritos sobre política que em nada ficam devendo aos tratados de autoria dos pais da pátria norte-americana Madison, Jay e Hamilton. No entanto segue sendo solenemente ignorado nas escolas e na maioria das universidades brasileiras. Passa ao largo de grande parte de nossos cursos de Ciência Política. Talvez o mais destacado latino-americano em toda a História, Simon Bolívar é quase uma figura anônima no Brasil.

Mas parte da mídia brasileira usa e abusa do termo "bolivariano". A classe média arcaica, que odeia o PT, e se opõe fortemente às transformações que os governos petistas têm feito em direção à ampliação do capitalismo brasileiro, se pela de medo do termo. E sai propagando a torto e a direito sobre o “perigo bolivarianista”. Chamar alguém de bolivariano no Brasil dos dias de hoje só não chega a ser tão grave como acusar alguém de comunista no Brasil dos anos 1950 e 1960 porque, tirando os anti-petistas de sempre, ninguém leva a sério essa história.

E por falar em comunismo, Marx achava Bolívar uma figura menor, quase caricatural. Só pra gente ver como as coisas são bem mais complexas do que certa propaganda ideológica consumida como iguaria por uma certa classe média mal (in)formada.

Wagner Iglecias é doutor em Sociologia e professor da Escola de Artes, Ciências e Humanidades e do Programa de Pós-Graduação em Integração da América Latina da USP
No GGN

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.