19 de out de 2018

Sócio de empresa denunciada em esquema fake news de Bolsonaro foi candidato a deputado federal pelo PSL-RJ

A AM4 é uma das empresas denunciadas na reportagem da Folha de S.Paulo como parte de um grupo recebeu pagamentos ilegais de empresários para disseminar fake news contra o PT em grupos de WhatsApp e redes sociais.


Alexandre José Martins, sócio do grupo AM4 – que controla a AM4 Informática Ltda era candidato a deputado federal pelo PSL-RJ até o dia 10 de outubro quando teve sua candidatura impugnada por não ter apresentado todos os documentos necessários. Curiosamente sequer recorreu da impugnação.

A AM4 é uma das empresas denunciadas na reportagem da Folha de S.Paulo como parte de um grupo que recebeu pagamentos ilegais de empresários para disseminar fake news contra o PT em grupos de WhatsApp e redes sociais.

Na prestação de contas oficial da campanha de Bolsonaro no site do Tribunal Superior Eleitoral, a agência também aparece como responsável pelo site da campanha, tendo recebido R$ 115 mil pelo trabalho.

Alexandre Martins é um dos três sócios da empresa – os outros são os irmãos Marcos Aurélio Carvalho e Magno Carvalho – fundada em agosto de 2000 em Barra Mansa, no Rio de Janeiro.

Atualmente, a agência teria 7 unidades “espalhadas pelos principais polos criativos do país e 150 colaboradores”, segundo informações do Linkedin da empresa.

Alexandre não é apenas fornecedor da campanha de Bolsonaro, mas muito próximo ao senador eleito Flávio Bolsonaro, filho do capitão da reserva.

Entre outras coisas, promoveu uma palestra do então deputado em Barra Mansa, na sede do Projeto Vida, uma comunidade evangélica da cidade, em maio deste ano.

No seu linkedin, Alexandre tem como mensagem de destaque a seguinte frase: “Estamos perto de uma grande transformação positiva do nosso país. Seremos reconhecidos não por bundas lindas de mulatas, pela violência e corrupção entranhada em nosso país, ou por um pulmão desmatado. Mas por nossa capacidade de crescimento, desenvolvimento meritocrático de forma séria colocando em dia a distribuição da riqueza, votando com coragem pautas importantes para nossa ordem e progresso #B17”.

Relações governamentais

Além dessa relação partidária e pessoal, a AM4 ainda consta na lista de fornecedores da Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN), escola militar onde Jair Bolsonaro iniciou sua carreira. O grupo atua no aparato público através de uma outra personalidade jurídica, a Ingresso Total, cujo CNPJ está em nome de Magda Célia Carvalho, irmã de Marcos e Magno.

Pelo site de compras do governo federal é possível também verificar que a empresa participou de diversas licitações, entre elas a do projeto Amazônia Azul – para reestruturação da plataforma digital do projeto de proteção da floresta amazônica coordenado pela Marinha do Brasil – e da licitação para reformulação da estrutura online do Supremo Tribunal Federal (STF).

Por meio de nota à Folha de S. Paulo, a AM4 negou usar números estrangeiros gerados automaticamente para participar de grupos e administrá-los. “O engajamento do eleitorado de Jair Bolsonaro nas redes sociais não é recente, tampouco surpreendente. Ao contrário, o desempenho nas redes é diretamente proporcional ao seu desempenho nas urnas”, dizia a nota.

Seguem algumas das fontes utilizadas nesta matéria para que o leitor possa checar informações aqui apresentadas:

Fontes:

Prestação de contas de Jair Bolsonaro:


Agulhas Negras – Cadastro AM4 Fornecedor:

Linkedin da empresa AM4:

Vídeo onde Flávio Bolsonaro chama Alexandre Martins de seu amigo:

Informações CNPJ da AM4:

Informações sobre a candidatura de Alexandre José Martins:

Projeto Amazônia Azul:

Licitações da empresa Ingresso Total:

Renato Rovai e Plínio Teodoro
No Fórum

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.