31 de out de 2018

Quem é Marcos Pontes, indicado como ministro da Ciência e Tecnologia?


Tenente-coronel reformado e astronauta é o quarto nome confirmado para formar o novo governo

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) usou o Twitter na manhã desta quarta-feira 30 para confirmar que Marcos Pontes será o ministro da Ciência e Tecnologia de seu governo. O nome do engenheiro aeroespacial e tenente-coronel reformado já vinha sendo aventado para a pasta desde a campanha eleitoral, mas a confirmação só aconteceu agora.

É o quarto nome do primeiro escalão divulgado pelo futuro governo, que já tem Onyx Lorenzoni (DEM) na Casa Civil, Paulo Guedes na "superpasta" da Economia e o general Augusto Heleno (PRP) à frente da Defesa.

Antes da confirmação, ainda na terça-feira 30, Pontes anunciou em seu perfil no Facebook que havia aceitado o convite.

"Ciência e tecnologia, como vocês sabem, vocês têm acompanhado, ele tem falado sempre sobre o meu nome mais ou menos como 'posto Ipiranga' de ciência e tecnologia. E agora só falta o anúncio oficial realmente da minha indicação para ministro de Ciência e Tecnologia", disse o astronauta.

Nascido em Bauru (SP), Marcos Cesar Pontes tem 55 anos e foi o primeiro astronauta brasileiro, sul-americano e lusófono a ir ao espaço, na missão batizada como "Missão Centenário", em referência à comemoração dos cem anos do voo de Santos Dumont no avião 14 Bis, realizado em 1906.

Segundo o perfil publicado no site de Pontes, ele é engenheiro aeronáutico formado pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) e mestre em Engenharia de Sistemas pela Naval Postgraduate School, Califórnia, EUA.

Pontes entrou na Força Aérea Brasileira em 1981 e foi instrutor, líder de esquadrilha de caça e piloto de testes, com mais de 2 mil horas de voo em 25 tipos de aeronave. Atualmente, é Embaixador da Boa Vontade na Organização das Nações Unidas (ONU), dá palestras e trabalha na Nasa, a agência espacial norte-americana.

O currículo do futuro ministro registra que suas funções militares se encerraram em 1998, quando ele regressou da missão espacial foi selecionado por concurso público da Agência Espacial Brasileira para representar o Brasil na Nasa na função de astronauta, uma carreira civil. Pontes foi definitivamente transferido para reserva apenas em 2006, ao regressar da missão espacial.

Em março de 2006 Pontes partiu para a Estação Espacial Internacional (ISS) a bordo da nave russa Soyuz TMA-8, com oito experimentos científicos brasileiros que foram executados em ambiente de microgravidade. Retornou no dia 8 de abril a bordo da nave Soyuz TMA-7.

Nos últimos anos resolveu capitalizar o título de único astronauta brasileiro para impulsionar sua carreira política. No pleito deste ano, Pontes foi eleito como segundo suplente do senador eleito por São Paulo Major Olimpio (PSL-SP).

Em 2014, tentou a sorte pela primeira vez na política ao disputar uma vaga na Câmara dos Deputados pelo PSB. Na ocasião, recebeu 43.707, ficando na 113ª posição, apenas como suplente, e nunca chegou a assumir como deputado federal. O seu nome de urna nas duas disputas foi "Astronauta Marcos Pontes".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.