4 de out de 2018

Professoras que estudaram 200 edições do Jornal Nacional


Ângela Carrato é jornalista e professora do Departamento de Comunicação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Eliara Santana, também jornalista, doutoranda em Estudos Linguísticos pela PUC Minas/Capes.

Desde janeiro, quando o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, elas estão debruçadas sobre as edições diárias do Jornal Nacional, da Rede Globo.

Objetivo: observar os movimentos de produção de sentido e a construção de estratégias discursivas para compreender como seriam trabalhadas em um ano eleitoral no cenário pós-golpe.

Aa duas pesquisadoras já analisaram mais de 200 edições do JN, e observaram que:

*A partir do período inicial do julgamento, houve exposição crescente e diária do ex-presidente, sempre no quadro da corrupção.

*Em abril, com a prisão, detectaram movimento oposto: o silenciamento, apagando Lula não apenas do noticiário, mas da vida política brasileira.

Se antes a superexposição visava mostrar que tudo de ruim era culpa da política e dos políticos, agora a ausência de Lula objetivava reforçar um candidato de extrema-direita, fascista, que “não é político”, mesmo estando na política partidária há quase três décadas.

*Em junho/julho, com a proximidade das eleições e a subida crescente de Lula nas pesquisas de intenção de voto, há um novo movimento nas edições diárias do JN: o ex-presidente reaparece no noticiário, mas sempre em matérias enviesadas pelo tema corrupção.

Uma imagem que retrata bem esse movimento do JN é a imagem no topo deste post.

Toda vez que William Bonner ou Renata Vasconcelos fazem menção a Lula e ao PT aparece, ao fundo, essa imagem vermelha, com um duto de esgoto do qual saem notas de dinheiro.

Para as pesquisadoras, uma associação simbólica gravíssima, porque toda vez que o PT colocar suas bandeiras vermelhas em cena, o telespectador vai associar à corrupção.

Ângela Carrato e Eliara Santana divulgam, com exclusividade ao Viomundo, os resultados iniciais do estudo em andamento.

Eles serão apresentados em quatro atos.

 

ATO 1: SILENCIAMENTO DE LULA, O CANDIDATO INDESEJADO 

por Ângela Carrato e Eliara Santana*, especial para o Viomundo

CONTEXTO

Desde janeiro de 2018, quando iniciamos esta pesquisa, já analisamos mais de 200 edições do Jornal Nacional à procura de padrões que pudessem indicar o comportamento da cobertura jornalística do principal veículo da Rede Globo, como ator que se posiciona no campo político, na disputa de poder.

O nosso estudo não avalia apenas os elementos objetivos — duração das matérias, pertinência das fontes ouvidas, presença do contraditório.

Atenta também ao que é dito, como é dito, por quem é dito, pois são aspectos igualmente importantes numa análise com esse perfil.

Vale dizer: entonação de voz, fisionomia da pessoa, vestuário, contexto em que a pessoa fala, cores predominantes na cena, entre outros detalhes. Tudo isso importa e muito.

É importante observar, ainda, que pesa muito o modo como as informações/notícias são organizadas e apresentadas para os telespectadores.

O resultado dessa empreitada é que pudemos verificar, na análise, que há padrões internos claros na cobertura, bem como mudanças estratégicas neles, de acordo com o cenário e as ênfases que a edição pretenda dar.

A mídia, em especial a televisiva (principal fonte de informação do brasileiro, em que se destaca o Jornal Nacional, com cerca de 70% de audiência), é um poderoso elemento que atua na forma como as pessoas passam a perceber a realidade.

Percepção que se torna fundamental para, num momento seguinte, se posicionarem sobre essa mesma realidade.

Ressaltar esse aspecto é essencial, tendo em vista a divergência reinante entre os estudiosos da mídia.

De um lado, aqueles que defendem que a mídia manipula a compreensão do público sobre os fatos, valendo-se para tanto de várias técnicas, entre elas o agendamento (agenda setting).

De outro, os que defendem que o público tem autonomia e outras fontes de informação, sendo assim capaz de formar julgamento próprio (as teorias sobre deliberação).

Os defensores da segunda visão estariam menos equivocados se no Brasil existissem, efetivamente, fontes plurais de informação (em especial também uma mídia pública) e não um monopólio comercial de mídia.

Estariam menos equivocados se existisse aqui uma educação de qualidade para todos e uma população plenamente — e não apenas funcionalmente — alfabetizada, como acontece em países da Europa ou mesmo nos Estados Unidos.

Nesse esforço analítico a que nos propomos, delineamos, nesse período de nove meses, algumas estratégias na cobertura do JN, bem como padrões que se consolidaram.

A edição dos telejornais brasileiros, em especial o JN, utiliza um recurso que segue a mesma lógica das novelas (tão apreciadas no País) e das séries.

Um assunto começa num dia e se prolonga por vários “capítulos”.

O que aconteceu num “capítulo” acaba tendo influência em outro.

No entanto, ao contrário das novelas, onde um personagem não pode desaparecer por muito tempo, nos telejornais, a presença de personagens e dos temas a eles ligados não segue essa lógica.

Em outras palavras: nos telejornais, onde deveria haver espaço para recortes de um dado real, tem predominado mais ficção — compreendida aqui como reconstrução enviesada do real — do que nas próprias novelas.

A CONSTRUÇÃO DE CENAS

Há movimentos bastante precisos e coordenados em relação às edições do jornal nesse período (que denominamos ATO 1), com um enquadramento muito bem construído a partir dos temas (assuntos principais em destaque), da qualificação dos atores e da construção da cena enunciativa.

É preciso ficar bem claro que o JN não está fazendo (se é que algum dia efetivamente fez) puramente jornalismo.

Ele está tentando criar um repertório coletivo, recorrendo à memória discursiva, modalizando o dizer, com estratégias muito bem construídas do ponto de vista discursivo, para substituir a percepção e a memória que os telespectadores têm dos fatos.

Dito de outra forma: o JN está tentando reescrever a história do Brasil, de acordo com os interesses da família Marinho e da elite dominante brasileira (e de seus apoiadores externos).

Esses aspectos são fundamentais para podermos mostrar como, enfim, a discussão de temas relevantes no cenário nacional é circunscrita no e pelo JN, visando a determinadas interpretações e problematizações.

Afinal, o que está circunscrito opera dentro de quadros e enquadres limitados, delineados, produzindo determinados sentidos.

Há acontecimentos relevantes que são redimensionados pelo JN, bem como assuntos que são trazidos à cena para ocultarem ou silenciarem outros.

Por exemplo, a cobertura na semana do julgamento do habeas corpus (HC) à prisão do ex-presidente Lula.

Durante esse período, a cena enunciativa construída no JN projeta uma instância plural, tendendo à neutralidade, atenta à veracidade dos fatos, com foco em temas variados e que contemplam todo o conjunto da sociedade.

Desaparecem os grandes temas POLÍTICA e ECONOMIA.

Tudo gira em torno de questões técnicas (relativas à prisão, ao julgamento).

Alguns aspectos se destacam:

1. Reforço a questões técnicas — o discurso cumpre a função de mostrar que não há um viés determinante no JN.

Há fatos e aspectos técnicos que demonstram esses acontecimentos, e todas essas percepções são mostradas por vozes de autoridade — o jornal não fala.

2. Edições num esforço de equilíbrio, projetando um ethos de neutralidade.

3. Reforço à ideia de justiça para todos, justiça acima de interesses desse ou daquele partido — a grande justiça que está sendo feita é apartidária.

4. Ideia de que a Globo não é contra a justiça — mas a quer para todos.

5. Há um tom sóbrio e de neutralidade.

6. O julgamento do HC pelo STF (4 de abril), a determinação do juiz Sérgio Moro (de cumprimento da prisão menos de 24 horas depois da decisão do STF) e a prisão de Lula são enquadrados pelo aspecto das tecnicalidades: é preciso explicar o que aconteceu e mostrar às pessoas que se trata de um caso comum de detenção, analisado sob um ponto de vista estritamente técnico.

7. Tal enquadramento não contempla a política. Tudo se resume à técnica, à adequação à justiça.

8. Cobertura a-histórica: não há nenhuma recuperação do que foram os governos Lula (2003-2010). A historicidade é apagada da cobertura.



SEM O FINAL ESPERADO

Foi a partir de uma chamada do Plantão JN, no final da tarde de 5 de abril, que a maioria da população tomou conhecimento de que o juiz Sérgio Moro acabava de decretar a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A notícia, lida de forma sóbria por uma das apresentadoras do JN, Renata Vasconcellos, com a câmera destacando seu rosto e sua camisa alvíssima (veja acima), remetia simbolicamente a uma ideia de purificação, limpeza.

Imagem que visivelmente contrastava com a “sujeira” contida nas centenas de matérias feitas nos últimos anos pelo JN, denunciando corrupção e atribuindo-a ao PT e aos seus integrantes, sempre ilustradas por um grande tubo de esgoto, com fundo vermelho, por onde saía todo o dinheiro ilícito.

A construção das cenas, portanto, não é apenas o quadro para a TV, é uma construção de uma cena para enunciar, para dizer de determinado modo, conduzindo a interpretação do espectador.

As cenas são fortemente marcadas por elementos simbólicos (o duto, de um lado; a roupa alva, de outro) que estarão sempre na memória do espectador. E são elementos que aparecem reiteradamente, em quase todas as edições.

A decisão de Moro dominou toda a edição do JN.

Ênfase especial foi dada às condições determinadas por ele para a prisão, lidas com destaque:
“Em respeito ao cargo que ocupou, o ex-presidente deve se entregar até às 17 horas do dia seguinte”; “não serão usadas, em hipótese alguma, algemas” e “ele terá uma cela individual na sede da Polícia Federal, em Curitiba”.
O tom anunciado e que se confirma na matéria é o de pintar o juiz com as cores da benevolência, civilidade, respeito aos direitos.

E isso é marcado pelo verbo que descreve a ação do juiz – Moro CONCEDE O DIREITO A LULA…

Essa ideia perpassa toda a matéria, pois há a descrição dos inúmeros benefícios concedidos a Lula pelo juiz.

A matéria também faz um histórico da decisão do STF sobre o pedido de HC e leem com destaque o ofício de Sérgio Moro.

Não há comentários sobre a rapidez no pedido de prisão.

Há uma descrição detalhada dos benefícios concedidos a Lula, como o banho de sol mais longo e a sala individual e com chuveiro elétrico funcionando.

Na descrição da sala, fazem uma comparação com a situação de outros presos — que não têm essas “regalias”.

Mostram-se as manifestações favoráveis a Lula, em todo o Brasil, bem como depoimentos de vários políticos em Brasilia sobre o pedido de prisão.

Bonner arremata para projetar o ethos de um jornalismo plural — lê uma nota afirmando que a Globo cobre todos indistintamente.

A matéria tem um tom marcadamente sóbrio, descrevendo as ações e os acontecimentos.

A repetição dessas condições, ao longo da edição do JN, acabou funcionando como uma espécie de denúncia de privilégios que Lula, mesmo numa situação extrema, continuava gozando.

A edição do JN do dia seguinte, 6 de abril, trouxe como destaque a não apresentação de Lula e o encerramento do prazo dado a ele por Moro.

Novamente são construídos dois campos de sentidos: Moro, o benevolente, o que concede benefícios, e Lula, o infrator, aquele que descumpre até ordem de prisão.

Havia uma expectativa de que o JN fizesse, no sábado, 7 de abril, uma edição apoteótica, uma espécie de coroação do combate que há anos vinha empreendendo, “em nome da moralidade pública”, contra o PT e os seus integrantes.

A prisão do ex-presidente tinha os ingredientes para ser apresentada ao respeitável público como o ponto final para Lula, o lulismo e o PT.

Mas a cobertura da apresentação de Lula, chamada pelo JN de “entrega”, ficou muito distante do “grand finale” pretendido.

Uma multidão se aglomerou no entorno da sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, para onde Lula se dirigiu e permaneceu antes de se entregar.

Isso ressaltava simbolicamente a resistência e o grande apreço por um líder político, destoando de possíveis imagens que remetessem ao ostracismo de alguém acuado e rechaçado pela população.

Daí a emissora ter preferido veicular apenas imagens em planos fechados, totalmente diferentes daquelas em que Lula era carregado em meio a um mar de gente, exibidas nos principais sites brasileiros e em jornais internacionais.

Não passou despercebido aos olhares mais atentos que, naquela edição, a imagem que permaneceu mais tempo no ar foi a de um pequeno e defasado avião monomotor Cessna Caravan, da Polícia Federal, que decolou de São Paulo, rumo a Curitiba, levando um ex-presidente que, aos poucos, sumia num céu escuro.

Uma vez que a prisão de Lula não deu à imprensa o espetáculo esperado, tendo ele se projetado como sujeito histórico de muita relevância, as edições da semana de 09/04 a 16/04 cumprem o papel de criar para os espectadores o sentimento de uma “virada de página” — está em curso um novo momento na história do Brasil, sem Lula, sem o PT.

Simbolicamente, a imagem do avião cumpre essa função — uma parte da história se encerra para dar lugar a um recomeço.

Para isso, algumas estratégias, do ponto de vista do discurso, da encenação da notícia, são bem pontuadas, como o silenciamento.

É necessária uma operação para silenciar sentidos potentes advindos do movimento de prisão de Lula, como Lula = ideia.

É preciso conter e silenciar esses sentidos, é fundamental deixar de dizer, é essencial mostrar página virada: por isso, não há qualquer menção a Lula ou aos desdobramentos da prisão nos dias seguintes.

ATO 2: CRIMINALIZAÇÃO DA POLÍTICA – ELIMINAÇÃO DOS POLOS

Ao longo do mês de maio, com vários eventos importantes no cenário político-econômico-social, a cobertura do JN sofreu também mudanças expressivas que indicam tomadas de posição e reação frente a uma conjuntura adversa para o bloco da direita naquele momento, que pode ser resumida em dois pontos:

a) Lula não para de crescer e ameaça (segundo pesquisa Vox) levar no primeiro turno;

b) A direita não tem candidato.

Observando-se um padrão geral da cobertura, temos:

A) Pulverização de temas e abordagens — cada vez isso é mais frequente, numa dinâmica que chega a ser meio frenética, pois não há tempo de digerir o que é apresentado.

B) Fechamento com a voz da Justiça — o STF como fiador de uma ordem desejada.

C) Emoção nos relatos — principalmente nas histórias dos jogadores e na exploração das tragédias, a emoção no discurso — que interpela o espectador e pode causar compaixão, solidariedade — vem sendo cada vez mais utilizada.

D) Há cortes abruptos de temas/notícias para outros, quebrando a sequência de logicidade e amadurecimento na recepção das notícias.

E) Pelo encadeamento e enquadramento dos temas em destaque, fecha-se uma percepção de que o Brasil está vivendo uma situação de desordem.

F) A economia como grande tema não faz mais parte do JN — há assuntos periféricos da área econômica, como a crise do diesel etc., mas nenhuma abordagem sobre crise (cabe até um comparativo estruturado com 2014/2015, quando havia um exagero de menção à crise econômica, quando ela não existia).

A CONSTRUÇÃO DAS CENAS

Como no discurso de informação uma narrativa é construída temporalmente pelo conjunto das notícias (que não são aleatórias ou totalmente fragmentadas ou ainda isoladas) que enfocam reiteradamente um mesmo tema, o cenário trazido pela cobertura da pesquisa não se dá apenas por um conjunto de relatos de dados que teoricamente reportariam uma realidade.

É necessário, portanto, analisar os movimentos da produção de sentidos nas notícias para observar a construção discursiva analisando as estratégias em cada momento e como esses movimentos vão formar um todo com sentido.

Pois bem, analisando esses momentos, há dois movimentos discursivos fortes em curso na cobertura que estão se cristalizando como tendência e fazem parte de uma estratégia mais ampla, como sintetizamos a seguir:

LULA X BOLSONARO

(Silenciamento) (Desconstrução do personagem)

O cenário das eleições traz dois candidatos que polarizam grande parte do eleitorado e estão na dianteira em relação aos demais: Lula e Bolsonaro, sendo que Lula, preso em Curitiba, tem quase o dobro do segundo.

Em relação à materialização das notícias no direcionamento dos sentidos do discurso, há duas estratégias evidentes que estão marcando o enquadramento da cobertura da imprensa corporativa em relação a esses dois atores das eleições.

Com Lula, opera-se o silenciamento (como já dito); com Bolsonaro, a desconstrução.

É preciso, portanto, percorrer esses caminhos de produção de sentido na narrativa para compreender como essas estratégias são desenvolvidas para interpelar o espectador e como elas se ligam num movimento mais amplo.

A desconstrução de Bolsonaro (naquele momento) começa efetivamente com a greve dos caminhoneiros, que paralisou parcialmente o Brasil no mês de maio e contou, num primeiro momento, com certa benevolência da cobertura:

a) Nos primeiros dias, há um acontecimento (quase no âmbito de algo não controlável) que traz prejuízos e tem atores em seu centro, que são os caminhoneiros que reclamam do preço do diesel.

Não se aponta diretamente a responsabilidade do governo, e os caminhoneiros não são tratados como outros grevistas.

Nesse primeiro momento, há disponibilidade de ambas as partes para a negociação em prol do Brasil.

O governo chama as lideranças (sempre nominadas assim, nunca como grevistas) e consegue fechar um acordo bom para todos.

b) No meio do processo, há impasse, não há acordo, e o JN mostra em parte que grupos de caminhoneiros não aceitaram os termos e querem mais.

Mostra também a suspeita de um locaute. Carrega um pouco mais a crítica ao governo, mostrando inclusive que ele foi avisado da insatisfação da categoria.

Segue mostrando, em todo o país, o desabastecimento. Nesse momento surge um ator mais expressivo, o governador de SP, que se presta a negociar com ambas as partes.

Há muito tempo dedicado a ele. Os ministros do governo também são fontes e aparecem dando sua versão sem que haja contraponto a eles — de outras fontes.

c) Num terceiro momento, inaugurado no dia 28 de maio, já há uma clara mudança no enquadramento desse acontecimento.

Surge um novo ator, e um novo campo de sentidos: há “infiltrados” no movimento, o que é denunciado tanto pelo governo quanto pelas lideranças dos caminhoneiros.

Ou seja, surge um sujeito-agente, um culpado pela situação que se agrava.

O tom da cobertura é de que havia, no governo, a expectativa de resolver a crise com o atendimento das reivindicações dos caminhoneiros. Mas isso é quebrado por esse novo ator.

Há outras vozes que emergem — vozes de economistas, portanto, de autoridade. É mostrada a fala de Temer, o pronunciamento, e o panelaço que se seguiu, mas num enquadre de um evento relativamente esperado e não tão expressivo.

Campos de sentidos que se estabelecem: há grupos distintos de caminhoneiros (os que lutam por melhores condições vs. os manifestantes – campos de sentidos CAMINHONEIROS VS. MANIFESTANTES).

Há nitidamente também, nesse corte, o direcionamento para a percepção de que o governo fez tudo o que foi pedido para acabar com a crise, mas não conseguiu por culpa desses novos atores.

A associação — ABCAM — é trazida como fonte para enquadrar os manifestantes, e o ministro da Casa Civil aparece para dizer que as lideranças são difusas.

A matéria mostra “rachas” no movimento e questiona a postura dos “manifestantes”.

Ganha corpo a tese do “infiltrado” — esse novo ator, que tem lado, viés político e ideológico, não está se mobilizando pelo bem do Brasil, mas por uma questão partidária.

Depois disso, a cena enunciativa para mostrar o caos e os prejuízos é bem formatada.

O que se mostra é bastante específico e contundente: crise em hospitais — pessoas podem morrer; pessoas que trabalham por conta própria e precisam de carro; pessoas mais pobres que precisam trabalhar e não têm como se deslocar; perigo da morte de animais — ministro alerta para isso; comida que acaba.

A diretriz do Jornal Nacional é bem delineada pela chamada “Ataques à democracia durante greve causam repulsa em todos os setores”, no dia 28/05 (que terá repercussão na edição do dia seguinte dos jornais impressos, 29/05).

O evento está ali bem enquadrado pela expressão “ataques à democracia” — é esse o cenário, e a ideia de democracia se coloca e passa a ser defendida.

Ou seja, esse ato não é aceito pelo conjunto da sociedade, pelo país, o que é expresso pelos termos “repulsa” (bem marcado, não se trata apenas de simples rejeição, é algo mais enfático) e “todos os setores”.

Circunscreve também esses episódios a grupos bem restritos — a ideia de intervenção não está disseminada na sociedade, ela é localizada, apenas presente em alguns grupos.

Tal comportamento e o ineditismo da cobertura suscitam indagações:

*Por que somente agora os pedidos de intervenção militar parecem incomodar tanto?

*Por que nas manifestações pelo impeachment de Dilma Roussef — quando havia inúmeros e reiterados pedidos nesse sentido, de vários agrupamentos –, isso nunca foi motivo de preocupação ou sequer foi denunciado e destacado pelo Jornal Nacional?

Por que somente naquele momento (quando a greve parece beneficiar uma determinada candidatura) o JN se manifesta contra a ditadura militar?

Por fim, no Brasil do JN, parece que não haverá eleição, pois o tema não aparece no noticiário.

É um tema periférico, e assim permanecerá por muito tempo. É preciso, antes de tudo, eliminar os polos para que se garanta a ascensão de um candidato mais “palatável”.

Nesse cenário — de eliminação dos polos, criminalização da política como terreno da corrupção –, ganha destaque o quadro “O Brasil que você quer”, que passa a cumprir um papel fundamental, o de delinear o Brasil sem conflitos, um novo Brasil.

QUADRO  “O BRASIL QUE VOCÊ QUER”

*As pessoas estão se vendo representadas: há uma profusão de vídeos de localidades muito afastadas e esquecidas do Norte e Nordeste, pobres e negros

*O tema geral dos vídeos parece ser uma resposta ao tema principal do JN — é quase sempre casado.

*Também está trazendo à cena pautas e representantes de minorias (homossexuais, meio ambiente, diversidade cultura).

*O povo está se vendo representado, levando seus problemas — que nenhum político escuta ou quer escutar.

É importante observar, por outro lado, que o telespectador do JN não tem acesso aos dados sobre o número de pessoas que enviaram vídeos para este quadro e, muito menos, sobre o teor de todos os vídeos recebidos.

Algo como acontece com as sessões “Cartas do Leitor”, em que o apoio à linha editorial da publicação sempre prevalece.

Ângela Carrato é jornalista e professora do Departamento de Comunicação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Eliara Santana, também jornalista, doutoranda em Estudos Linguísticos pela PUC Minas/Capes.

No Viomundo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.