16 de out de 2018

“Petistas” São Todos os Democratas

Segundo as pesquisas, o Brasil corre o sério risco de eleger um fascista manifesto como presidente da república.

Quando se fala em fascista, não se exagera. Bolsonaro é, sim, um fascista lato senso. Ele e seus seguidores ideológicos exibem todos os sintomas do que Erich Fromm chamava de personalidade autoritária ou personalidade fascista: o medo à liberdade, o ódio à alteridade e à diferença, a intolerância raivosa, a obsessão com a ordem e com a “pureza”, o culto cego à autoridade etc.

No exterior, toda a imprensa, seja do esquerdista Libération até a conservadora The Economist, vê com perplexidade e grande alarme semelhante aberração política tomar conta do Brasil, um país que, nos tempos de Lula, era visto como exemplo para o mundo. Aqui, a mídia oligárquica ou o apoia ou minimiza o óbvio e grave perigo que ele representa para a democracia. Os mais hipócritas, ou obtusos, afirmam, sem corar, que ele e Haddad representam extremos opostos. Sem comentários.

Muitos, agora, se dizem surpresos com a ascensão meteórica desse político profissional velho e medíocre, que, em 30 anos de vida pública, boa parte no PP de Maluf, nunca se destacou em nada, a não ser por suas manifestações escancaradas, brutais e devidamente comprovadas em prol da ditadura, da tortura, do fechamento do Congresso e contra mulheres, gays e negros. Carinho apenas com a família, que foi toda empregada na política tradicional.

Mas não é surpresa nenhuma. Em fevereiro de 2017, publiquei um artigo, que depois foi republicado com alterações um ano depois, intitulado “Lula ou Fascismo”, no qual já previa que, ante o fracasso do golpe de 2016, a direita tradicional e o centro seriam varridos e substituídos pelo neofascismo em ascensão.

Na realidade, o ovo da serpente desse neofascismo tupiniquim vinha sendo chocado há muito tempo. Começou lá em 2005, com o caso do mensalão, um esquema ordinário de caixa dois de campanha, herdado do PSDB, o qual, pela ação da mídia oligárquica e de um poder judiciário partidarizado, foi artificial e mentirosamente transformado num horrendo affair de “compra de votos” e no mais “escabroso caso de corrupção da história”.

Contudo, não foi só esse caso. Todas as ações dos governos do PT foram demonizadas, mesmo as mais exitosas e bem-intencionadas. O Bolsa Família, que hoje Bolsonaro finge defender, foi classificado como uma grande mentira e um incentivo à preguiça, o Mais Médicos, que levou assistência médica a 60 milhões de pessoas, foi considerado como um programa para financiar o “comunismo cubano”. Até mesmo a descoberta do pré-sal foi apresentada, pela mídia mentirosa, especializada em fake news, como uma jazida que era virtualmente impossível de ser explorada.

Tudo o que o PT fazia, embora amplamente reconhecido lá fora, era aqui mostrado sob uma luz profundamente negativa.

Em 2013, num claro episódio de guerra híbrida dirigida desde o exterior, manipularam-se insatisfações conjunturais e dirigiram-nas contra o PT, acusado, pela mídia oligárquica, como o culpado por todos os problemas históricos e estruturais da sociedade e do Estado brasileiro. Foi ali que surgiram, financiados por capitais nacionais e internacionais, os grupelhos fascistas que depois viriam a sustentar a ascensão do bolsoranismo protofacista.

Isso tudo culminou no golpe de 2016. Aproveitando-se da crise econômica mundial, que finalmente atingiu o Brasil depois de 7 anos, depuseram a presidenta honesta, sem crime de responsabilidade, colocaram a “turma da sangria” em seu lugar e romperam, sem a menor cerimônia, com a soberania popular e o pacto democrático estabelecido pela Constituição de 1988.

Nessa época, a porca antipetista já estava bem gordinha e prenhe de neofacistas. A porca achou que podia controlar a sua vara de brucutus truculentos, mas o fracasso retumbante do golpe, turbinado por uma política econômica suicida, antipopular e pró-cíclica, jogou por terra seus planos de hegemonia política.

Assim, o porco nazista emergiu triunfante, graças a sua mamãe antipetista, mentirosa, malcheirosa, incompetente e sem escrúpulos.

Mas o que é o antipetismo? Esse é um ponto que precisa ser bem compreendido. A maioria ainda não entendeu do que se trata.

Com efeito, muitos acham que o antipetismo é somente a rejeição a um partido específico. Não é. Esse é um erro crasso.

Para o neofascismo ascendente, “petismo” é tudo aquilo que represente contradição ou alteridade, em relação às suas crenças profundamente conservadoras. Como já disse o Coiso, o Brasil precisa voltar ao que era 50 anos atrás. Todo progresso em relação a esse Brasil autoritário e idílico precisa ser destruído.

Assim, a feminista é “petista” ou aliada do petismo, o negro que estuda por causa das cotas é um “petista” aproveitador, o trabalhador que é contra a reforma trabalhista é um “petista” e um comunista, a mãe que recebe o Bolsa Família é uma “pessoa comprada pelo petismo”, o defensor dos direitos do índio é um “petista”, o ambientalista que se opõe à derrubada das florestas para dar lugar a pasto é um “petista”, os que defendem os direitos humanos são “petistas” que defendem bandidos, o cirista que se aliou conjunturalmente a Haddad é um “petista” etc.

Mesmo escritores conservadores, como Reinaldo Azevedo, transformam-se em “petistas a serem exterminados”, quando fazem críticas a Bolsonaro. Na cabeça distorcida deles, até a ONU é um antro de petistas, bolivarianos e comunistas.

Na Alemanha nazista, não se fazia distinção entre judeus, comunistas, homossexuais, ciganos e democratas que se opunham ao regime. O destino de todos era um só: Dachau, Auschwitz, Sobibor etc.

Na ditadura de 1964, também não se fez distinção entre os grupos que aderiram à luta armada, os opositores democratas, os trabalhadores que queriam melhores salários, os artistas e jornalistas que se insurgiam contra a censura, os estudantes críticos ao regime, os religiosos da teologia da libertação etc. Até mesmo Carlos Lacerda, o suprassumo do conservadorismo udenista, foi cassado pelo golpe, ou pelo singelo “movimento”, como hoje o define o presidente do STF, o suposto guardião da nossa Constituição. Todos caíram na vala comum da “subversão”.

Você, que não gosta de Bolsonaro é, aos olhos míopes deles, um “petista”, ou um apoiador de “petista”, o que seria a mesma coisa para os brucutus. Está sujeito ao mesmo tipo de ameaça e violência.

Por isso, é profundamente ridículo e equivocado tentar se separar a luta contra o fascismo da luta contra o antipetismo. São aspectos indissolúveis do mesmo fenômeno autoritário.

Mais ridículo ainda é tentar jogar Bolsonaro no colo do PT e exigir “autocrítica”.

Não. Quem pariu Mateus que o embale. A autocrítica, profunda e sem tergiversações, têm de ser feita pela porca antipetista.

A mídia oligárquica, que ainda alimenta, em parte, o neofascismo é que tem de fazer uma profunda autocrítica e pedir desculpas ao povo do Brasil, por havê-lo enganado intencionalmente.

O poder Judiciário, em boa parte partidarizado, com um Supremo que abdicou de sua função de garantista dos direitos fundamentais, deve irrestritas desculpas ao povo do Brasil, por haver coonestado com o golpe e pela prisão política, sem provas, condenada pela ONU, do político mais popular do Brasil, aquele que poderia ter detido facilmente o neofascismo que ameaça desgraçar a todos.

Os partidos e políticos da direita tradicional e de centro devem um mea culpa em praça pública por ter jogado o Brasil nessa aventura totalitária, em sua busca sôfrega e irresponsável por “destruir o PT”.

O PT não foi destruído e nem o será. Fez a maior bancada na Câmara. É o partido mais popular, e, mesmo com uma eventual vitória do Coiso, será a grande referência da oposição democrática ao neofascismo. Quem foi destruída foi a democracia brasileira.

Os militares, que abandonaram seu papel de defensores últimos da ordem constitucional e aderiram, em boa parte, ao bolsoranismo, também devem desculpas ao povo do Brasil e precisam se recolher às casernas, de preferência calados.

Os empresários, que tiveram gordos lucros nos governos petistas, especialmente nos de Lula, precisam explicar à população porque apoiaram o golpe contra as instituições democráticas.

E alguns deles precisam explicar urgentemente porque alimentam com dinheiro sujo Bolsonaro e a sua campanha mentirosa e difamatória emergida das cloacas das redes sociais, com tecnologia psicossocial e informacional claramente copiada da CIA e da Cambridge Analytica.

Os que se dizem “neutros”, quando o Brasil ruma ao abismo político, devem pedir perdão por sua covardia e omissão.

Mas o neofascismo brasileiro, mesmo que ganhe estas eleições, terá vida difícil e curta. Boa parte dos que hoje são eleitores de Bolsonaro o são por que têm medo do futuro e falta de informação sobre o passado e o presente.

Não é um voto ideológico. É um voto emocional estimulado por fake news e mentiras deslavadas. Um voto estimulado por aqueles que, de forma criminosa, apresentam o PT como um profanador do sagrado. Como um grupo de pedófilos que distribuem kits gay e mamadeiras eróticas nas escolas.

Eles esperam que o líder autoritário resolva, na marra, seus problemas causados pelo golpe. Não percebem ainda que Bolsonaro é a consumação última do golpe que os desgraçou. Não perceberam ainda que Bolsonaro governará contra eles, como Temer fez. Só que, agora, de forma bem mais truculenta e incompetente.

A porca antipetista e seu filho bastardo, o porco nazista, já estão condenados pela História, com ou sem autocrítica.

Nuremberg os espera.

Marcelo Zero

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.