19 de out de 2018

Dono da Havan já foi condenado no TSE por propaganda eleitoral ilegal pró-Bolsonaro

Se comprovado o abuso de poder econômico por parte da campanha de Bolsonaro, ele pode se tornar inelegível por oito anos



Luciano Hang, dono das lojas Havan – um dos empresários que estabeleceu contratos de até R$ 12 milhões para efetuar milhões de disparos no WhatsApp contra Fernando Haddad, segundo reportagem da Folha –, já foi condenado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em setembro de 2018, por contratação irregular de impulsionamento de propaganda eleitoral no Facebook.


Hang foi condenado a pagar uma multa de R$ 10 mil por impulsionar conteúdo favorável a Jair Bolsonaro na rede social.

“A lei estabelece que pessoa física não pode fazê-lo, por um motivo muito simples: é que seria absolutamente impossível avaliar, na prestação de contas [do candidato], as inúmeras pessoas que contratariam diretamente o impulsionamento”, disse o ministro Luis Felipe Salomão na sentença.



Empresário da Havan tenta ironizar caixa 2 de Bolsonaro


Luciano Hang fez um vídeo nas redes sociais para atacar a imprensa que ele definiu como "puxadinho do PT". Segundos depois, usou matérias do mesma imprensa para atacar Haddad

O assunto mais comentado do país nas redes sociais hoje (18), o #Caixa2doBolsonaro, foi alvo de um vídeo no Facebook de Luciano Hang, dono da empresa Havan. Acusado de ser um dos financiadores do esquema ilegal de campanha do candidato da extrema-direita, Jair Bolsonaro (PSL), o empresário acusou o jornal Folha de S.Paulo, que noticiou o fato, de ser “um puxadinho do PT”.

A todo momento, Hang promoveu ofensas pessoais ao candidato do PT no segundo turno das eleições 2018, Fernando Haddad. “Parece um peixe morto. Insonso”, criticou. Atacou também a imprensa comercial. Contraditório, mostrou matérias desta mesma mídia contra Haddad. Quando é contra seu candidato de estimação, é fake news. Quando é contra seu opositor, “procurem se informar”, disse repetidamente.

“Vão perder a teta (...) com a vinda do Bolsonaro, vai acabar. A imprensa comunista está amedrontada. Querem me coagir para que não fale mais... Puta! Minha live tem muito mais gente do que a que o Haddad fez”, disse, desconexo, ou “lúdico”, como ele gosta de se apresentar. Essa fala foi feita segundos antes de mostrar matérias contra Haddad, inclusive de veículos do mesmo grupo da Folha.

Hang também atacou a carreira acadêmica de Haddad. Disse para as pessoas “não procurarem” saber sobre. “Ele estudou Marx, pai do comunismo, e esse Habermas. Fui pesquisar e descobri que ele é um comunista. Quanto mais estuda, pior”, disse. Haddad é graduado em direito pela Universidade de São Paulo e tem doutorado em filosofia. Professor de Ciência Política, estudou em Montreal, no Canadá.

O empresário tem histórico de assédio contra trabalhadores, coagindo-os a votarem em Bolsonaro. Chegou a ser condenado por isso pela Justiça do Trabalho. Antes do primeiro turno, Hang já havia se envolvido em um caso de propaganda política ilegal. Após pedido do candidato derrotado do PSDB, Geraldo Alckmin, Hang foi obrigado a retirar um vídeo de suas redes sociais, que havia pago para impulsionar sua opinião de idolatria ao extremista de direita.

A campanha de Bolsonaro vem se beneficiando em larga escala pelo uso incansável de mentiras distribuídas por redes sociais, especialmente o WhatsApp. Contra ilegalidades de sua campanha, a coligação de Haddad, além do PDT, acionaram a Justiça Eleitoral acusando Bolsonaro de abuso do poder econômico e pedindo a impugnação de sua candidatura.

O uso do jogo sujo está nas veias da campanha da extrema-direita, como tem indicado os fatos desta semana. Até mesmo o estrategista ligado a ideais de supremacistas brancos nos Estados Unidos, Steve Bannon, que trabalhou na campanha de Donald Trump, está envolvido na campanha de Bolsonaro.

No RBA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.