7 de out de 2018

Bolsonaro bate à porta

Deodoro, presidente da República nascida nos quartéis
O Brasil está diante de uma das mais importantes disputas eleitorais ocorridas na história republicana. Mais uma vez, o destino do País está verdadeiramente em jogo. A democracia, já incomodada de qualquer modo, pode decidir.

Nascida nos quartéis, a República sempre se viu às voltas com os militares. Parece um vício. Remeta-se, como exemplo, a Deodoro da Fonseca, o primeiro presidente do País. A comprovação da interferência do Exército tem sido feita com votos nas urnas ou, com frequência, com um chute na porta. Assim é a “democracia tropical”.

Após o Estado Novo, foi restabelecido o sistema de voto democrático contaminado pela disputa de oficiais da mais alta patente: o general Eurico Gaspar Dutra e o brigadeiro Eduardo Gomes. Ganhou Dutra.

Eduardo Gomes, representante da barulhenta UDN, perdeu para Vargas. Na sequência, o general Juarez Távora perdeu para JK. Em 1960, o general Teixeira Lott foi batido por Jânio Quadros, que, em poucos meses, renunciou. O vice assumiu. João Goulart foi derrubado pelos generais.

Ocuparam o poder manu militari. Foram 21 anos de ditadura. Após isto, desgastados, os militares entregaram o poder de mão beijada aos civis. Basicamente, aos políticos da conciliação a qualquer preço. Daí foi possível convocar oito eleições, à sombra, porém, de uma frágil democracia facilmente desmontada pelo golpe de 2016.

Jair Bolsonaro é mais um autoritário atrás do poder. Está disposto a tudo. Com ele, o Brasil está sob ameaça.

Contra Lula, não faltou quem espalhasse ódio e preconceito. Lula e o PT entraram na mira. Ele, vencedor em duas eleições, deu a vitória duas vezes a Dilma Rousseff. Um peso insuportável para os adversários.

O ex- metalúrgico está barrado pelas tramas da Justiça (Justiça?), sem que a perseguição ponha em risco sua condição de grande líder popular.

Proibido de falar, calado no período eleitoral, Lula conduziu da cadeia o processo político-eleitoral do PT e suportou altivamente os dissabores criados por alguns tristes trêfegos: um juiz de primeira instância, sete juízes de um tribunal eleitoral e outros 11 inquisidores envolvidos nos conflitos da instância final de uma alta corte de fancaria.

Maurício Dias
No CartaCapital

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.