24 de out de 2018

A overdose de “Bolsonaro” é seu calcanhar de Aquiles


Deixou de ser “brincadeirinha”.

Os vídeos de Eduardo Bolsonaro dizendo que bastam um cabo e um soldado para fechar o Supremo e o do pai, dizendo que vai banir do Brasil seus opositores tiveram mais efeito sobre as pessoas, nesta semana final das eleições, do que as toneladas – e ponha toneladas nisso – de barbaridades ditas e gravadas ao longo de duas décadas pelo candidato do PSL.

É algo que até os bolsonaristas de ocasião da mídia reconhecem, como o faz Merval Pereira, na coluna de hoje, em O Globo, embora chame isso de “arroubo retórico” e respire aliviado porque, na visão dele, o ex-capitão tem gordura para perder até domingo, se ficar quieto.

O general Augusto Heleno, comandante em chefe das tropas militares que secundam o candidato foi claro ao mandar embora os repórteres da Reuters  Brad Brooks e Anthony Boadle, que o procuraram num evento público: “sob ordens do Bolsonaro, é silêncio de rádio total até depois das eleições.”

Depois das urnas, claro, não haverá mais defesa possível.

A frente principal desta tática da mudez, é claro, foi a negativa de comparecer ao debate final entre os candidatos, à qual a Globo, obsequiosamente, acedeu, cancelando o programa.

O essencial, porém, é que o favorito, que neste momento “ganha o jogo” com boa vantagem, recuou.

Está sob uma pressão que só não é maior porque algumas estrelas do time ainda fazem certo corpo mole e preferem  “dar passes para o lado” que jogam contra o tempo.

A queda na rejeição de Fernando Haddad e a subida na de Jair Bolsonaro, registrada ontem pelo Ibope, na qual a vantagem do ex-capitão cai de 12 para apenas um ponto quer dizer muito, porque é a base sobre a qual se definirão de última hora os votos mais fluidos.

A diferença entre os votos totais está em “um Ciro”.

Na eleição em que o país foi incapaz de sonhar, as coisas se definirão pelo temor ao pesadelo. Quando o “EleNão” cresce, ninguém mais tem o direito de desculpar-se por não entender que negar o voto a Haddad é dá-lo a Bolsonaro.

Fernando Brito
No Tijolaço

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.