1 de set de 2018

Uma janela para a razão

Com o início do horário eleitoral gratuito, começará uma das operações mais interessantes desde a redemocratização. Trata-se daquela a ser realizada por Geraldo Alckmin (PSDB) para esvaziar a candidatura de Jair Bolsonaro (PSL), atraindo para si apoiadores do capitão reformado.

Paradoxalmente, o que mais ajudará o ex-governador paulista na tarefa será a ascensão do seu tradicional adversário, Lula.

Com quase 40% das intenções de voto, o ex-presidente, mesmo impugnado pela Justiça, tem chance de colocar o vice Fernando Haddad no segundo turno.

Nesse caso, o eleitor antipetista ficará obrigado a pensar em quem teria mais chances de derrotar o PT na rodada final. E cedo ou tarde perceberá que, sendo o tucano mais moderado que o candidato do PSL, embora, também, nitidamente conservador (diferente de Marina Silva), reúne melhores predicados para o embate decisivo.

Ficaríamos, assim, livres de que uma proposta ditatorial se tornasse a liderança do Brasil.

Mas será que o cidadão que neste momento deseja sufragar Bolsonaro será sensível ao apelo do cálculo?

Diga-se, de passagem, o caso configura um problema fascinante para o campo que se dedica a estudar o assunto. Nele, sabe-se que a falta de informação, a paixão ideológica, ou até mesmo fatores fortuitos, podem desviar o comportamento individual da racionalidade que a teoria democrática lhe atribui.

Se para o entrevistado que declara preferência pelo militar reformado o mais importante for infligir uma derrota ao petismo, mudará de opção.

No entanto, se a escolha refletir um sentimento confuso, ainda que intenso, de rejeição a tudo, é possível que o eleitor permaneça apegado àquele cuja falta de propostas razoáveis expressa a hostilidade para com o conjunto do que se organizou no país desde a Constituição de 1988.

Observado de outro ângulo, do ponto de vista do PT, poderia parecer preferível apostar na irracionalidade da direita e ter um extremista como adversário. Tratar-se-ia de uma visão curta.

Se Bolsonaro chegar a 28 de outubro, mesmo que depois perca, a onda autoritária sairia fortalecida, dificultando a vida de um governo de reconstrução nacional.

Além do mais, derrotar o PSDB obrigará o campo popular a se unir, o que abriria a chance de construir um programa comum e uma frente ampla institucionalizada, até agora inexistentes. Seria, aliás, outra prova de racionalidade, que a esquerda ainda está devendo ao país.

No fim, o irracionalismo pode vencer. Porém, a onda do momento abriu uma janela para a razão.

André Singer
No fAlha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.