3 de set de 2018

Troglodita, Aloysio ataca ONU, juristas e líderes internacionais


Chanceler do golpe, o tucano Aloysio Nunes concedeu uma entrevista estarrecedora ao Valor, em que agride líderes internacionais, como François Hollande, Jose Luis Zaopatero e Massimo D'Alema, a quem chamou de políticos em fim de carreira, apenas porque eles apontaram o óbvio: Lula é preso político. "Alguns figurões em fim de linha, na Europa, escreveram um abaixo-assinado defendendo o Lula. Quem? O [ex-presidente francês] François Hollande, que não teve condições de concorrer à reeleição pelo Partido Socialista; o Massimo D'Alema, um dos responsáveis pela vitória da direita na Itália, porque rachou o Partido Democrático; o [espanhol] José Luis Zapatero, amigo do [venezuelano Nicolás] Maduro. Têm a audácia de insinuar que o Poder Judiciário no Brasil é incapaz de julgar. Respondi de forma dura e fui objeto de críticas injuriosas pela bancada do PT no Senado. Ninguém se levantou para sustentar minha posição. O que isso mostra? Que os partidos brasileiros não se interessam por política externa, mesmo quando ela é vital para os interesses domésticos do Brasil", disse ele.

Aloysio também criticou o Comitê de Direitos Humanos e as vozes internacionais – incluindo os principais juristas do mundo – que dizem o mesmo. Na sua visão, os que denunciam a perseguição a Lula acreditam no mito do "bom selvagem". "O Lula é um excelente produto para venda no exterior. Mas também porque existe, nesses meios, um terceiro-mundismo que presta homenagem ao Lula para expiar os pecados cometidos no passado. O [ex-presidente francês Jacques] Chirac era doido pelo Lula. O [George W.] Bush era a mesma coisa. É uma espécie de mito do bom selvagem. Você pega o francês "Le Monde", "The New York Times" e é isso. O Lula se encaixa perfeitamente no mito", diz ele.

A agressividade de Aloysio, no entanto, não atinge os Estados Unidos e ele exalta a parceria para entregar a Base de Alcântara. "Eu mesmo fui duas vezes aos EUA, fora reuniões da OEA ou da ONU, me encontrar com Rex Tillerson e com Mike Pompeo [os dois secretários de Estado no governo Trump]. Quando estive lá pela primeira vez, levei uma sugestão de dez pontos de interesse recíproco para a agenda bilateral. Criamos um fórum permanente de segurança pública para troca de informações em tráfico de drogas, armas e pessoas. Temos dois acordos na área de defesa. E o mais importante: a negociação do acordo de salvaguardas tecnológicas para lançamentos comerciais na base de Alcântara, no Maranhão."

No 247

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.