2 de set de 2018

Os contrariados decidem

Os contrariados com a impugnação da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva são mais milhões do que a soma dos milhões que apoiam os colocados, conforme o Datafolha, em segundo, terceiro, quarto e quinto lugares na preferência dos eleitores. Mas, a começar do próprio atingido, a contrariedade não veio do inesperado. Sua fonte é a confirmação do previsto.

Se a contrariedade se manterá nos limites da manifestação eleitoral, nos próximos meses, é um componente a mais da zona de sombra em que o país transita — se a atravessa, é duvidoso.

É possível que o desempenho de Fernando Haddad, ou de quem seja o substituto de Lula, funcione como uma compensação para a contrariedade.

No escasso tempo de que dispõe a campanha do substituto, porém, o desempenho e seus efeitos dependem pouco do candidato e muito das disposições dos contrariados.

Não por acaso, o sentimento de injustiça e perseguição incide sobre uma parte da população já exasperada pela crise, com o desemprego, a criminalidade, a ação policial indiscriminada, a vida em tudo mais difícil. Até agora, a perspectiva das eleições não atenuou a tensão.

Para os petistas e, de modo mais geral, para os movimentos sociais, até a acirrou. Em outros níveis econômicos, Bolsonaro como indicador de clima não muito diferente: em um condomínio da Barra da Tijuca, se não em mais de um, rojões comemoravam suas respostas rombudas a entrevistadores de TV.

Escrevo enquanto o julgamento da candidatura de Lula se desenvolve, e sobre isso os comentários vão se desdobrar por dias. Ou mais. O desfecho com impugnação é, tudo indica, mais uma etapa de um ciclo.

O que ficou bem evidente no que disse, depois de visita a Lula na quinta-feira, o líder do SPD, partido da centro-esquerda alemã que dá sustentação à brava sensatez de Angela Merkel. Martin Schulz: “Não comento o Judiciário brasileiro, mas as circunstâncias do processo contra Lula despertam dúvidas”.

Isso a impugnação não resolve.

Autores

Desde as leis trabalhistas de Getúlio, ainda ditador, o empresariado graúdo quis esvaziá-las dos direitos mais defensivos dos assalariados.

Com a “reforma trabalhista” do governo Temer e da maioria do Congresso, uma parte desses direitos foi afinal excluída. Com a terceirização irrestrita, agora aprovada por sete a quatro ministros do Supremo Tribunal Federal — os que decidem até quanto devem ganhar dos cofres públicos — a exclusão se completou.

Os dirigentes sindicais reclamam. É um disfarce necessário para sua responsabilidade.

O fortalecimento do sindicalismo foi sempre evitado por esses dirigentes: exigiria a sindicalização maciça, com risco do proveitoso domínio dessas imposturas dominantes. Paulinho da Força (a dele, só) que o diga. Os dirigentes sindicais são os mais culpados pelo que criticam.

Escola

Bolsonaro tem prometido a “militarização das escolas”. Não haverá dificuldade para fazê-lo, se eleito. O modelo dessa concepção de ensino, único em grande dimensão, ele encontra em livros sobre a “Juventude Hitlerista”.

Janio de Freitas
No fAlha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.