14 de set de 2018

O candidato de Lula

Fernando Haddad é o nosso também

A perfeita manchete de um jornal italiano
Pergunto aos meus indignados botões se conseguem imaginar em qual girone do “Inferno” Dante colocaria os supremos juízes nativos e, no embalo, muitos outros, merecedores das penas eternas. Respondem supor que o máximo poeta teria de acrescentar um Canto à sua obra para instalá-los a contento em subsolo exclusivo.

De fato, os ministros das cortes supremas e superiores, os desembargadores gaúchos, os protagonistas da chamada força-tarefa curitibana e o fanático inquisidor Sergio Moro reúnem em suas pessoas uma quantidade incalculável de pecados infernais.

Desde a desfaçatez criminosa no descumprimento dos seus deveres de magistrados até a asnice pomposa que as togas ressaltam, desde o exibicionismo midiático até a invenção de provas inexistentes, desde o ódio de classe a insuflá-los até a absoluta falta do senso do ridículo.

O Judiciário é o guardião da Constituição em países democráticos e civilizados. No Brasil ocorre o exato contrário, como escreve Marcos Coimbra na sua magistral coluna desta semana.

Alvo de Coimbra o ministro Luís Roberto Barroso, que comandou a impugnação da candidatura de Lula à Presidência da República. Conforme conta o colunista, em artigo publicado há três anos, Barroso sustentava que, no Brasil, “juízes e tribunais se tornaram mais representativos dos anseios e demandas sociais do que as instâncias políticas tradicionais”.

Aí está traçado o objetivo final do golpe de 2016: impedir que o povo brasileiro entregue novamente a Presidência ao ex-metalúrgico.

Ao retirar Lula da arena política, pretendia-se também atingir fatalmente o PT, e com isso se percebe a primazia conferida ao Judiciário na trama golpista. Cabia à alta corte cumprir seu papel constitucional, proibir o impeachment de Dilma Rousseff e, portanto, evitar daí por diante todas as ignomínias cometidas pelo estado de exceção.

Por obra das togas politizadas, o Brasil encarrega-se de oferecer ao mundo um espetáculo inédito, absolutamente único, a comprovar a medievalidade mais tenebrosa do país da casa-grande e da senzala.

Mas teria hoje o ministro Barroso, do alto da sua elegância afetada, razões para saborear a certeza do dever cumprido? O golpe atingiu seu propósito original, mas do cativeiro Lula já ungiu seu candidato, enquanto as perspectivas do PT são bem mais promissoras do que as desejam Barroso e seus pares, parceiros de façanhas antidemocráticas e das suas encenações ridículas.

Os recursos apresentados pelos advogados do ex-presidente ao tribunal da ONU e ao STF são tecnicamente necessários para que o mundo registre quanto se deu, como ficará claro pela leitura da entrevista que se segue de Fernando Haddad.

CartaCapital, conforme a tradição de publicações da Europa e dos EUA, e da própria a esta altura, apoiou as duas candidaturas de Lula e de Dilma. Não há como imaginar que, por enquanto, Lula saia da cela de 25 metros quadrados, banheiro incluso, e volte à luz do sol, ou a ver as estrelas, como escreveu o já citado Dante. A partir desta edição apoiamos Fernando Haddad, candidato de Lula e nosso.

Sobra uma incógnita, a envolver a disparidade entre as decisões do STF e a vontade popular. Até quando será possível evitar o confronto de posturas tão discrepantes?

E que será capaz de gerar uma vitória de Haddad: provocar perigosamente o destempero dos senhores do golpe ou empolgar o povo até levá-lo à percepção de que sempre foi a vítima deste enredo?

Mino Carta

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.