20 de set de 2018

Haddad ao governo, Lula ao poder

Fortaleza do candidato é representar ex-presidente


O crescimento de Fernando Haddad na disputa presidencial revela a eficácia da política conduzida pelo PT.

Inimigos, adversários e até aliados vaticinavam a derrocada da legenda. As forças mais conservadoras sonhavam com um sistema político expurgado de alternativa viável à esquerda.

O fracasso do governo Temer, ao qual estão fundidos os partidos de centro e direita, especialmente o PSDB de Geraldo Alckmin, despertou o bloco golpista. O aprofundamento da crise econômica e social, associado a escândalos de corrupção, criava base material para possível recuperação do petismo.

As frações do sistema judicial comprometidas com o consórcio do impeachment logo se movimentaram para impedir esse eventual renascimento. Seu alvo passou a ser o ex-presidente Lula, soterrado por processos que o levassem à cadeia e o impedissem de ser candidato em 2018.

Não foram poucas as vozes que passaram a pregar que o campo progressista só teria futuro caso sua direção se deslocasse mais ao centro, com uma candidatura externa ao petismo, como a de Ciro Gomes.

A condenação de seu líder histórico, no entanto, levou o PT a uma tática audaciosa: sustentar a postulação de Lula, operá-la como instrumento de desobediência civil, lançando imediatamente a campanha, na forma de caravanas pelo país.

Essa opção permitiu ao petismo se transformar em coluna vertebral da oposição ao governo Temer, com o ex-presidente atuando como polo agregador da insatisfação popular, ocupando a condição de franco favorito da corrida presidencial.

Embora não tenha havido mobilização popular suficiente para desinterditar a candidatura Lula, sob sua liderança criou-se forte coesão político-social — especialmente entre os mais pobres —, decisiva para um novo nome poder ser impulsionado.

Fernando Haddad não é propriamente um sucessor ou um candidato comum, aos olhos da base eleitoral do PT e de Lula, mas representante do ex-presidente. Essa é a fortaleza de sua candidatura, que poderia ser expressa pelo lema "Haddad ao governo, Lula ao poder".

Setores das elites mal disfarçam sua natureza antidemocrática, dispostos a agir fora da lei para impedir o retorno do PT ao comando do Estado, mas também manobram. Diante da provável falência das candidaturas de centro-direita, especialmente a de Alckmin, tratam de embaralhar o passo da candidatura petista.

Recorrem à ameaça de Jair Bolsonaro para pressionar por uma guinada ao centro, capaz de "unir as forças democráticas", exigindo tanto moderação programática quanto afastamento em relação a Lula e à sua luta por liberdade.

Imaginam possivelmente criar fissuras que confundam o campo petista, enfraquecendo a marcha batida de Haddad para o segundo turno e abrindo flanco para o renascimento de alguma candidatura ao centro.

Ou, ainda, que ele vá para a iminente confrontação contra Bolsonaro desprovido do compromisso antissistema, que é a essência da política que permitiu ao PT retomar o fio da história e reencarnar a esperança de libertação do povo brasileiro.

Breno Altman é jornalista e fundador do site Opera Mundi.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.