23 de set de 2018

Defensor do ‘Escola Sem Partido’, professor se veste de nazista para dar aula

Gabriel Tebaldi, professor de história e colunista do jornal Gazeta Online, do Espírito Santo, aparece em uma foto que circula nas redes usando um uniforme nazistas com suásticas durante uma aula; atitude do historiador, que é defensor do 'Escola Sem Partido', pode ser interpretada como crime pela Constituição Federal


Mais um caso de um professor usando símbolos e referências nazistas para dar aula sobre o tema veio à tona nas redes sociais durante este final de semana. Gabriel Tebaldi, historiador formado pela Universidade Federal do Espírito Santo e professor de Ensino Médio em uma escola capixaba, aparece em uma foto vestindo, em sala de aula, um uniforme de policial nazista, repleto de suástica.

O professor é colunista do jornal local Gazeta Online e, em seus artigos, defende o projeto ‘Escola Sem Partido’ – projeto que visa “acabar” com a inexistente “doutrinação marxista” nas escolas – e faz ferrenhas críticas à Lula e ao PT.

Nas redes sociais, internautas têm acusado Tebaldi de fazer apologia ao nazismo. Tal acusação tem como base uma interpretação da Constituição Federal, que diz no parágrafo 1º do artigo 20 é citado o “Crime de Divulgação do Nazismo”: “§1º – Fabricar, comercializar, distribuir ou veicular, símbolos, emblemas, ornamentos, distintivos ou propaganda que utilizem a cruz suástica ou gamada, para fins de divulgação do nazismo. Pena – reclusão de dois a cinco anos e multa”.



Apologia? 

Em abril do ano passado veio à tona um caso parecido de Recife (PE). Um professor ornamentou toda a sala de aula com bandeiras nazistas e se vestiu de ditador nazista durante uma aula. À época, a colunista da Fórum e especialista em neonazismo, Adriana Dias, afirmou que esse tipo de aula pode, sim, ser considerada apologia.

“O que significa apologia? Apologia é um discurso (uma ação, tida como um discurso também) que tem por fim justificar, defender, louvar alguém ou alguma coisa. Obviamente, espero que o professor não tenha tido a intencionalidade do dolo. Espero, mesmo. Mas, houve, sim, apologia. Porque não foi simplesmente um desenvolvimento de material para fim didático. Foi uma sala toda ambientada, completamente ambientada com louvor ao nazismo, com bandeiras, lembrando a sua época de opulência. O professor poderia ter feito uma suástica, poderia ter colocado no quadro, e explicado seu símbolo. Poderia. Mas, vestir a sala inteira de panteão nazi, é apologia, sim”, explicou. Saiba mais aqui.

Fórum tentou contato com o professor Gabriel Tebaldi para obter um posicionamento sobre o caso, mas não obteve retorno até a publicação desta matéria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.