18 de set de 2018

Breno Altman: sem povo na rua, o presidente eleito nem toma posse

"A ameça militar atinge cada vez mais a vida política do Brasil". Este é o alerta do jornalista Breno Altman, que expôs sua análise política semanal na TV 247, comentando também o episódio da facada que atingiu o candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL), além do possível fracasso da candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB) representando o partido do golpe, que não decola nas pesquisas. 

Observando o esfaqueamento do candidato Jair Bolsonaro, ocorrido em Juiz de Fora (MG), Altman considera necessário separar o que é um fato da sua repercussão. "O ataque contra Bolsonaro não é uma invenção, as informações médicas são legítimas, de fato ele ficou entre a vida e a morte, assim como foi um maluco que o feriu", argumenta. 

No entanto, Altman ressalta que a repercussão da facada foi manipulada, citando as fake news com montagens relacionadas a Bolsonaro. "A partir do fato, seus aliados começaram a se movimentar para extrair feitos políticos do esfaqueamento", observa. 

Partido do golpe fracassado 

Altman classifica a candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB), representando o partido do golpe, como "insustentável". "O tucano não tem para onde correr, restou a ele um discurso desconfiável de pacificação do País, colocando-o em cima do muro", afirma. 

Ameaça militar 

Nesta semana, o comandante geral do Exército Brasileiro, General Villas Bôas, declarou ao jornal Estado de S.Paulo que a legitimidade do próximo presidente eleito poderá ser questionada caso Lula fosse candidato, além de dizer que o parecer da ONU garantindo os direitos políticos do ex-presidente não deve ser acatado.

"Villas Bôas deveria ser preso, afastado e demitido de sua função, após a entrevista que concedeu. Ele cometeu um crime que fere a Constituição e deveria ser punido", defende Altman. 

O jornalista ressalta que a participação política dos militares vêm aumentando no Brasil. "O Exército é a última linha de defesa da burguesia brasileira", expõe. 

O general da reserva Hamilton Mourão, vice de Jair Bolsonaro, declarou à Globo News que pretende fazer uma missão de paz na Venezuela. 

"Eu não desconsidero que o Exército brasileiro se envolva em uma aventura na Venezuela, financiado pelos EUA, para derrubar o governo legítimo de Nicolás Maduro. A posição das forças armadas hoje é de entreguismo, satélite dos interesses imperialistas", condena.

Altman ressalta ainda que, sem a mobilização popular, não haverá nem a posse do presidente eleito. "A batalha que se trava no Brasil é crucial, o resultado eleitoral terá que ser defendido nas ruas, general Mourão deixou claro que os militares estão disputando a tutela do regime democrático brasileiro", alerta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.