22 de set de 2018

Bolsonaristas negam Holocausto, desprezam mulheres, insultam Marielle e expõem almas doentes


Em novembro de 1940, o democrata Franklin D. Roosevelt venceu o republicano Wendell Willkie com uma diferença de 5 milhões de votos e conquistou o terceiro mandato consecutivo na Casa Branca. O presidente viria a ser um dos condutores dos Aliados no triunfo sobre o nazifascismo. Isso é o que conta a história, porque no romance “Complô contra a América” Roosevelt foi abatido nas urnas de 1940 pelo aviador Charles Lindbergh.

O livro de Philip Roth lançado em 2004 narra as agruras, o medo e a resistência de famílias norte-americanas de origem judaica sob o imaginário governo do pioneiro da travessia aérea sem escalas do Atlântico. Na vida real, Lindbergh voava alinhado com esquadrilhas antissemitas e fascistoides. Havia sido condecorado pelo III Reich, confraternizava com mandachuvas alemães e defendia, para gáudio de Berlim, os Estados Unidos à margem da guerra que conflagrava a Europa.

Na ficção, sua administração perseguiu e intimidou os judeus. O personagem repugnante bolado por Roth não ousou sugerir que se pesassem seres humanos em arrobas. Pareceria inverossímil, tamanha a perversidade, a despeito do racismo do protagonista. “Complô contra a América” não me sai da cabeça. Não ao fabular um passado distópico, mas ao matutar sobre o porvir. Próximo, não distante. Do Brasil, e não da “América”.

Duas semanas atrás, 26.791 dias depois da morte de Adolf Hitler, a embaixada em Brasília da República Federal da Alemanha publicou no Facebook um vídeo de 67 segundos sobre o nazismo. Virou alvo da artilharia dos negacionistas do Holocausto da Segunda Guerra, os mesmos que em nossos trópicos negam ter vigorado uma ditadura a partir de 1964.
É entre bolsonaristas que tais sandices germinam.
“Farsa”, zurrou um mentecapto com nome iniciado com agá (copiei o comentário, mas não promoverei seu autor). Tal cretinice recebeu 944 curtidas. Um certo L. repudiou a caracterização do hitlerismo como de direita. Ignorância faz mal. Arrogância, também. Misturadas, resultam em indigência intelectual diabólica. H. e L. empenham-se, constata-se em seus perfis, na campanha presidencial de Jair Bolsonaro.

Nem todo bolsonarista apregoa a inexistência do genocídio ou pinta como esquerdista o regime nazista. Mas é entre bolsonaristas que tais sandices germinam.

“Nunca tinha visto na Alemanha essa discussão sobre o nazismo ser de esquerda”, disse à Deutsche Welle o cientista político Kai Michael Kenke. “Lá é muito simples: trata-se de extrema direita e pronto. Essa discussão sobre ser de esquerda ou direita parece existir só no Brasil. Se você perguntar para um neonazista na Alemanha se ele é de esquerda, vai levar uma porrada.”

‘Fábricas de desajustados’

Em meados do mês, completou meio ano a impunidade dos assassinos de Marielle Franco e Anderson Gomes. Em reação à cobrança sobre quem os matou e quem mandou matá-los, W. relinchou no Twitter: “Pergunta lá na Maré, o tiro veio do traficante revoltado com a piranhagem dela, ciúme puro”. “Já foi tarde”, sibilou L. Talvez, ululou A., “uma fechada no trânsito pode ter causado a morte” da vereadora e do motorista.

Um dos três animais hidrófobos é robô, mas expressa o ódio de um ser humano de alma putrefata. O pior robô é o existencial. Adivinhe quem é o candidato preferido de W., L. e A. Ele mesmo, o indivíduo chamado de “Coiso” ou “Mito”, a depender da cachola e do coração de cada um. L. reverenciou ontem o vice de Bolsonaro: “Parabéns, general! Família tem que ter pai (macho), mãe (fêmea) e filhos!!!! É a base de uma sociedade harmônica e estável!”

Hamilton Mourão voltara, na véspera, ao estropício filosófico. Sua doutrina doentia pressupõe que famílias “sem pai e avô, mas com mãe e avó” são “fábricas de desajustados”, fornecedoras de mão de obra para o tráfico de drogas. O general se referia a famílias pobres. Em 2007, Sérgio Cabral afirmara que a Rocinha é uma “fábrica de produzir marginais”. O pensador militar acentuou, com o componente de gênero, o preconceito de classe do governador gatuno.

É compreensível a aversão maior a Bolsonaro entre o eleitorado feminino (49% de rejeição entre as mulheres, 38% entre os homens, conforme o Datafolha). As mulheres, incluindo mães e avós, chefiam 40% dos lares brasileiros. São 11 milhões os lares formados somente por mulheres e seus filhos. O capitão, o general e sua turma se incomodam com o mulherio. Com mais de 2,5 milhões de participantes, o grupo “Mulheres Unidas contra Bolsonaro” foi retirado do ar no fim de semana, depois de um ataque cibernético no Facebook. Mourão declarou que o grupo era “fake”. Não era.

Também encrencam com a orientação sexual alheia. Empolgam hordas desatinadas. No domingo, no clássico mineiro, um grupo de torcedores do Atlético bramiu: “Ô, cruzeirense! Toma cuidado! O Bolsonaro vai matar veado!” O clube rechaçou as “manifestações homofóbicas” e os “gestos de preconceito” e “incitação à violência”.

HIV: ‘Problema deles’

Um vídeo com entrevista de Bolsonaro em 2010 documenta uma das mais desapiedadas abordagens de políticas públicas para cuidar de pessoas que vivem com o vírus HIV. O deputado condenou “dinheiro do povo para tratar essa gente depois que contrai a doença com esses atos”. Associou a contaminação à “vida mundana”.

A entrevistadora Monica Iozzi ironizou: “Então dinheiro público vai para quem tem câncer, para quem tem tuberculose. Para quem tem Aids, a pessoa que foi culpada por pegar, ela que se vire…”. O atual candidato a presidente emendou: “Concordo contigo”. Monica esclareceu: “Eu não acho isso”. Bolsonaro: “Se for na sacanagem…”. Monica: “Se não se cuidou…”. Bolsonaro: “Problema deles”. Monica: “Que morra…”. Bolsonaro: “Problema deles!”
A ameaça Bolsonaro é mais aterrorizante do que o país devaneado pelo gênio de Philip Roth. Lá o espectro era ficção; aqui, é desgraçadamente real.
Quem veiculou a entrevista no Youtube não foi um detrator, mas Carlos Bolsonaro, orgulhoso do pai. O vereador do Rio aplaudiu: “Os hipócritas dizem que quando o vagabundo faz besteira cabe ao Estado zelar por sua irresponsabilidade. O deputado federal Bolsonaro diz a verdade e dispara: ‘O Estado deve tratar de doentes infortúnios [sic] e não de vagabundos que se drogam ou adquirem aids por vadiagem’. Muitos não vão gostar, mas concordo”.

Em alguns círculos, o jornalismo que o diga, a banalização das crueldades bolsonaristas persistiu enquanto o deputado e seus partidários serviram a propósitos como a deposição de Dilma Rousseff. Regrediu, porém ressurge na desonestidade de igualar Bolsonaro a adversários que rejeitam selvagerias.

Autores de não ficção costumam ser questionados sobre o motivo de não escrever histórias ficcionais. Respondem que, diante de matéria-prima cotidiana tão rica, para que inventar? A criatividade e a arte se expressam na maneira de contar.

A ameaça Bolsonaro é mais aterrorizante do que o país lindberghiano devaneado pelo gênio de Philip Roth. Embora nos Estados Unidos o fascista tivesse virado presidente, e no Brasil a eleição seja futuro. Mas lá o espectro era ficção; aqui, é desgraçadamente real.

Bolsonaro seria fortíssimo no 2º turno

O Ibope divulgado ontem flagrou Bolsonaro com 28 pontos (+2), Haddad com 19 (+11), Ciro Gomes com 11 (igual), Geraldo Alckmin com 7 (-2) e Marina Silva com 6 (-3). Em uma semana, o candidato de Lula avançou 11 pontos, e sua diferença para o líder diminuiu nove. Já é razoável especular: quando, ainda no primeiro turno, ele ultrapassará o postulante da extrema direita?

A pesquisa não foi ruim para Bolsonaro. Nas simulações de segundo turno, ele vence Marina (41% a 36%) e empata com Haddad (40% a 40%), Ciro (40% a 39%, com vantagem numérica do pedetista) e Alckmin (38% a 38%). O capitão é muito competitivo.

Ele já questiona preventivamente o placar eleitoral. Internado na unidade semi-intensiva do Hospital Israelita Albert Einstein, fez uma transmissão ao vivo pela internet. Sem provas, disse que “o PT descobriu o caminho para o poder, o voto eletrônico”. Programas poderiam inserir na moita 40 votos por urna, de acordo com o concorrente do PSL.

O general Mourão propôs uma nova Constituição, mas não elaborada por constituintes escolhidos por sufrágio universal. E sim obra de um conselho de notáveis. Mais tarde, a Carta seria submetida a plebiscito.

Uma vez golpistas, sempre golpistas.

Mário Magalhães
No The Intercept

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.